Publicidade

Estado de Minas EM DIA COM A PSICANÁLISE

O ex-tranho


postado em 07/07/2019 04:00


 Desde 1996, todo ano, o Fórum Mineiro de Psicanálise atravessa nossas montanhas levando o desafio ético de sustentar a psicanálise para além das instituições, escolas e outros guetos institucionais. Desde seu primeiro boletim, lançado em 1995, propõe mostrar que a psicanálise mesmo quando se extravia guarda ainda sua força. E não há dúvidas que prospera em sua décima rodada sediada em Divinópolis. Essa iniciativa propôs o desafio de escutar a psicanálise nas Gerais, desde 1996, com a pergunta: “O que se faz, quando se faz psicanálise?” Desde seu início, trançando por várias cidades das Minas Gerais, o fórum mantém o propósito de construir espaços de interlocução em torno das questões que são caras aos psicanalistas e aos não analistas implicados com o inconsciente. Este ano, o tema escolhido vai destacar O estranho ou O inquietante, traduções do original Das Unheimliche, escrito por Freud, em 1919, em sua língua pátria, o alemão.

É em torno dos impasses que esse texto impõe que se propõe avançar nas questões que inquietam no caminho da psicanálise. Como grafar em nossa língua um termo que embaraçou o próprio Freud no auge de sua elaboração teórica? O artigo de Freud, atual como se escrito agora, no 10º Fórum Mineiro de Psicanálise caminhará numa outra via escrita: o ex-tranho. Segundo os organizadores do evento, a proposta dessa grafia é demarcar o estrangeiro-familiar que compõe a condição humana. Portanto, nessa mescla, que indissocia estranho-entranha, torna-se bastante interessante que a tradução destaque o “sentimento inquietante” que nos toma diante dos acontecimentos que remetem a algo já registrado em nosso psiquismo e que fora recalcado.

Dessa maneira, trata-se de algo que nos afetou intimamente e, portanto, deveria ficar no ostracismo, sob risco de provocar grande mal-estar se retornasse. No mundo contemporâneo, cada vez mais caótico, rapidamente mutante, e que nos permite encontrar acontecimentos e relações que podem fazer acordar aquilo que (nem pensávamos) estava morto, somos impactados pela constatação de que o que parecia tão diferente de nós é, radicalmente, profundamente familiar. O que fazer? Como lidar com isso que volta: a temida solidão, o temido escuro, a temida morte, a guerra, a violência, a segregação?

A psicanálise se coloca às voltas com esse inquietante, esse real bruto que nos desafia e diante do qual não podemos recuar. Nessas voltas, esperamos que o 10º Fórum Mineiro de Psicanálise reúna interlocutores que se dediquem a escutar e acolher cada estranho e acompanhá-lo nessa jornada sem garantias. Abrimos, portanto, o convite para a construção de estudo e discussão em torno desta temática. Será um acontecimento de altíssima qualidade. Sob coordenação geral das psicanalistas Gisele Scarpone e Juliana Marçal, contará com os importantes convidados Christian Ingo Lenz Dunker, Gilson Iannini, Eliana Rodrigues e Marco Antonio Coutinho Jorge. 10º Fórum Mineiro de Psicanálise 12 e 13 de julho, na Faculdade Pitágoras de Divinópolis (Rua Santos Dumont, 1.001, Bairro do Carmo). Inscrições no local do evento. Informações: www.xforummineirodepsicanalise.com.


Publicidade