Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas MINAS EM FOCO

Tecnologia 4.0, enfim, na pequena indústria

Dispositivo de IoT (Internet das Coisas) será acoplado em até quatro máquinas, passando a monitorar a sua performance em tempo real, conectado a uma plataforma de gestão de dados, e acompanhando intermitências, períodos de pico e ociosidade


postado em 16/01/2019 07:00 / atualizado em 16/01/2019 08:44

Privilégio de grandes empresas, ter o domínio sobre a produtividade de máquinas e seus operadores estará também ao alcance de pequenas indústrias de Minas Gerais no mês que vem. A tecnologia sofisticada da chamada indústria 4.0, que tem sido objeto de desejo de empreendedores pressionados pela concorrência e os momentos de crise da economia brasileira, será implantada em 221 fabricantes de pequeno porte dos setores de alimentos e bebidas, confecções, calçados, metal-mecânico e móveis, ramos tradicionais da produção fabril do estado, geradores de emprego e formadores de polos industriais importantes.


A iniciativa se tornou possível por meio de acordo entre o Sebrae Minas, que vai subsidiar o acesso das empresas à tecnologia, disponibilizada pelo Senai, do Sistema Fiemg. Será algo inédito entre as pequenas empresas, que não têm caixa para financiar um projeto caro, segundo Márcia Valéria Machado, gerente de indústria do Sebrae Minas. “Em três meses, depois de adotada a metodologia, esperamos que essas empresas já tenham resultados para tomar decisões. Sendo mais produtivas, elas conseguirão escoar melhor a sua produção, empregar mais gente e gerar mais renda”, afirma.

O projeto consiste na instalação de hardware nas máquinas, seja de costura, seja de corte ou de outras engrenagens, e implantação de metodologia, que diagnosticam o desempenho do equipamento e de seu operador, como se fosse um checape capaz de indicar o nível de eficiência, a possibilidade de defeitos e o ritmo de interrupções no funcionamento delas. O dispositivo de IoT (Internet das Coisas) será acoplado em até quatro máquinas, passando a monitorar a sua performance em tempo real, conectado a uma plataforma de gestão de dados (software), e acompanhando intermitências, períodos de pico e ociosidade.

Todas as informações serão analisadas para que a empresa reveja a operação, definindo melhorias no seu processo produtivo. É um investimento alto para a pequena empresa, estimado em R$ 12.800, para desenvolvimento ao longo de três meses. O Sebrae responderá por 70% desse valor, na forma de subsídio, e os restantes 30% poderão ser pagos pelas empresas em 10 parcelas.

De fevereiro a abril ou maio, esses pequenos negócios receberão 120 horas de consultorias e treinamentos. “A partir de dados reais, as empresas vão conhecer e controlar melhor esses recursos de que elas dispõem e seus operadores, podendo promover remanejamentos e mudanças no processo produtivo, com aumento de produtividade, melhoria contínua e redução do desperdício”, afirma Márcia Valéria, do Sebrae.

O projeto faz parte do Programa Indústria + Avançada, que integra o Programa Brasil Produtivo, do antigo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). As empresas selecionadas pelo Sebrae Minas são aquelas que participaram de um universo maior de empreendimentos da primeira etapa, realizada em 2016 e 2017, com ênfase na produção propriamente dita. O Sebrae lançará edital específico para o preenchimento das 221 vagas, por ordem de inscrição.

Márcia Valéria diz que o Sebrae Minas, diante da relevância da tecnologia disponibilizada às pequenas empresas, pretende oferecê-la aos empreendedores interessados no segundo semestre. É quando a instituição lança edital de outro programa, o SebraeTec, que dá apoio nas áreas de inovação e tecnologia.

Escola 20 cursos

Das 83 unidades do Senai-MG, 20 já contam com cursos profissionalizantes no segmento de automação industrial e vão oferecer treinamento relacionado à indústria 4.0.

Veto financeiro
De acordo com estudo realizado pela Confederação Nacional da Indústria  (CNI), para 66% das indústrias brasileiras o custo de implantação é a principal barreira interna à adoção de tecnologias digitais. Foi o fator determinante para a decisão do Sebrae de subsidiar o acesso de pequenas indústrias à inovação que é parte da chamada 4ª Revolução Industrial.

Centro de treinamento
A Fiemg deverá concluir entre o fim de maio e início de junho as obras do prédio que vai abrigar, em Contagem, na Grande Belo Horizonte, Centro de Treinamento para a Indústria 4.0. A operação deve começar entre junho e julho. O investimento na construção foi de R$ 6 milhões. O empreendimento terá como foco as tecnologias de IoT, realidade aumentada e impressão 3D,  visando à formação de mão de obra especializada para a indústria.


Publicidade