Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Organização da MLS é um exemplo até para Europa

Executivos da liga de futebol dos Estados Unidos são contratados para gerir com responsabilidade fiscal as receitas, despesas e orçamento


postado em 23/05/2020 04:00

"Presidente do Orlando City fala sobre seu clube e a MLS, exemplos a serem seguidos na Europa, segundo o presidente da Federação Alemã de Futebol"


MLS é o exemplo

Fiz uma live com o presidente do Orlando City, Alexandre Leitão, que esclareceu vários pontos importantes e mostrou o motivo de a MLS ser um sucesso de organização, finanças e gestão. Diferentemente dos clubes brasileiros, os executivos são contratados para gerir com responsabilidade fiscal as receitas, despesas e orçamento. Ninguém pode fugir do que é determinado. Para abrir uma franquia, além de ter dinheiro o dono deve dar garantias de que vai cumprir suas obrigações. Por isso, por essas bandas nenhum clube quebra ou fica em situação de insolvência. Mesmo nesse período da pandemia do coronavírus, o Orlando City não demitiu ninguém nem reduziu salários, pois tem uma boa reserva, fruto do planejamento de seu presidente. Não à toa, o presidente da Federação Alemã de futebol, Fritz Keller (foto), disse que o modelo a ser copiado na Europa é o daqui dos Estados Unidos e da MLS. Ele propõe limites de salários e de negociações, para tornar o futebol europeu mais sustentável.

Cara de pau

Sérgio Nonato, conhecido como Capivara, ex-diretor do Cruzeiro, acusado de corrupção, teve a cara de pau de votar na quinta-feira na eleição para presidente. Ele conseguiu liminar, após ter sido expulso do Conselho do clube. Na saída da sede, foi xingado de ladrão, bandido e outros adjetivos pejorativos. Só não apanhou porque houve intervenção da Polícia Militar. Os torcedores estão indignados e aguardando o indiciamento dele, do ex-presidente Wagner Pires e de Itair Machado para os próximos dias. Segundo a Polícia Civil, já há provas para esse indiciamento. O Cruzeiro virou terra arrasada e fala-se até na falência, com mudança de nome e um recomeço na Série D. Isso seria uma catástrofe para os mais de 9 milhões de torcedores pelo mundo. Vejam o que uma gestão fraudulenta faz com um clube de futebol.

Novo presidente

Sérgio Santos Rodrigues foi eleito o novo presidente do clube. Ele não aventa a possibilidade de falência e mudança de nome. Diz que vai conseguir escalonar a dívida de R$ 1 bilhão e começar a pagar os compromissos mais pontuais, como salários e dívidas na Fifa. Sérgio sabe que terá muito trabalho, mas estuda a possibilidade de parceria com clubes europeus ou investidores que queiram pôr dinheiro no clube, em troca de participação nas categorias de base. Se obtiver R$ 120 milhões, ele diz que conseguirá tocar o clube e que tudo voltará à normalidade. A maior parte da dívida é em impostos e ele acha que pode negociar com o Profut para o Cruzeiro voltar a entrar no Refis. A coisa será feita a médio prazo, mas voltar à elite do futebol brasileiro é urgente e tem que ser para 2021, ano do centenário do clube.

Testes positivos

(foto: ALEXANDRE GUZANSHE/EM/D.A PRESS - 15/5/16)
(foto: ALEXANDRE GUZANSHE/EM/D.A PRESS - 15/5/16)
Vários jogadores de equipes cariocas estão testando positivo para a COVID-19 e há gente querendo voltar com o Campeonato Carioca. São os dirigentes sedentos por grana, que não se importam com a vida. Jogadores do Bangu e do Boavista testaram positivo. Não há a menor condição de voltar o futebol, já que o pico da pandemia no Brasil, segundo as autoridades médicas e sanitárias, será em junho. Os clubes estão quebrados, mas o presidente do Fluminense, para fazer média com a torcida, vai contratar o atacante Fred (foto) , que deverá ganhar algo em torno de R$ 500 mil mensais. Vejam como nada vai mudar no futebol brasileiro depois da pandemia do coronavírus. Os dirigentes continuarão irresponsáveis, como sempre foram. Com mais de 20 mil mortos pela COVID-19 no país, e os dirigentes falando em volta do futebol. Isso é um absurdo!

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade