Publicidade

Estado de Minas JUVENTUDE REVERSA

Juventude reversa: um novo tempo chegou e a cor do cabelo é prata

Já é urgente a desconstrução da visão preconceituosa sobre a idade, a realidade atual não permite continuar incentivando esse preconceito


06/05/2021 06:00 - atualizado 04/06/2021 15:55

"Imagine o caso de sua mãe [na terceira idade] morando na sua casa, resolver levar um homem para dormir com ela" (foto: Pixabay)


O Brasil está experimentando uma enorme mudança demográfica e a nossa sociedade parece não estar atenta a esse novo fenômeno social: o crescimento da população idosa

Quem já teve a curiosidade de fazer uma busca rápida no Google com a palavra idoso deve ter reparado que as imagens resultantes são estereótipos no campo da saúde físicamental espiritual. As sugestões relacionadas à pesquisa nos geram angústias ao equiparar o envelhecimento a um fardo para a sociedade.

Mas a realidade atual desmente as referências mencionadas acima.
A geração 50+ brasileira representa hoje aproximadamente 50 milhões de pessoas, que começam a desfrutar de sua longevidade. Uma população enorme, que tem a ver com o presente, com o agora, e não mais com o fim da vida. Uma geração que é muito diferente dos “vovôs e vovós” das décadas passadas, com capacidade de mobilizar redes diversas de relacionamentos e abertura a novas experiências.

O psicanalista Contardo Calligaris, falecido recentemente, certa vez colocou em evidência que as famílias tendem a colocar o idoso como alguém com menos direitos, que tem seu desejo negado. Os filhos ainda não assimilam que quem está na terceira idade continua ativo. “Imagine o caso de sua mãe [na terceira idade] morando na sua casa, resolver levar um homem para dormir com ela. Seria aceito sem problemas? Ia ser proibido, o que é bem engraçado. A mulher de 60 anos não pode transar no lugar em que vive e a neta de 17 pode”, comentou Calligaris.

Torna-se urgente a desconstrução dessa visão preconceituosa sobre a idade.

A renda agregada dessa população 50 é de quase R$1,8 trilhão, com necessidades e vontades de consumo; apesar disso, essa população ainda é mal contemplada na oferta de produtos. 

Quais são as tendências de moda e acessórios para o público 50 ? Em quantas gôndolas nas lojas físicas e no e-commerce encontram-se produtos realmente adaptados à realidade de mulheres e homens maduros? Maitê Proença (63 anos) ou Pedro Bial (63) não são sexys para campanhas publicitárias? Parece que o consumo do público 50 não é relevante para o mercado, devido a essa invisibilidade. 

Dado o tamanho de seu movimento financeiro, é um paradoxo poucas empresas atenderem e entenderem esse nicho. 

De acordo com pesquisas do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em 2043, a proporção de jovens de até 14 anos no Brasil será de apenas 16,3% e até 2030, o Brasil terá a quinta maior população idosa do mundo. Diante dessas projeções, até quando nossa cultura continuará centrada nos mais jovens? 

Um novo tempo chegou e a cor do cabelo é prata.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade