Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Mina$ em foco

Cafés especiais despontam na farta safra mineira de 2020

Grãos especiais devem responder por 5 milhões de sacas do total de 33,5 milhões de sacas da produção cafeeira esperada em Minas. Bom resultado é reflexo da qualidade considerada excepcional do produto neste ano, além do aumento do volume total, que deve passar de 36% ante 2019


02/10/2020 04:00 - atualizado 02/10/2020 07:30

Cultivo de grãos especiais vem se expandindo em todas as grandes regiões produtoras de Minas Gerais(foto: Gustavo Baxter / NITRO/ Divulgação - 7/11/18)
Cultivo de grãos especiais vem se expandindo em todas as grandes regiões produtoras de Minas Gerais (foto: Gustavo Baxter / NITRO/ Divulgação - 7/11/18)
A colheita dos cafés de Minas Gerais chega ao fim, neste mês, nas áreas montanhosas, com mostra suficiente de que, além do farto volume, a qualidade despontou num ano tomado de más notícias na economia. Os grãos especiais devem encher 5 milhões de sacas, premiadas pela variedade de tipos de terroir que mantêm o estado em seu lugar de destaque no mercado consumidor brasileiro e no exterior.

Confirmada essa produção, será marca histórica para os cafeicultores empenhados no manejo e nos tratos culturais favorecidos, em 2020, pelas chuvas e o tempo seco no momento certo esperado nas lavouras. A valorização das condições que tornam o café especial, na sua origem, ganhou força este ano nas regiões produtoras do cerrado mineiro/Serra da Mantiqueira, no Sul de Minas; da chamada Matas de Minas, ao Sudoeste; e da Chapada de Minas, no Norte, que compreende áreas promissoras de Capelinha, Angelândia e Água Boa.

O resultado, para quem acompanha a evolução dos cafezais, é fruto de um processo visto em todo o estado de expansão do cultivo de grãos especiais, como observa Ana Carolina Alves Gomes, analista de agronegócios da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg). “Produzir cafés de qualidade, hoje, se tornou uma questão estratégica, que beneficia a lucratividade, num mercado de remunerações melhores, e faz a diferença”, afirma.

A produção dos grãos especiais prevista em 2020 representa cerca de 15% da safra mineira, estimada em 33,5 milhões de sacas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Trata-se de projeção semelhante ao recorde de 2018, mas, à frente daquele ano em qualidade obtida. O clima foi decisivo com chuvas do fim do ano passado até abril, no período de enchimento dos grãos, e tempo seco durante e após a colheita, iniciada em maio.

Metodologia de avaliação sensorial usada pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA, na sigla em inglês) classifica o produto, que alcança pontuação mínima de 80 pontos numa série de atributos, como fragrância, aroma, uniformidade, doçura, sabor, acidez e corpo, entre outros. Carolina Gomes lembra que o segmento cresce a taxas bem superiores àquela geral da produção em grande quantidade.

A participação dos cafés especiais no mercado consumidor tem aumentado 15% ao ano, enquanto fica entre 1% a 3% a expansão média do chamado café commodity, vendido em grandes embarques por Minas e o Brasil. Dependendo do nível de qualidade do grão e dos padrões comerciais, a remuneração por saca pode ter acréscimo de 100% dos preços.

Quando considerada a estimativa total da safra de café de Minas, de 33,5 milhões de sacas, chega-se a aumento de 36,3% frente à oferta de 2019. Houve expansão de área em todas as regiões produtoras. Os melhores desempenhos são esperados na Zona da Mata mineira, com acréscimo de 60,6% da produção, e o Sul do estado, com 30,3% a mais. Foi generalizada a elevação de área plantada e de produtividade obtida nos cafezais neste ano.

A larga e tradicional participação do café arábica na produção mineira permanece, representando 99,1% da safra. Maior produtor do Brasil, Minas deve responder por 54,3% dos 61,6 milhões de sacas de café beneficiado no país nesta safra. Os produtores trabalham com uma referência impressionante desse ouro negro de Minas: a cada cinco xícaras tomadas no mundo, uma tem origem no estado.

Coffee+


As fazendas Santuário Sul, Bom Jardim e Primavera, em Minas Gerais, todas elas já premiadas no Cup of Excellence – principal concurso de qualidade para cafés no mundo, realizado pela BSCA desde 2000 – foram selecionadas como fornecedoras da marca Coffee , que será lançada em Nova Lima, na Grande BH, na próxima terça-feira. Os empreendedores Leonardo Montesanto, Rafael Terra e Pedro Brás, filhos de produtores do estado, optaram por comercializar toda a oferta on-line com produtos de alto padrão e grãos especiais classificados acima de 84 pontos. Serão oferecidos grão torrado, café torrado e moído, cápsulas e o drip coffee, porção individual.

Coffee of the Year 


9 de outubro
É o prazo final para inscrição e envio de amostra aos organizadores do Coffee of the Year 2020, concurso que premia os melhores cafés do Brasil e evento tradicional da Semana Internacional do Café (SIC). A SIC será realizada de 18 a 20 de novembro, on-line, devido aos efeitos da pandemia de COVID-19. Informações no site https://semanainternacionaldocafe.com.br/br/.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade