Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas BOMBA DO JAECI

Wagner Pires de Sá deixa o Cruzeiro na lama

"Quem renuncia é covarde", disse Wagner Pires de Sá, que acabou renunciando à presidência do Cruzeiro


postado em 21/12/2019 06:00 / atualizado em 21/12/2019 07:42

Desde que terminou o Campeonato Brasileiro, há duas semanas, a torcida cruzeirense vem protestando, pedindo a saída da diretoria(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
Desde que terminou o Campeonato Brasileiro, há duas semanas, a torcida cruzeirense vem protestando, pedindo a saída da diretoria (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)

Finalmente, Wagner Pires de Sá deixou a presidência do Cruzeiro, renunciando. Como ele declarara que “quem renuncia é covarde”, saiu como um covarde do clube que jogou na lama, na Segunda Divisão. Agora, deverá se explicar à Justiça, pois o processo que existe contra ele e seus parceiros não terminou e nem foi arquivado. Se forem culpados, deverão ser indiciados e ir à julgamento. O presidente foi a página mais vergonhosa da história do clube. Relutou em renunciar até o último instante, apesar da pressão da torcida. O novo grupo, comandado por Pedro Lourenço, tem uma grande vantagem: são todos independentes financeiramente e estão entrando no Cruzeiro para que o clube os use, e não para eles usarem o clube em benefício próprio. A reconstrução será dolorosa e difícil, mas gente séria no comando é o primeiro passo para o Cruzeiro voltar à elite do Campeonato Brasileiro, de onde jamais deveria ter saído.

Mundial de Clubes

Flamengo e Liverpool decidem hoje o Mundial de Clubes 2019. O dono da América contra o dono da Europa. O Liverpool é o favorito. Considerado o melhor time do mundo, tem jogadores que destoam, como Mané e Salah, além do excelente centroavante de time, Firmino, que na Seleção Brasileira não joga, mas que no time inglês faz muitos gols. Quinze mil mil torcedores rubro-negros estão aqui em Doha, mas a torcida do time da terra dos Beatles também é grande. Eles deverão dividir os 45 mil lugares disponíveis no Kalifa Stadium. O mais legal dessa festa é que por aqui a bebida alcoólica é proibida. Não há venda em bares ou restaurantes. Nos hotéis, os estrangeiros podem pedir bebida, mas os nativos não. Sem álcool na cabeça, tudo funciona bem. Não há brigas, agressões ou cenas de torcedores protegendo os filhos dos bandidos travestidos de torcedores. Quem vai ganhar com esta decisão é o público, que deverá ver dois times ofensivos em campo.

Flamengo deve manter parceria

Exclusivo: o BS2 está praticamente fechado com o Flamengo para 2020. Na verdade, o banco e o clube têm contrato até dezembro do ano que vem. Porém, a empresa aérea Qatar entrou na jogada e ofereceu uma excelente grana para ser a patrocinadora máster do rubro-negro. Ontem, porém, aqui em Doha, o vice presidente do banco, Rodrigo Pentangna Guimarães, se reuniu com Rodolfo Landim, e apresentou uma contraproposta, para que o Flamengo continuasse com o patrocínio máster do banco. Landim reconheceu a força que o BS2 deu ao clube no começo de sua gestão e deve bater o martelo na semana que vem, mantendo o banco mineiro no peito da camisa dos jogadores. O BS2 agradece.

Reconhecimento

O Flamengo e a Fifa trouxeram a Doha os ídolos das duas equipes, os chamados Legends. Pela Fifa estão aqui Juan, Bebeto, Júlio César e outros nomes. O Flamengo, por sua conta, convidou Leandro, o maior lateral-direito da história do clube, que foi pé quente em Lima, na decisão da Copa Libertadores, e espera ser novamente aqui. Esse reconhecimento aos ídolos é o que está faltando no Brasil. O ex-jogador se sente feliz e motivado quando é lembrado. Todas as noites, no bar do hotel do Flamengo, há uma confraternização de ex-jogadores, torcedores e dirigentes. A festa só acaba quando a luz é acesa, lá pelas 2h. Mas, hoje, se o Fla for campeão, não haverá luz acesa que faça torcedores, dirigentes e jogadores arredarem pé. A festa não terá hora para acabar.


Publicidade