Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas TIRO LIVRE

A blindagem para a volta de Cuca ao Atlético

Cuca é carismático, tem forte ligação com o Galo, mas isso não confere a ele nenhuma licença especial, nenhum atenuante, diante da condenação na Suíça


04/03/2021 19:27 - atualizado 05/03/2021 11:34

Cuca comandou o Atlético na conquista da Copa Libertadores de 2013 e anunciou sua saída durante o Mundial de Clubes(foto: Ivan Storti/Santos)
Cuca comandou o Atlético na conquista da Copa Libertadores de 2013 e anunciou sua saída durante o Mundial de Clubes (foto: Ivan Storti/Santos)
Não sei em qual manual ou regulamento esportivo fizeram constar essa sólida salvaguarda que rege há anos o mundo do futebol, garantindo a seus personagens uma espécie de absolvição prévia, total, irrestrita e absoluta (o pleonasmo aqui é proposital). Um tribunal que julga não quem esteve, em algum momento, envolvido em delito, e sim quem pede que o assunto seja tratado às claras. Que atrela a uma taça ou à idolatria o carimbo da condescendência incontestável.

O auê em torno da volta de Cuca ao Atlético – e o esforço que tem sido feito para limpar a barra do treinador, condenado, em 1989, por envolvimento sexual com uma menor de idade na Suíça – trouxe à tona debates que mostram (mais uma vez) como é preciso desvencilhar o futebol do machismo que está arraigado nele.

Antes de tudo, vamos aos fatos. Cuca e mais três jogadores do Grêmio – o goleiro Eduardo Hamester, o zagueiro Henrique (que também jogou no Corinthians) e o atacante Fernando Castoldi – foram detidos na Suíça, em 30 de julho de 1987, durante uma excursão da equipe, e posteriormente julgados e condenados por envolvimento sexual com uma menina de 13 anos.

O caso ficou conhecido como o Escândalo de Berna.

Eduardo e Henrique admitiram a relação com a jovem, assegurando, no entanto, que havia sido consensual. Fernando e Cuca sempre negaram participação.

Segundo as investigações, Fernando ficou vigiando a porta do quarto do hotel em que a delegação gaúcha estava hospedada e acabou absolvido da acusação de ato sexual, mas considerado cúmplice.

Cuca, Henrique e Eduardo foram condenados a 15 meses de prisão e ao pagamento de US$ 8 mil cada. Os quatro já estavam no Brasil na época do julgamento e nunca foram extraditados, protegidos pela lei brasileira.

Matéria da revista Placar de 24 de agosto de 1987 traz um relato dos dias que se seguiram à prisão dos quatro atletas. A reportagem aponta que Cuca e Eduardo teriam induzido a garota à relação sexual e Henrique ao sexo oral.

Descreve o local onde o hoje treinador ficou detido: um castelo medieval transformado em prisão, na cidade de Burgdorf, a 28km de Berna.

Na cela, livros (todos em alemão), aparelhos de rádio e TV: “Assisti à vitória de Nelson Piquet na Hungria”, contou aos advogados Cuca, então com 24 anos. “Fiquei com a impressão de que ela tinha 18 anos”, disse, a respeito da garota. Essa frase, para muitos, é o atestado da participação dele no caso.

Em matéria da revista Veja de 12 de agosto de 1987, a mulher de Cuca, Rejane, dizia acreditar na inocência do marido. “Ele é incapaz de qualquer violência, muito menos sexual.”

A reportagem conta que aquela era a primeira viagem internacional do armador, recém-contratado pelo clube gaúcho. O crime prescreveu em 2004 – o que não quer dizer que ele nunca existiu. E ficou abafado. Até Cuca dar seu aval para a contratação de Robinho pelo Santos, no ano passado, quando o atacante enfrentava condenação, na Itália, justamente por estupro coletivo.

Mensagens de telefone interceptadas pela polícia local indicam a participação de Robinho e a tentativa, dele e dos amigos, de descredibilizar a versão da vítima.

O que muitos personagens do futebol não entendem é que, à luz da lei, esperamos, eles são iguais a qualquer um. Se cometem crimes, têm de ser julgados. E, ao cometer crimes, como figuras públicas, deixam um péssimo exemplo a quem os idolatra.

Para todos eles, um mea-culpa ajudaria a humanizar a situação. Reconhecer o erro seria um passo digno, pra dizer o mínimo. Era o que se esperava de Cuca quando ele “decidiu” se manifestar sobre o caso, nesta semana.

Não foi o que ocorreu.

Cuca é carismático. Tem uma ligação forte com o Galo, pela passagem feliz que teve no clube, mas isso não confere a ele nenhuma licença especial, nenhum atenuante, diante da condenação na Suíça.

E olha que aqui está uma jornalista que o admira como profissional.

A verdade é que se o mesmo fato fosse protagonizado por homens anônimos, imagino que não haveria tantos defensores por aí. No futebol, as figuras são tratadas quase como semideuses, intocáveis.

A mão firme do julgamento alheio só vale para desconhecidos ou desafetos. Isso sem contar os adeptos da versão de que a “mulher se ofereceu” e outras teorias chulas.

Nas últimas três décadas, Cuca e os demais personagens do Escândalo de Berna optaram pelo silêncio. E encontraram uma sociedade permissiva com esse tipo comportamento.

Hoje, a conscientização em relação ao respeito ao próximo cobra de todos postura bem diferente. Mais cristalina. Ainda está em tempo, Cuca.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade