Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas MINA$ EM FOCO

Indústria láctea cresce com novos projetos da Porto Alegre, Nestlé e Itambé

Ciclo de investimentos das três companhias reflete o interesse do capital estrangeiro numa indústria que busca mais produção e inovações


postado em 27/09/2019 06:00 / atualizado em 27/09/2019 07:48

Setor de lácteos deve receber mais recursos, diante das sondagens que têm sido feitas à indústria por investidores estrangeiros(foto: Euler Junior/EM/D.A Press -01/07/2011)
Setor de lácteos deve receber mais recursos, diante das sondagens que têm sido feitas à indústria por investidores estrangeiros (foto: Euler Junior/EM/D.A Press -01/07/2011)

A indústria láctea dá o exemplo em Minas de um Brasil que é capaz de atrair investimentos e tem potencial para crescer, uma vez atacados o desemprego e a desigualdade de renda que restringem o poder de compra da população e o fortalecimento do mercado interno de consumo. São condições observadas em qualquer país desenvolvido. A Laticínios Porto Alegre pôs em marcha sua segunda fábrica – dedicada à produção de refrigerados – em Antônio Carlos, na Região Central do estado, onde desembolsou mais de R$ 100 milhões.

A expansão da empresa, que processa 1 milhão de litros de leite por dia em quatro unidades industriais, não para por aí. A Porto Alegre fez ampliação recente em sua fábrica de Ponte Nova, orçada em outros R$ 100 milhões, e planeja mais uma unidade em Santana dos Patos, na região de Patos de Minas, que vai demandar mais R$ 60 milhões até 2023, com previsão de gerar uma centena de empregos.

A multinacional Nestlé, por sua vez, concluirá em dezembro um triênio de aportes de R$ 95 milhões em pesquisa e lançamentos de produtos, abarcando projetos na fábrica de Ituiutaba, no Triângulo Mineiro. Em julho, o grupo francês Lactalis já havia anunciado o seu programa de aquisição da Itambé, que inclui a ampliação da produção do tradicional laticínio. O novo dono mantém a marca e estabeleceu metas de expansão e diversificação nas fábricas, como informou à época, ao Estado de Minas, o presidente da Lactalis para a América Latina, Patrick Sauvageot.

Os investimentos das três companhias, bancados pelo ingresso de capital estrangeiro – a empresa suíça de lácteos Emmi se transformou em maior acionista da Porto Alegre –, têm muito gás ainda para expansão, como avalia o diretor-executivo do Sindicato da Indústria de Laticínios de Minas Gerais (Silemg), Celso Moreira. “Há sondagens de investidores estrangeiros e um olhar voltado para a nossa indústria. Se o mercado de consumo responder, crescerá o número de investidores no setor”, afirma.

Embora sem o prestígio da sofisticada indústria exportadora do café, a indústria mineira do leite tem performance invejável para mostrar. A produção leiteira do estado voltou a crescer no ano passado, tendo alcançado 9 bilhões de litros e, a despeito do aumento modesto de 0,8% ante 2017, segundo o IBGE, se confirmou no topo do ranking nacional. Mais que isso, exibiu o décimo ano de avanço da produtividade nos currais, com a média de 2.840 litros por vaca ao ano. No Brasil, o indicador chegou a 2.069 litros por ano.

Diante de 2017, trata-se de eficiência 6,3% superior na produção por vaca, o que indica avanço na profissionalização das fazendas, a um ritmo melhor que a média nacional (evolução de 4,7%). Os ganhos da porteira para dentro, envolvendo melhoria genética e no trato dos animais, além de modernização tecnológica, têm o dedo da indústria, que não sobreviveria sem a matéria-prima abundante e de qualidade oferecida em Minas, segundo Celso Moreira, do Silemg. Cerca de 95% do leite mineiro passa pelas fábricas no próprio estado, permitindo o processamento de 17 milhões de litros de leite por dia.

A receita dessa cadeia, que engloba os derivados, atinge R$ 14 bilhões por ano. Ainda assim, os números parecem superlativos, mas estão, de fato, longe disso quando se observa a queda do consumo por habitante ao ano, que passou de 175 litros em 2015 para os atuais 165 litros. “Com certeza, o consumo voltará a crescer, com aumento do emprego e da renda. O brasileiro tem muita afinidade com o leite e os derivados”, afirma o diretor do Silemg.


NA DIANTEIRA

26,4%  É a participação que Minas detém da produção brasileira 
de leite, segundo estudo do IBGE relativo ao ano passado
 
 
Refrigerados

A fábrica inaugurada ontem pela Porto Alegre, em Antônio Carlos, ocupa 15 mil metros quadrados e tem capacidade para processar 250 mil litros de leite por dia. Boa parte dos investimentos feitos dotaram a unidade de equipamentos modernos e automatizados para a produção de iogurtes e creme de queijo, além dos queijos tipo cottage e minas frescal.

Internet mineira
A Vero, empresa de telecomunicações, faz a sua estreia na terça-feira da semana que vem nos municípios de Divinópolis, Pará de Minas, Itaúna, Itatiaiuçu, Bom Despacho, Martinho Campos e Nova Serrana. A operadora pretende investir R$ 750 milhões nos próximos cinco anos para expandir sua atuação das atuais  40 cidades, onde atende 150 mil clientes, para  200 locais.



 


Publicidade