Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas TIRO LIVRE

O Galo precisa de Tardelli tanto quanto Tardelli precisa do Galo

Não adianta colocar todas as variáveis da equação só em cima do jogador. E, como o atacante, o time (e o clube, essencialmente) está bem diferente daquele de seis anos atrás


postado em 14/02/2020 04:00 / atualizado em 14/02/2020 09:00

Atacante Diego Tardelli volta ao Atlético depois de quatro anos na China e uma temporada frustrante no Grêmio(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press %u2013 9/1/15)
Atacante Diego Tardelli volta ao Atlético depois de quatro anos na China e uma temporada frustrante no Grêmio (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press %u2013 9/1/15)


Cinco anos depois de mais um adeus que se transformou em até breve, Diego Tardelli volta à Cidade do Galo numa relação mais simbiótica do que nunca. Com um ataque que há muito anda capenga, o Atlético precisa do goleador que Tardelli sempre foi com a camisa alvinegra. Na mesma medida em que, em baixa no cenário nacional, Tardelli precisa do estilo de time que encontrou no Atlético nas duas passagens anteriores – e que o possibilitou ser artilheiro. No passado, esse casamento deu certo. A questão agora é o presente. Depois de meia década, voltará o velho fogo da paixão acender, traduzindo toda essa sintonia em produtividade em campo?

Uma coisa é inquestionável: o Atlético precisava qualificar sua linha de frente. Isso está claro desde a temporada de 2019, quando Ricardo Oliveira, Maicon Bolt e Di Santo não tiveram atuações convincentes. Marquinhos, muito promissor e que terminou o ano bem, tem aparecido pouco com o técnico Rafael Dudamel. Merece mais atenção por parte do treinador, pois já mostrou valor. E as avaliações sobre Bruno Silva, outro jovem recém-lançado, são muito incipientes.

Tardelli tem todas as credenciais para preencher essa lacuna. Bem ou mal, chega para ser titular. É um atacante que costuma dar dinamismo à equipe em que atua: inteligente, rápido, com visão de jogo, técnico e bom finalizador. Características que ajudam a entender os insistentes clamores da torcida atleticana para sua volta sempre que ele esteve longe. E os 34 anos nem seriam tanto problema, já que atleta que se cuida consegue prolongar sua vida útil nos gramados. São muitos os exemplos a comprovar tal tese.

A grande interrogação, no entanto, é o fato de a esperança de muitos alvinegros residir nos bons serviços prestados por Tardelli quando esteve no Galo, e não nas atuações mais recentes dele. Um otimismo alimentado por boas lembranças. Reação típica das grandes histórias de amor: o sujeito idealiza o que viveu ao lado de alguém, releva os delizes e acredita que será sempre daquele jeito. Às vezes, até funciona. Por vezes, contudo, a expectativa é uma armadilha.

Desde que saiu do Atlético, em janeiro de 2015, Tardelli viveu sua melhor fase em 2018, quando, pelo chinês Shandong Luneng, disputou 29 partidas, marcou 20 gols (média de 0,68 por jogo) e deu 10 assistências. Foi a temporada em que conseguiu ser mais completo. No ano anterior, a média de gols chegou a ser até maior, de 0,84, porém, ele entrou em campo apenas 19 vezes.

No ano passado, no retorno ao Brasil, a frustrante passagem pelo Grêmio. Time bem montado, com um treinador (Renato Gaúcho) com total controle sobre a estrutura da equipe, tudo parecia favorável. Mas Tardelli não conseguiu achar seu espaço. Disputou 47 partidas e fez só sete gols. Pior: em momentos cruciais do Campeonato Brasileiro e da Copa Libertadores, foi preterido em detrimento do também ex-atleticano André, figura muito contestada pela torcida tricolor.

Agora, vamos ao Atlético que o Tardelli precisa. Ou, pelo menos, ao time que o Atlético pode oferecer a Tardelli. Porque essa via é de mão dupla, não adianta colocar todas as variáveis da equação somente em cima do jogador. E, como o atacante, o time (e o clube, essencialmente) está bem diferente daquele de seis anos atrás.

Não foi por acaso que Tardelli foi eleito o melhor jogador da Copa do Brasil conquistada pelo Galo em 2014 (foi o autor do gol do título sobre o Cruzeiro, na finalíssima, no Mineirão). Ele estava voando baixo sim, mas era parte de uma engrenagem que funcionava bem, sob o comando de Levir Culpi. Embora já sem peças importantes de 2013, como Réver, Bernard e Ronaldinho Gaúcho (que saiu no meio do ano), o alvinegro ainda tinha uma espinha dorsal consistente. E contava com jogadores em estado de graça, como o argentino Dátolo e o atacante Luan. O companheiro de ataque de Tardelli no segundo semestre foi o prata da casa Carlos, que, convenhamos, estava longe de encher os olhos. Mas que naquele momento conseguiu ser eficiente.

Agora, o Atlético de hoje: por enquanto, nada além do que uma grande incerteza. Dudamel tem pouco mais de um mês de trabalho, ainda está montando as peças, recebendo jogadores, testando formações. Não há como saber quem são os titulares. O Galo de Dudamel ainda não é nem um time, na acepção da palavra. É um emaranhado de ideias, de possibilidades. Dentro desse caldeirão, é prematuro cravar o que vai acontecer. E é esse o cenário que Tardelli encontrará. Ele precisa de jogadores com quem dialogar em campo para que seu jogo possa fluir. Teria o Atlético esses jogadores? Não dá para saber ainda. Desafiante para ambos os lados.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade