Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas TIRO LIVRE

O Atlético impressionou no jogo contra o River Plate, e a torcida também

O golaço de Zaracho, a atuação impecável de Hulk e as grandes defesas de Everson acabaram por dividir o protagonismo com as imagens de aglomeração


19/08/2021 19:07 - atualizado 19/08/2021 23:08

Torcedores não cumpriram as regras de distanciamento do lado de fora e de dentro do Mineirão, antes e durante o Atlético x River Plate, pela Libertadores(foto: Alexandre Guzanshe/Em/D.A Press)
Torcedores não cumpriram as regras de distanciamento do lado de fora e de dentro do Mineirão, antes e durante o Atlético x River Plate, pela Libertadores (foto: Alexandre Guzanshe/Em/D.A Press)
Estádio lotado, time voando baixo ao som dos cânticos dos torcedores, arquibancada balançando, conexão time-torcida refeita. Para quem gosta de futebol, esse é o mundo utópico, aquele que sonhamos reviver desde que a pandemia de COVID-19 se abateu sobre nós. Mas, para muita gente, isso já virou realidade. No Atlético x River Plate dessa quarta-feira (18/8), pela Copa Libertadores, uma parcela de torcedores decidiu decretar o fim da pandemia por conta própria. Chutou para escanteio qualquer cuidado para evitar a contaminação da doença e foi de peito aberto brincar de roleta russa com o coronavírus, no Mineirão.

As cenas impressionaram o Brasil tanto quanto o futebol vistoso do Atlético diante dos argentinos. A cada elogio à atuação da equipe comandada por Cuca vinha a reboque uma ressalva pelo gol contra de torcedores.

O golaço de Zaracho, a atuação impecável de Hulk e as grandes defesas de Everson acabaram por dividir o protagonismo com as imagens de milhares de pessoas sem a menor preocupação com máscara e distanciamento, se aglomerando dentro e fora do Gigante da Pampulha.

Talvez cansadas da realidade, elas decidiram se alienar, amparadas por uma pretensa segurança diante da exigência de testes de COVID-19 a quem fosse ao estádio. Levaram ao pé da letra o lema de viver o presente, sem se preocupar com consequências - ainda que uma delas possa ser a morte. A inconsequência em estado bruto.

A cada cena dessas eu não podia deixar de imaginar como também estariam ali gama, delta, alfa e todas as colegas variantes a passear, escolhendo a dedo um corpo aquecido para acolhê-las.

Seria demais esperar que fossem seguidos os tais protocolos sanitários, que previam distanciamento entre pessoas de diferentes núcleos (inclusive com a orientação de deixar um assento vazio à frente, atrás e ao lado de outros grupos) e a obrigatoriedade do uso de máscara durante todo o tempo?

Seria demais esperar que, naquela atmosfera mágica, com o time encantando, o torcedor parasse para racionalizar que estava colocando a sua vida e de outros em risco?

Claro que seria! E por muitas razões.

A primeira é cultural. No país do jeitinho, da lei de Gérson, onde é difícil fazer as pessoas atravessarem a rua na faixa de pedestre, é complicado imaginar que regras sejam cumpridas. O povo está acostumado a descumpri-las e nada acontece.

Se não tem ninguém para fiscalizar, mediar e cobrar, aí é que a coisa corre solta mesmo. Falta muita consciência coletiva.

Outra explicação está na seara emocional. A abstinência de Atlético era tamanha que muitas daquelas pessoas, longe de serem negacionistas, pareciam estar em um estado de transe tal que nem sequer se lembravam de onde vieram e para onde iriam.

Em nome de voltar a campo, de poder ver de perto o time e na empolgação do momento, ignoraram totalmente os riscos. Chegou a ser irracional. É compreensível, por todo esse contexto. Mas de forma alguma aceitável.

Não foi por acaso que o Japão decidiu vetar, de última hora, a presença de público nas arenas esportivas durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos. Antes de radicalizarem, as autoridades japonesas chegaram a produzir um manual de comportamento, ensinando como deveria ser a torcida em termos pandêmicos.

Entraria em vigor a política do silêncio: seria proibido gritar, cantar, tossir (como proíbe alguém de tossir?) e se abraçar nos ginásios. E a emoção do momento, como ficaria? Engoliria seco? Ninguém sabe.

Num país tão ordeiro e disciplinado como o Japão, pode até ser que algumas dessas normas fossem factíveis. Mas eles preferiram não arriscar e duas semanas antes do início dos Jogos Olímpicos recuaram. Aqui no Brasil, e em Belo Horizonte, decidiram percorrer o caminho contrário e pagar para ver, em plena expansão da cepa mais transmissível do coronavírus.

Na noite desta sexta-feira será a vez de os cruzeirenses serem "testados" no novo normal. Para eles, há um outro ingrediente nessa receita: será a primeira vez que verão, de perto, a Série B do Campeonato Brasileiro, já que, desde que o time estreou na competição, as partidas vinham sendo disputadas em estádios vazios.

O jogo contra o Confiança será um teste duplo: vai ser hora de avaliar o desempenho celeste dentro e fora das quatro linhas. Que eles sigam apenas o bom exemplo dado pelo arquirrival em campo.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade