Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Direto de Buenos Aires: Esquerda unida jamais será vencida

"Alguém, aí no Brasil, não se cansa de demonizar o Judiciário e se dizer vítima de uma persecução penal injusta e mentirosa. Por aqui, ouvi o mesmo"


postado em 13/12/2019 06:00

Fernandez e Kirschner, legado peronista no Casa Rosada(foto: Juan Carlos CARDENAS / ARGENTINA'S SENATE / AFP)
Fernandez e Kirschner, legado peronista no Casa Rosada (foto: Juan Carlos CARDENAS / ARGENTINA'S SENATE / AFP)

Não fossem a língua, a cor (azul ao invés do vermelho) e a linguiça (no lugar da mortadela), eu juraria que estive num comício de Lula e do PT

Uma estranha coincidência me trouxe a Buenos Aires no dia da posse do presidente eleito Alberto Fernández e da ‘vice’ Cristina Kirchner. Escrevo este texto ainda na capital da Argentina. Entre trabalho e lazer, não me furto a observar a cena política de onde estou.

Nas ruas, vejo palanques e shows por todos os lados. Tudo gratuito, claro. Cerveja, empanada e choripán (pão com linguiça) distribuídos fartamente. Discursos populistas e messiânicos prometem uma Argentina que jamais existirá. Enquanto a tigrada se diverte, o mundo real continua na labuta: quem trabalha - e vive do próprio trabalho - não tem tempo para isso.

Buenos Aires nos avisa: a esquerda dificilmente morre. Pior. A esquerda não aprende nada; não esquece nada. Alguém, aí no Brasil, não se cansa de demonizar o Judiciário e se dizer vítima de uma persecução penal injusta e mentirosa. Por aqui, ouvi o mesmo. A gatuna Cristina prometeu caçar (inconstitucionalmente) quem lhe caçou (constitucionalmente). E cassar também.

Ela e seu bando, como Lula e o dele, foram flagrados em esquemas de corrupção gigantescos. Nessa terça (10), ao tomar posse como vice-presidente, prometeu reestruturar integralmente o judiciário federal a fim de encerrar as acusações mentirosas e prisões arbitrárias (palavras dela, é claro). Que diabos significa ‘reestruturar’? Bem, só ela e o fantoche-presidente poderão dizer.

Kirchner só está solta graças aos privilégios que detém como ex-presidente. Como no Brasil, na Argentina existe uma espécie de foro privilegiado. A América Latina é pródiga em criar leis que protegem governantes ladrões. É pródiga também em transformar países com potenciais incríveis de prosperidade em ilhas de absoluta pobreza e desesperança.

Pesquisa recente do Datafolha mostrou que 25% dos eleitores brasileiros confiam em Lula desde sempre. Não é pouca gente. Quanto mais pobre e menos escolarizada a população, mais enganada e manipulada será. É justamente neste estrato social que o PT resiste.

Na Argentina, idem. Motoristas de Uber, por exemplo, da categoria ‘Conforto’ (semelhante à Black, no Brasil - carros melhores e mais novos) não confiam em Cristina. Já os taxistas, confiam. Nos hotéis, o staff da recepção e restaurante não confia. Camareiras e porteiros, sim. Sempre que renda e escolaridade interferem, os resultados mudam.

Obviamente é assim no mundo todo, mas na América Latina tal condição é dramática. As esquerdas sempre souberam disso e calibram o discurso de forma a transformar seus crimes em ‘mentiras inventadas por uma elite que explora os pobres’.

Destroem a economia dos países que governam para depois culpar as administrações seguintes. É incrível como o modus operandi é idêntico e imutável. No máximo, um pouco adaptado às condições locais. Pobres latino-americanos.

Nuestros hermanos necesitarán mucha suerte, y nosotros también. Eita que gastei todo meu portunhol, hehe!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade