Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

China inaugura aeroporto para 70 milhões de passageiros

Terminal em Pequim, em forma de estrela do mar, tem 800 mil metros quadrados e foi aberto por Xi Jinping, em comemoração aos 70 anos da República Popular do país asiático


postado em 30/09/2019 04:00

O novo aeroporto de Pequim, em forma de estrela do mar, inaugurado na semana passada por Xi Jinping, em comemoração aos 70 anos da República Popular da China(foto: ChinaPress/Divulgação)
O novo aeroporto de Pequim, em forma de estrela do mar, inaugurado na semana passada por Xi Jinping, em comemoração aos 70 anos da República Popular da China (foto: ChinaPress/Divulgação)
Bem que Carl von Clausewitz dizia: “Quando a China transbordar, ninguém vai aguentar”. E sai debaixo. Amanhã, 1º de outubro, terá lugar em Pequim um grande desfile militar comemorativo dos 70 anos da fundação da República Popular da China por Mao Tse Tung, que será apenas discretamente lembrado no dia em que grandes festejos terão lugar em todo o país. Em Pequim, desde a semana passada, estão sendo realizados eventos em torno do aniversário dos 70 anos. O mais expressivo deles foi o da inauguração do novo aeroporto de Pequim por Xi Jinping, uma fabulosa construção futurista em forma de estrela do mar, com capacidade para receber mais de 70 milhões de passageiros por ano, que a partir de 2024 será elevada para 100 milhões. Chefes de estado, amigos da China, assistirão ao desfile militar, em que serão mostrados armamentos moderníssimos. Xi Jinping quer arrebentar a boca do balão. Os brasileiros que viajarem para a China já poderão utilizar o novo aeroporto. Com muito cuidado para não se perder nos seus 800 mil metros quadrados.

Caso Janot
O outro lado da questão

Pelo que se viu no noticiário do fim de semana, houve preocupação geral em condenar o ex-procurador geral da República Rodrigo Janot, por ter confessado que entrou no Supremo Tribunal Federal levando um revólver com o qual pretendia matar o ministro Gilmar Mendes, um dos magistrados mais criticados do país, levado por insinuações desairosas que teriam sido feitas pelo ministro contra sua filha. Pois bem. O gesto de Janot realmente é inadmissível. No entanto, pelo que se viu, nos momentos iniciais, ninguém se preocupou em saber qual o teor das insinuações feitas por Gilmar Mendes que levaram um pai à beira de realizar um gesto tão extremo. Obviamente, não foi à toa que Janot meteu um revólver na cintura visando efetivar objetivo dessa magnitude. As insinuações de Gilmar Mendes devem ter sido tremendamente ofensivas para motivar reação de tal violência. Novos esclarecimentos sobre o surpreendente episódio deverão ser desfilados para clarear este fato tão bizarro envolvendo duas figuras de porte da magistratura brasileira. 

Pelo ar
Adeus aos quadrimotores?

O processo econômico, mais do que a evolução tecnológica dos aviões de passageiros, tem predominado na aviação comercial de uns anos para cá e parece que a coisa vai continuar assim, faça chuva ou faça sol. Por exemplo, o supersônico Concorde foi tirado de circulação porque dava prejuízo. Foram então para as calendas gregas os maravilhosos voos de apenas 3,5 horas de duração entre Paris e Nova York. Agora estão anunciando a aposentadoria forçada de todos os quadrimotores da aviação mundial porque gastam muita gasolina. O A-380, da Airbus, o maior avião do mundo, não vai mais ser fabricado. A Emirates vai aposentar seus A-380. Os A-340 de quatro reatores também estão sendo aposentados. O mesmo vai ocorrer com o Boeing 747, o famoso Jumbo Jet por que dá prejuízo. Dentro de pouco tempo, só vai ter avião de dois motores a jato no mundo. Economia, irmão.

