Publicidade

Estado de Minas JAECI CARVALHO

Everson vira o herói da classificação atleticana

O Boca reclama de um gol anulado. No fim, porém, a sorte ajudou o clube mineiro


20/07/2021 21:35 - atualizado 20/07/2021 22:24

Foi sofrido, suado e dramático(foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)
Foi sofrido, suado e dramático (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)
Foi sofrido, suado e dramático. Dizem que se não for assim, não é Galo. E o herói da classificação do Atlético foi o goleiro Everson, que pegou duas penalidades e fez o gol que deu a vitória ao Atlético, nas penalidades, por 3 a 1.
 
O Boca perdeu 3 cobraças e o Galo, duas. Não precisou o time argentino bater a última penalidade. O Atlético fez um péssimo jogo.
 
O Boca reclama de um gol anulado, e Hulk, perdeu a primeira penalidade. No fim, porém, a sorte ajudou o clube mineiro. Galo nas quartas-de-final da Libertadores. Que venha River ou Argentinos Juniors.

Apontado como favorito no jogo contra o Boca, o Galo precisava vencer pelo placar simples. Empate com gols, dava Boca. A torcida atleticana esperançosa nos gols de Hulk, apostava em uma grande vitória. Muita gente dizendo que vitória do Boca seria zebra. Nunca ouvi tanta bobagem.
 
O Boca tem 6 Libertadores e é considerado um dos maiores times do mundo. Mesmo em fase de reestruturação, é o Boca, time argentino, de raça, garra e tradição. O Galo, com apenas 3 conquistas importantes em sua história, uma Libertadores, um Brasileiro e uma Copa do Brasil, vive melhor momento.

O Galo teve a bola do jogo em seu primeiro ataque. Tchê Tchê lançou Savarino que dominou e saiu na cara de Rossi. Faltou-lhe a tranquilidade para dar um toque por cima do goleiro, e ele chutou no corpo do argentino, perdendo grande chance. O jogo era disputado no meio-campo. Muitas faltas, discussões, e pouco futebol.
 
O Galo tentava chegar pelo meio, onde o Boca se fechava com competência. Hulk recuou, para tentar dar assistências, mas não conseguiu servir seus companheiros. Savarino estava sumido, assim como Nacho Fernández. Considerado o craque do time, esperava-se mais dele.

O Boca jogava por uma bola. Teve a melhor chance no fim do primeiro tempo, quando Villa recebeu na entrada da área e chutou forte. Everson fez grande defesa, espalmando à córner. Villa é excelente jogador. O empate em 0 a 0 era justo pelo que as duas equipes apresentaram. Esse resultado, levaria a disputa da vaga para as penalidades. Porém, ainda havia mais 45 minutos, e muita coisa poderia acontecer.

As duas equipes voltaram com os mesmos times. O Galo continuava errando, tentando rifar a bola. Era preciso rodar a bola, para tentar achar os espaços. O Galo tinha a consciência de que se levasse um gol, sua vida ficaria complicada.
 
Por isso mesmo, precisava atacar, mas com cuidados defensivos. Villa, pela esquerda, era perigoso. O Galo não jogava bem. Numa falha vergonhosa de Everson, ele soltou nos pés do Weigandt, que chutou para o gol vazio.
 
O VAR chamou o árbitro. Na hora em que ele foi ao monitor, houve uma confusão generalizada, pois os jogadores do banco do Galo tentavam impedir os jogadores do Boca de pressionar o árbitro. O ex-goleiro e diretor do Galo, Victor, foi expulso, junto com um dirigente do Boca. Que vergonha na América do Sul.
 
Ninguém deixa o árbitro tomar sua decisão. Parecia uma várzea! Quando conseguiu ver o lance no monitor, o árbitro confirmou o impedimento do atacante do Boca na jogada, e anulou o gol, marcando um impedimento milimétrico.

Cuca pôs Sasha na vaga de Tchê Tchê. Savarino foi lançado e chutou cruzado. A bola foi para fora. Villa cobrou falta. Everson espalmou. Pavon arriscou de fora da área, a bola passou raspando a trave. O Atlético não se encontrava. Muito mal, desorganizado.

Borrero e Franco entraram. Saíram Zaracho e Savarino. O futebol atleticano era pobre. Os que duvidavam do Boca, viram o que significa esse time argentino. O jogo era muito ruim. Os goleiros pouco trabalhavam. A catimba argentina predominava. Era nítido que eles queriam levar para as penalidades.

Borrero, sem ângulo, chutou no canto e Rossi espalmou. E a decisão da vaga foi para as penalidades.

Cuca ficou ajoelhado. Hulk bateu primeiro e perdeu. Chutou na trave. Rojo fez 1 a 0.  Nacho fez 1 a 1. Villa bateu no meio do gol e perdeu. Alonso fez 2 a 1.  Rolon perdeu. Everson pegou. Hyoran bateu e perdeu. Izquierdo bateu para fora. Everson fez 3 a 1 e classificou o Galo.

VERGONHA

O Cruzeiro perdeu mais uma e se afundou ainda mais na Série B. Foi derrotado pelo Remo por 1 a 0, em Belém, e fica numa situação dramática, namorando a Série C. É uma vergonha o que está acontecendo. O torcedor é humilhado, a cada rodada, e os dirigentes contando “história da carochinha.”
 
Chega, basta! Se não há competência para gerir o clube, que deem vez para outros. Não adianta mudar treinador, pois vários chegaram e saíram, sem dar resultados. O time é um dos piores da história do clube. Não há dinheiro, salários atrasados, uma bagunça só. Um clube desgovernado e sem comando! Não vejo outro caminho. A falência desse gigante parece ser iminente!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade