Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

iFood para toda a cadeia de alimentos


postado em 20/04/2019 06:00 / atualizado em 28/04/2019 11:52

 

O delivery de comidas iFood lançou o iFood Shop, um marketplace onde o proprietário do restaurante encontra mais de 150 fornecedores e 15 mil itens, de insumos a embalagens, podendo economizar até 20% em suas compras. Em entrevista exclusiva ao Estado de Minas, o presidente Carlos Moyses disse que ao mesmo tempo em que a medida contribui para melhorar a eficiência dos 66 mil estabelecimentos parceiros, a empresa ainda tem comissão sobre as vendas – o que a torna ainda mais poderosa.

Líder na América Latina em seu setor, o iFood é uma foodtech (startup na área de alimentação) presente em mais de 500 cidades no Brasil e também no México e Colômbia. Com 12,6 milhões de usuários, atendeu 17,4 milhões de pedidos de entrega de comida só em março, uma média de 580 mil por dia, crescimento de 130% em relação ao mesmo período do ano passado. São 1,8 mil funcionários e outro 1 mil serão contratados em 2019. É considerada uma unicórnio – startup com valor de mercado superior a US$ 1 bilhão.

Com o aporte de US$ 500 milhões, anunciados no ano passado pelos acionistas Movile, Naspers, Just Eat e Innova Capital, a empresa está focando seus investimentos em tecnologia, inteligência artificial, meios de pagamento e logística. “Olhamos para todas as pontas da cadeia: consumidores, entregadores, restaurantes, além de produtores e distribuidores”, disse Moyses.

O iFood cresce três dígitos por ano, há sete anos. Nos últimos 12 meses, a expansão foi de 130%. A previsão, segundo Moyses, é manter esse patamar nos próximos cinco anos. “O mercado de delivery ainda tem muito espaço para crescer – mais de 120 milhões de pessoas usam smartphones e fazem pedidos online”.


França aposta em BH


A francesa Skema Business School (Escola da Economia do Conhecimento e da Gestão) anunciou que investirá R$ 28 milhões, até 2020, em sua operação no Brasil, com sede em Belo Horizonte. Vai ainda aplicar mais R$ 13 milhões em programas de ‘inteligência aumentada’, no Al Global Lab. Com base na Carolina do Norte (EUA), ele tem o objetivo de acelerar pesquisas voltadas para a transformação digital de negócios em suas seis unidades no mundo, incluindo a de Beagá.


"A escolha por BH se deve
ao potencial para um desenvolvimento de alto nível para os negócios, representado pelo rico ecossistema de inovação e empreendedorismo no estado, tornando BH o ‘Oceano Azul’ da nova economia no Brasil”

. Alice Guilhon, reitora da Skema

 

 

 

Nestlé no Mercado Livre
A Nestlé fechou uma parceria com a Brasil CT, uma das líderes em e-commerce no país, para abrir uma loja no site Mercado Livre – o sétimo site mais acessado no Brasil, com 331 milhões de visitas por mês. No lançamento, ofereceu a linha de Páscoa. Anunciou que a medida reforça a estratégia de buscar novas formas de interagir com o consumidor, estar onde ele está e conhecer suas preferências. A Nestlé fornece os produtos para a Brasil CT, que faz a gestão de toda a logística de recebimento de pedidos e entrega ao consumidor.


Nanotecnologia de ponta
O Centro de Tecnologia em Nanomateriais e Grafeno da UFMG inaugurou sua nova sede, no Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BH-TEC), na Pampulha. São dez laboratórios com equipamentos de última geração. O CTNano, que funcionava em espaços provisórios desde 2013, já é reconhecido pelo pioneirismo no país em pesquisas na área
de nanomateriais. Os trabalhos contribuem para o desenvolvimento e melhoria de produtos e processos, impactando a competitividade da indústria nacional,
9como a do petróleo, gás, mineração, aeronáutica e médica.


Publicidade