Ford T
O início de tudo

Hoje, completam-se 111 anos da fabricação do primeiro carro popular do mundo, o Ford T, criado pelo magnata da indústria automobilística Henry Ford, o principal culpado de todo esse caos de milhões e milhões de automóveis e demais veículos circulando pelo planeta. Com o Ford T, Henry Ford deu início à produção em série da indústria através da chamada linha de montagem. Representou a liberdade do homem em sua movimentação mecânica pelo mundo, mas foi também quando começou a poluição em alta escala das cidades, a indústria milionária do petróleo e quejandos. Principalmente, quejandos. O pior é que Henry Ford era semita e amigo de Hitler.

Carros-fortes
Confronto na praça

O noticiário econômico do final de semana, entre outros, focalizou confronto surgido já há algum tempo entre as empresas de transporte de valores (atividade de R$ 5 bilhões anuais e 80 mil empregados), e empresas do mesmo gênero, criadas pelos cinco grandes do sistema financeiro nacional – Banco do Brasil, Itau, Bradesco, Santander e Caixa –, denominadas Tecban e TBForte. Segundo as firmas privadas, essas duas empresas, além de fazerem transportes de valores a preços mais baixo para os cinco grandes, estão oferecendo serviços aos interessados com preços menores na praça, o que está desagradando as demais transportadoras. O Cade já foi acionado. O confronto é complicadíssimo e promete render.

Jesuítas
Fundação da Companhia de Jesus

Dia 27 de setembro, sexta-feira última, padres jesuítas em todo mundo, inclusive em BH, é claro, comemoraram os 479 anos de fundação da Companhia de Jesus por Santo Ignácio de Loyola, anunciada em 1540 pelo religioso espanhol em Roma, perante o papa Paulo III. A fundação da Companhia de Jesus na época foi vital para a campanha da antirreforma da Igreja, que estava sendo minada pela movimento protestante de Lutero, amparado por príncipes europeus, que aproveitaram a deixa para se apropriar dos bens da Igreja. A propósito, no momento, no Brasil, fala-se na necessidade de uma nova ação jesuítica para combater a onda de deserções que vem sendo registrada na população católica do país, devido às campanhas das igrejas evangélicas.

É hoje
Cemig na SME

Será hoje, às 19h30, na sede da Sociedade Mineira de Engenheiros, a sessão do Ponto e Contraponto, em que estará em foco a privatização da Cemig, não tendo portanto se realizado no sábado como a coluna noticiou equivocadamente. Já os demais detalhes da nota continuam os mesmos. Os debatedores principais do evento serão o ex-presidente da Eletrobras Aloísio Vasconcelos, e Victor Cezarini, assessor da secretaria da Fazenda. A privatização da Cemig vai dar pano para manga. Nossas escusas.

Expansão
Laticínios Porto Alegre

Na inauguração quinta-feira última da nova fábrica da empresa mineira Laticínios Porto Alegre, em Antônio Carlos, perto de Barbacena, investimento de R$ 100 milhões, o presidente do grupo, João Lúcio Barreto Carneiro, anunciou dois novos investimentos. Um deles será o de uma fábrica em Patos de Minas, com aplicação de R$ 60 milhões. O outro será no Espirito Santo. A Porto Alegre tem plantas em Ponte Nova, Mutum e Antônio Carlos, em Minas Gerais. Produz 120 produtos lácteos. No momento, está definindo as proporções de sua união com o grupo suíço Emmi. Negócio grande.

Egito antigo
Mostra no CCBB

Em 12 de outubro, será inaugurada no Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro a mostra Egito antigo: do cotidiano à eternidade, que apresentará 140 peças provenientes do acervo do Museu Egípcio de Turim, na Itália, um dos maiores do mundo em arte egípcia. Essa exposição deverá ser apresentada também em BH, no CCBB da Praça da Liberdade, no início de 2020. É formada por esculturas, objetos cotidianos, pinturas, amuletos, sarcófagos, múmias, etc. A propósito, sexta-feira última, completaram-se 197 anos do anúncio feito em Paris pelo egiptólogo francês Jean-François Champollion de que tinha decifrado os misteriosos hieróglifos egípcios ao traduzir para o francês os dizeres da Pedra de Roseta.


Publicidade