Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA DO JAECI

Uma mentira chamada Neymar

O príncipe não quer mais ser servido por esse súdito que desrespeita regras, não cumpre com suas obrigações e que de estrela virou um engodo


30/06/2022 04:00 - atualizado 30/06/2022 09:09

O atacante Neymar é intocável na Seleção Brasileira, mas não deve ser aproveitado pelo seu clube, o PSG
O atacante Neymar é intocável na Seleção Brasileira, mas não deve ser aproveitado pelo seu clube, o PSG (foto: CHARLY TRIBALLEAU / AFP)

Por mais que se queira dar força e tentar tornar Neymar um protagonista no futebol, a gente não consegue. A notícia veiculada pelo jornal espanhol “El País”, um dos mais conceituados do mundo, de que o PSG não se interessa mais pelo jogador e que vai colocá-lo à venda ou emprestá-lo não caiu como uma bomba, mas mostrou que o príncipe catariano, Nasser Al-Khelaifi, dono do clube, encheu o saco com o comportamento dele.

Se dentro de campo Neymar é diferenciado, mas não está ao nível de Messi e CR7, fora de campo tem sido irresponsável e imaturo. Odiado pela torcida parisiense, por boa parte dos brasileiros e por vários de seus colegas, por humilhá-los em campo, Neymar pode chegar à Copa do Mundo sem clube.

Isso mesmo. O príncipe já “entubou” o prejuízo de R$ 1 bilhão que pagou por ele, mais R$ 1 bilhão que gastou em salários nesses cinco anos. Aliás, esse dinheiro para o príncipe é como se fosse 1 centavo para nós, simples mortais. Por isso, caso não haja acordo numa possível negociação, ele pode manter Neymar sob contrato e não colocá-lo para jogar. Ele está preso ao PSG até 2027 e Nasser Al-Khelaifi pode fazer o que bem entender.

A pergunta é a seguinte: o técnico Tite o convocaria para a Copa do Mundo mesmo se ele estiver apenas treinando e não jogando? Com certeza, sim! Tite faz todas as vontades e se tornou refém de Neymar e seus caprichos.

Mesmo não sendo um Messi ou CR7, ou mesmo Mbappé, não há como negar que Neymar é nosso único grande jogador. Eu até o achava craque, mas não posso mais usar essa palavra. Foi coadjuvante de Messi e Luiz Suárez, no Barcelona. No PSG, jamais protagonizou nada. Diga-se de passagem, o príncipe o está mandando embora – caso a notícia se confirme –, muito mais por seu comportamento extracampo.

Operado do pé, Neymar foi para a Marquês de Sapucaí apoiado em muletas. Fez festa de aniversário, em Paris, também com o pé imobilizado, protagonizou festas em sua casa, em Mangaratiba, durante a pandemia. Deu um soco num torcedor, que questionou seu comportamento, no Parque dos Príncipes. Chegou a querer pagar, do próprio bolso, 20 milhões de euros para deixar o PSG e voltar ao Barcelona.

Em campo, não conseguiu realizar o projeto de ganhar a Champions League pelo time francês. Vejam quanta coisa errada esse homem, de 30 anos e seis meses, fez. E boa parte da imprensa é culpada também, assim como Tite, pois passaram a mão na cabeça dele e não souberam dizer não.

Sinceramente, o brasileiro tem orgulho de Romário, Ronaldo, Ronaldinho Gaúcho, Roberto Carlos, Cafu e tantos outros ídolos que passaram pela Seleção Brasileira. Mas a relação com Neymar é bem diferente. Façam uma pesquisa e verão que, exceto a “geração nutella”, essa que bate palma para tudo de errado, é a favor dele.

Torcedor consciente de verdade não atura mais Neymar. Claro que eu não abriria mão dele numa Copa do Mundo, pois, repito, talento ele tem. Mas já vi jogos da seleção em que ele não atuou e o time foi mais coletivo e menos dependente. A seleção não pode ser refém dos caprichos de Neymar.

Há uma parte da mídia que exalta o fato de ele bater, em breve, os gols de Pelé, se tornando o maior artilheiro do time canarinho. Gente, na época do Pelé a Seleção fazia um ou dois amistosos por ano. Agora, joga dez amistosos e outros jogos oficiais, e contra equipes de qualidade duvidosa, em um ano. Não dá para comparar. E Pelé enfrentava grandes defensores e seleções poderosas. Neymar encara Coreia, Cingapura e outras equipes menos votadas. Vamos parar de exaltar o que não existe.

É aguardar a confirmação da saída de Neymar para ver onde ele jogará. Na Inglaterra, por causa do fair-play financeiro, só o Chelsea, Newcastle e United, caso CR7 saia, podem contratá-lo. Porém, todos esbarrarão no salário mensal dele, que dizem girar em torno de 6 milhões de euros. Quem pagaria isso?

Há relatos de que o PSG estaria disposto a pagar até parte dos salários para se ver livre dele. Não adianta negar: time que tem Mbappé, campeão do mundo, jogando o fino da bola, e Messi, um dos gênios que a gente vê jogar, Neymar é mesmo um coadjuvante, e muito mimado. Pois agora o mimo acabou. O príncipe não quer mais ser servido por esse súdito que desrespeita regras, não cumpre com suas obrigações e que de estrela virou um engodo. Um engodo chamado Neymar Júnior!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade