Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Bra$il em foco

Conta de energia encarece e ressurge fantasma do racionamento

Nível baixo dos reservatórios indica não necessariamente para um quadro de desabastecimento, mas, certamente, para despesa maior com o insumo


04/12/2020 04:00 - atualizado 04/12/2020 08:13

Para atender ao consumo, ONS recorreu à energia mais cara das termelétricas, e adotou bandeira vermelha (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 29/8/16)
Para atender ao consumo, ONS recorreu à energia mais cara das termelétricas, e adotou bandeira vermelha (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 29/8/16)
A decisão da Aneel de adotar a bandeira vermelha nível 2 para as tarifas de energia no último mês do ano, depois de deixar as contas de luz livres da taxa extra desde o início da pandemia, vai dar um choque nos consumidores e coloca uma dúvida no ar.

Ao justificar a medida, adotada um dia depois do segundo turno das eleições municipais, o presidente Jair Bolsonaro disse que, “se nada fizermos, poderemos ter apagão”.

A simples menção a problemas no fornecimento de energia elétrica logo após o desabastecimento de luz em cidades do Amapá (por problemas de manutenção em uma subestação) mostra que o governo deixou para adotar uma medida de inibição do consumo no último momento, já que reservatórios de usina não enchem ou esvaziam da noite para o dia.

A adoção das bandeiras em setembro, outubro, ao fim do período considerado seco seria menos onerosa para os brasileiros e permitiria uma gestão da água estocada nas usinas de forma mais prudente.

Mas nos meses anteriores deve ter pesado a impopularidade da medida em um ano eleitoral e com o presidente fazendo campanha para seus candidatos.

A prova está no fato de o próprio Operado Nacional do Sistema Elétrico (ONS) afirmar no alerta que embasou a adoção da bandeira tarifária no nível mais alto que em outubro – antes das eleições – as termelétricas foram acionadas, indicando a necessidade de adotar a bandeira tarifária em novembro, ou seja, antes da votação

Mas a dúvida maior que fica é quanto à capacidade de o sistema elétrico brasileiro suportar o crescimento da economia no futuro próximo. Apesar de toda a evolução de todos os investimentos, as fontes solar e eólica respondem, juntas por cerca de 11% dos 171,7 gigawatts (GW) de capacidade instalada do país.

As hidrelétricas ainda respondem por cerca de 60% da capacidade de atendimento da demanda de eletricidade no país e as térmicas por uma fatia de 25%.

Nível baixo dos reservatórios indica não necessariamente para um quadro de desabastecimento, mas, certamente, para o encarecimento da conta de luz nos próximos meses. Visto de agora, a adoção de um racionamento é improvável.

Os reservatórios das usinas do Sudeste e Centro-Oeste, que respondem por 70% da capacidade de geração hidráulica, entraram este mês com 17,7% do volume de armazenamento, percentual inferior aos 18,9% de igual período do ano passado, mas acima dos 15,8% do fim de 2014.

Foi esse nível que levou à criação das bandeiras tarifárias em 2015. Nas usinas do Sul, o nível era de 18,6% em novembro e no Nordeste, de 52,3%.

Com isso, ficamos, como em outras épocas recentes, na dependência do clima e da confirmação de um período chuvoso com muita água como diz o próprio ONS.

“Para os próximos meses, é preciso esperar e avaliar como o período úmido, que começa agora e vai até abril, irá se comportar para definir as estratégias de operação”.

Mesmo com chuvas abaixo do esperado, os reservatórios terão suas capacidades elevadas nos próximos meses e o acionamento das térmicas vai garantir o suprimento, mas a um custo muito mais alto do que o pago hoje por cidadãos e empresas.

O Brasil, que voltou a conviver com a alta dos preços por causa da pandemia, deve fechar este ano com inflação acima meta, de 4%, principalmente por causa da adoção da bandeira tarifária em dezembro, segundo prevê o mercado financeiro.

E a pressão sobre os preços vai continuar ao longo de 2021. A energia é mais um aumento para a indústria, cujos insumos acumulam alta de 19% em 12 meses, segundo o Índice de Preços ao Produtor. A lâmpada continuará acesa, mas bandeira tarifária a R$ 6,24 a cada 100 kWh (quilowatts-hora) consumidos é custo na tomada.

Investidores


US$ 30 bilhões - É quanto investidores estrangeiros colocaram na bolsa de valores brasileira em novembro, o maior volume para o mês desde 1995

Desemprego


Em relatório divulgado esta semana, o economista Nicola Tingas, da Acrefi, alerta para o aumento do desemprego e a necessidade de se adotar medidas para gerar vagas de trabalho.

“Na medida em que a população voltar a procurar emprego, a taxa de desemprego atual poderá chegar a 16% no fim de 2020 e avançar para algo como 17% a 20% em 2021”, diz ele ao defender medidas de estímulo à economia.

Tecnologia


Pesquisa do Instituto dos Engenheiros Eletrônicos e Eletricistas (IEEE) com 2 mil pais entre 24 e 39 anos com um filho de até 11 anos no Brasil, EUA, China, Índia e Reino Unido, revelou que 51% deixam a criança com uma babá robô em tempo integral e 73% adotariam a babá para ajudar nas tarefas escolares. O levantamento mostra a confiança dessa geração na inteligência artificial e nas tecnologias emergentes.
 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade