Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Coluna do Jaeci

Galo vai mudar base, Série B não é atraente e o Coelho está na elite

Diretor da base do Atlético, Júnior Chávare, não ficará no cargo.


10/01/2021 13:35 - atualizado 10/01/2021 13:51

Diretor da base do Atlético, Júnior Chávare, vai deixar o cargo(foto: Divulgação/Atlético)
Diretor da base do Atlético, Júnior Chávare, vai deixar o cargo (foto: Divulgação/Atlético)
O diretor da base do Atlético, Júnior Chávare, não ficará no cargo. A diretoria atleticana, segundo uma fonte, já definiu, e deve anunciar em breve. Não é caça às bruxas, e sim a filosofia do novo presidente e seus colegiado, que, agora, tem um R a mais: Renato Salvador, Ricardo Guimarães, Rubens e Rafael Menin, e Rodrigo Caetano.

Mas, a palavra final é do S, de Sérgio Coelho, um dirigente muito transparente, competente e sério em suas decisões. Além de fazer um trabalho filantrópico maravilhoso, que vale a pena conhecer. Vários nomes estão sendo estudados, currículos e mais currículos estão na mesa dos dirigentes, e, em breve, um deles será escolhido.

Há de ser alguém que tenha a mesma filosofia de trabalho do presidente, que pense grande, seja transparente e que entenda de um projeto grande para as divisões de base. O Atlético precisa voltar a revelar grandes jogadores, pois isso não acontece há tempos.

O Atlético tem uma gestão super profissional, e a chegada de Rodrigo Caetano, veio para confirmar a nova filosofia de trabalho. Ele é um executivo que privilegia o clube, que não atende a interesses de empresários, e que pensa sempre em agregar valores ao clube no qual trabalha.

Tive a informação de que o presidente, Sérgio Coelho, está encantado com suas propostas e forma de trabalhar.

Bom para o Galo, que vai inaugurar sua casa em 2022, e pretende se tornar um gigante no quesito conquistas de taças. O caminho é esse!

Série B não é atraente


A declaração do presidente, Sérgio Santos Rodrigues, de que a Série B desta temporada será atraente, pois mais dois grandes deverão se juntar ao Cruzeiro, não pegou bem junto aos torcedores.

Recebi milhares de mensagens, nas minhas redes sociais e canais, condenando tal declaração, pois a Série B só é atraente para equipes pequenas. Na verdade, é uma vergonha o Cruzeiro permanecer nela, no ano do seu Centenário, mesmo com todos os problemas que enfrentou.

O orçamento ainda é dos maiores da Segundona, e a falta de planejamento fez com que o clube penasse em jogos contra equipes de qualidade duvidosa.

Felipão foi contratado tarde demais. Agora, é preciso planejamento e suporte para que ele monte um time decente, em condições de subir, pois se isso não acontecer, o Cruzeiro pode ficar por muitos anos na B, o que seria terrível para seus 9 milhões de torcedores, espalhados pelo mundo.

Eu avisei em janeiro que, com esse time, o Cruzeiro não subiria. Não acreditaram e o resultado está aí. Ter gente que conheça de futebol na gestão, é fundamental para o sucesso de um clube.

Na elite 

Já o América vai dividir com o Galo a representação de Minas Gerais na elite do nosso futebol. Classificou-se com várias rodadas de antecedência, com um time de qualidade, um técnico competente e uma diretoria trabalhadora e visionária.

O segredo para o América sempre foi ter Marcus Salum no comando. Com ele, o Coelho tem em sua história as maiores conquistas, e, com certeza, vai se juntar aos grandes na Série A, para permanecer por muitos anos.

Já passou aquela fase gangorra, de subir num ano e cair no outro. O América está estruturado para ficar e jogar com qualquer grande equipe, de igual para igual, provou isso na disputa da Copa do Brasil, sendo semifinalista, eliminando Corinthians e Internacional. Parabéns, América. Você é um dos orgulhos das Minas Gerais.

Lisca, o melhor 


O técnico do Vasco, Vanderlei Luxemburgo, elegeu Lisca como o melhor treinador em atividade no Brasil. Assim, ele reconhece a estratégia e a competência desse treinador, que de doido não tem nada, só mesmo o apelido. Eu também acho. Lisca, por tudo o que fez na temporada, com o América, é o maior destaque entre seus pares.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade