Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas OPINIÃO SEM MEDO

'Bolsonaro defende a ditadura e exalta a tortura'

A afirmação é do ministro do STF, Luís Roberto Barroso, mas poderia ser minha, sua ou do próprio Jair Bolsonaro


28/08/2020 07:02

(foto: Nelson Jr. / ASCOM/TSE)
(foto: Nelson Jr. / ASCOM/TSE)

A Bolsolândia é mesmo um troço curioso. Prega abertamente o fim da Suprema Corte e do Congresso; clama por uma tal “intervenção militar constitucional”; sem medo de ser feliz, confessa que deseja o fim de qualquer ideologia que não seja a própria; admite que “bandido bom é bandido morto”. Daí, quando alguém vem e resume, em poucas palavras, o que de fato essa gente é, o chororô começa.

Me digam uma coisa: Bolsonaro defende, ou não, a ditadura? Exalta, ou não, a tortura? Salvo um clone seu, dizendo barbaridades durante os últimos 30 anos na Câmara dos Deputados, ter tomado o seu lugar, o atual presidente da República é exatamente o que disse o ministro do Supremo: um defensor da ditadura e da tortura. E sendo, fica a pergunta: por que o mimimi diante da verdade?

Barroso é um notório, digamos, militante da esquerda. Suas teses em defesa do aborto e da legalização da maconha, e sua atuação como advogado do terrorista italiano Cesare Battisti, além do combate ferrenho que faz ao período militar no Brasil, o associam com o inimigo número 1 do bolsonarismo. Para essa gente democrática, “a esquerdalha tem de ser fuzilada”. E faço aqui essa crítica sendo um cara de centro-direita, hein!

Pessoalmente, detesto quase todas as teses de esquerda. Aliás, detesto quase todos os expoentes da esquerda. Porém, sou “Evelyn Beatrice Hall Futebol Clube” roxo: “Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las”. A democracia, meus caros, pressupõe discordância e diálogo. Quem pretende eliminar o opositor político é apenas e tão somente um tirano ditador.

Em vez de reclamar, Bolsonaro e seus seguidores deveriam bater no peito e, orgulhosamente, endossar as palavras de Barroso: “defendemos, sim, a ditadura e a tortura. E daí?”. Afinal, Sara Wintertá aí para provar. E Eduardo Bananinha, com um cabo e um soldado, também. 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade