Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA DE JAECI CARVALHO

Galo mantém vantagem com empate no primeiro jogo da final

América reclama de um pênalti cometido pelo goleiro Everson, que o árbitro e o VAR ignoraram


16/05/2021 18:02

América reclama de um pênalti cometido pelo goleiro Everson, que o árbitro e o VAR ignoraram(foto: Juarez Rodrigues/EM/D. A Press)
América reclama de um pênalti cometido pelo goleiro Everson, que o árbitro e o VAR ignoraram (foto: Juarez Rodrigues/EM/D. A Press)
Em jogo fraquíssimo no primeiro tempo, e muito bom no segundo, América e Atlético empataram em 0 a 0, no Independência, no primeiro jogo da final do Mineiro. Sábado que vem, no Mineirão, qualquer empate dará o título ao alvinegro. O América reclama de um pênalti cometido pelo goleiro Everson, que o árbitro e o VAR ignoraram. A expulsão de Allan deixou o Galo com 10, desde os 26 do segundo tempo. 


A vantagem era do Galo, que jogava por dois resultados iguais. Cuca entrou com 3 zagueiros e sacou o volante Jair. É uma opção interessante, já que Réver tem qualidade na saída de bola. O Coelho, bem mais organizado e muito bem treinado, fazia aquilo que já conhecemos de Lisca: um jogo cauteloso, com marcação forte, mas sem abrir mão de atacar. 

O Atlético, já classificado para as oitavas de final da Libertadores, tinha total tranquilidade para fazer as experiências que Cuca acha necessárias. É sabido que os campeonatos estaduais não valem absolutamente nada.

O Galo estava mais decidido a fazer o resultado, mesmo sem precisar. Em 16 minutos já havia chegado duas vezes: com Arana e Tchê Tchê. Dava para perceber um Atlético já com a cara de Cuca. Um com marcação forte. Porém, aquela intensidade que havia com Sampaoli acabou. Não se vê o alvinegro marcando pressão na saída de bola. A maior chance aconteceu com Nacho, que fuzilou na zaga, em chute dentro da área. No rebote, Hulk limpou e bateu forte. Cavichioli fez grande defesa, evitando o primeiro gol do jogo.

Como o futebol brasileiro está pobre. Vi o Fla-Flu, no sábado. Um jogo ruim, futebol pobre, sem imaginação. E olha que o Fla tem um time excepcional do meio para a frente. E foi assim também no Independência. 

As equipes brasileiras são muito previsíveis. Laterais que não sabem cruzar e se livram da bola. Atacantes que não chutam em gol, e por aí afora. O América precisava vencer para inverter a vantagem do Galo, mas, deu o primeiro chute aos 43 minutos, mesmo assim, para fora. Com o 0 a 0, o Galo mantinha sua vantagem. Eu nunca vou entender o futebol do jeito que ele está. O atacante, com a bola dominada, lá na frente, cercado pelos zagueiros, prefere recuar para o seu goleiro, do que tentar uma tabela. Isso é uma vergonha!

Nos 45 minutos finais, o América precisava se explicar. Ou será que Lisca queria o 0 a 0 para tentar definir tudo no sábado que vem, na partida final? Cuca voltou com Allan na vaga de Réver, voltando a atuar com 2 zagueiros. O Coelho voltou mais próximo do gol atleticano. Tanto assim que em 5 minutos, Everson fez duas grandes defesas. Na segunda, segurou a bola firme, mas meteu o pé na cabeça do atacante atleticano. O árbitro de vídeo foi chamado, mas não deu a penalidade. Um lance interpretativo, segundo os entendidos. 

Cuca tirou Dodô e pôs Sasha. Allan só toca bola para os lados. Jogadorzinho bem comum. Tipo de volante que o futebol moderno não aceita mais.

Tchê Tchê saiu na cara de Cavichioli, mas não consegue concluir em gol. Chuta para fora. Tardelli foi para o jogo. Rodolfo fez boa jogada e chutou forte. Everson mandou a escanteio. 

O fraquíssimo Allan foi expulso aos 26 minutos, ao puxar Ademir, que sairia na cara do gol. Hulk tentou fazer um golaço, chutando do seu campo, mas a bola foi para fora. Hyoran e Allan Franco entraram nas vagas de Nacho e Hulk. 

No Coelho, saiu Juninho para a entrada de Leandro Carvalho. O América precisava traduzir a vantagem numérica em gols. Entretanto, não conseguiu e tudo ficou em aberto para o próximo sábado, quando somente a vitória dará o título ao Coelho. O Galo vira a chave e joga pela Libertadores, na terça.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade