Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas EM DIA COM A PSICANÁLISE

A importância de escutar o seu desejo

Quem não tem desejo, são os depressivos, que se sustentam nos enganos oferecidos pelo mercado de consumo. E, pior, a maioria está na dependência e consumo de remédios


postado em 12/01/2020 04:00 / atualizado em 12/01/2020 13:47



O que faremos de nossa vida, na maioria dos casos, nem mesmo nós sabemos. Vamos andando sem pensar no que acontece, nos distraímos, desviamos, nos perdemos e nem sempre estes movimentos são claros. É como se andássemos sem destino, deixando a vida nos levar para onde ela quiser. Por algum tempo, pode parecer bom, mas a longo prazo tem consequências.

Quantas vezes pessoas talentosas, inteligentes, capazes se perdem por terem se amarrado em situações complexas, se embolado com desejos alheios, se inspirado em alguém que se foi e restar-lhes apenas uma vida complicada. Uma vida complicada, toda amarrada, cuja reorganização a princípio nos parece impossível e sem saída, e encontrá-la requer da pessoa muito afinco e trabalho decidido.

Todos nós temos sintomas. O sintoma é um modo de organização particular de cada um consigo mesmo para se virar no mundo. É seu jeito de ser e ele é único. Um sintoma tem a cara de seu dono e de mais ninguém. Assim, precisamos usar nosso sintoma a nosso favor para conseguirmos resultados positivos que atendam nosso desejo. Uma determinação que será o caminho que nos levará a alguma coisa satisfatória.

Mas nem todos entendem quando estão perdidos num turbilhão na certeza de que pau que nasce torto morre torto. Discordo. Nós podemos fazer muitas coisas por nossa vida, e se há alguma coisa que pode mudar são as pessoas infelizes e insatisfeitas. E acredito que a única coisa que pode mudar as pessoas é o amor.

Não estou falando de amor romântico ou de uma coisa piegas. Mas de uma atenção e escuta que valorizam aquilo que cada um é e tem dentro de si sem saber. O inconsciente transmite isto claramente através de sonhos, atos falhos, lapsos de linguagem. Ele tem a capacidade de apontar.

Infelizmente, nem todos são atentos a esses detalhes sensíveis e a pensamentos que passam de repente pela cabeça, cruzam a mente, sem compromisso. Talvez sejam eles o mais importante de cada um. O que querem fazer e têm medo porque pode não dar certo e nunca apostam no que de fato querem. Toda aposta é sem garantia, mas quem não aposta não entra no jogo.

Sabe aquela perguntinha que ficamos com vergonha de fazer porque pode nos mostrar ingênuos ou pouco inteligentes? Muitas delas se referem de fato a coisas importantes às quais não damos valor. Talentos ocultos existem em cada um de nós para serem descobertos.

O valor dado a coisas simples cresce e se multiplica e transforma uma vida tediosa em uma descoberta interessante. O valor dado ao mais singular de cada um, ao sintoma de cada um, faz florescer um novo sujeito que vivia ofuscado, apagado dentro da pessoa. Mas suas pistas estão surgindo a toda hora.

E é o amor a este particular encontrável em cada um que pode fazer de uma vida perdida um achado. A atenção sensível desvela o que há de melhor nas pessoas. Abandonemos as críticas, as autocríticas e pensemos no que há de bom em cada coisa que vemos, ouvimos ou pensamos.

Façamos as pazes com o que amamos em nós e a que nunca nos dedicamos, porque não nos tornará ricos ou não nos levará ao sucesso mega do capitalismo. Peguemos leve, no detalhe escondido, sem pretender demais e certamente aquilo nos levará além.

O desejo sempre fala manso, baixo, discreto quando não tem nossa atenção. Mas quando o captamos, ele vai crescendo e se revela grandioso e salvador. E com certeza aqueles que dizem não ter desejos são os depressivos, que se sustentam nos enganos oferecidos pelo mercado de consumo. E, pior, a maioria está na dependência e consumo de remédios. Não é que não tenham desejo. Todos têm. É que não se escutam. Simples assim.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade