Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas COLUNA DO JAECI

Não vale querer ganhar a qualquer preço!

O cruzeirense não quer ver seu time na Série B e, para isso, vale tudo. Assim como ele, todos os torcedores brasileiros pensam da mesma forma, com raras exceções


postado em 21/10/2019 04:00 / atualizado em 21/10/2019 11:37

No Itaquerão, o Cruzeiro venceu o Corinthians de virada em gol validado pelo VAR(foto: RICHARD CALLIS/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO)
No Itaquerão, o Cruzeiro venceu o Corinthians de virada em gol validado pelo VAR (foto: RICHARD CALLIS/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO)


O Cruzeiro conseguiu sua primeira vitória fora de casa no Brasileirão, sábado, diante do Corinthians. Melhorou sensivelmente sua posição na tabela e afasta cada vez mais o risco de rebaixamento. Porém, eu não deixo de falar a verdade: o Corinthians foi prejudicado no lance do seu gol, mal anulado por uma suposta falta em Fred, que o árbitro marcou, mas que, na verdade, não houve nada. O pênalti é questão de interpretação. Se o braço do atleta do Corinthians estava aberto em demasia, pênalti claro. Eu tenho minhas dúvidas. Os torcedores cruzeirenses alegam que no gol mal anulado do Corinthians os jogadores do Cruzeiro pararam ao ouvir o apito. Ok, tudo bem. Mas no gol da vitória do Cruzeiro, o bandeira, de forma equivocada, assinalou impedimento e todo o time corintiano parou. Na verdade, o gol foi legal e o árbitro, de forma acertada, viu que quem tocou para trás foi Fagner, do Corinthians, e não um jogador azul. Vejam os senhores: os torcedores dizem que no gol mal anulado do Corinthians os jogadores do Cruzeiro pararam após o apito. Mas não dizem que no gol de Éderson o bandeira levantou o bastão e os jogadores corintianos pararam no lance. É a tal “Lei de Gérson”, em que levar vantagem a qualquer preço tem de prevalecer.

O cruzeirense não quer ver seu time na Série B e, para isso, vale tudo. Assim como ele, todos os torcedores brasileiros pensam da mesma forma, com raras exceções. Por isso, o Brasil não funciona como nação séria. A maioria da classe política é ladra, sabemos disso, com algumas exceções, mas o povo também gosta de falcatruas. Se um caminhão de carne ou de cerveja capotar, muita gente vai saquear a carga – e não ajudar o motorista. Viram como funciona? Portanto, para cobrarmos decência dos políticos, temos de ser decentes também. O Brasil é considerado um dos países mais corruptos do mundo. Perde, entre outros, para a Nigéria. Estive naquele país com a Seleção. É, realmente, terrível. Eu aprendi, desde cedo, com os saudosos mestres Telê Santana e Carlos Alberto Silva que é melhor perder de forma honesta a ganhar ludibriando ou cometendo falcatruas. Infelizmente, a maioria não pensa assim.

Eu sou Flamengo, todos sabem, nunca escondi de ninguém, mas quando há erros a favor do meu time, eu os denuncio e repudio, como já escrevi dezenas de vezes sobre os erros de José Roberto Wright, em 1981, no Serra Dourada. Ele prejudicou o Atlético e, muito provavelmente, tirou o título da Libertadores do Galo naquele ano. Porém, Zico, Andrade, Júnior, Adílio e cia não têm culpa. Eram gênios da bola, assim como Éder, Cerezo, Reinaldo. Deveriam ter anulado aquele jogo e marcado uma outra partida. Flamengo e Atlético eram a base da Seleção Brasileira de 1982, dois timaços, que, se jogassem 10 vezes, cada um ganharia 4 e haveria dois empates. Os jogadores do Cruzeiro não têm culpa de o árbitro ter anulado o gol do Corinthians, sábado, mas é preciso a gente ter coerência e dizer o que houve. Entendo que o torcedor é passional, mas quem trabalha com o microfone ou com os teclados do laptop não deve se eximir de comentar a verdade. Aqueles que não gostam de ouvir verdades, não me sigam no meu Instagram nem leiam a minha coluna. Não faço questão de quem gosta de levar vantagem me seguindo.

Eu já disse que há muita equipe ruim lá embaixo. Chapecoense e Avaí estão praticamente rebaixados. O CSA é horroroso e deve cair também. Há, então, uma vaga no “inferno”, como os torcedores chama a Série B, para ser disputada por Fluminense, Cruzeiro, Botafogo, Ceará e Fortaleza. Acho que um dos dois, Ceará ou Fortaleza, cai. Portanto, torcedor azul, apoie seu time e torça para ele vencer com lisura e correção. O Cruzeiro, pelo time que tem, não era para estar nessa posição, sendo humilhado. O lugar dele é na prateleira de cima, mas os problemas políticos levaram o time a essa posição. Fique tranquilo, torcedor azul, seu time vai escapar – muito mais pela ruindade dos concorrentes do que pelo seu próprio mérito. E, aos que gostam de levar vantagem, pensem bem no mau exemplo que estão dando aos seus filhos. Ganhar, vencer com lisura, transparência e qualidade, é o certo. Qualquer coisa fora disso, não é correto.
#ForaTite

Lancei na Rádio Tupi do Rio a campanha #ForaTite, para que o técnico deixe a Seleção Brasileira e dê vaga a um treinador competente e de qualidade. Renato Gaúcho e Jorge Jesus seriam os meus preferidos. Não dá mais para ver a Seleção praticar futebol tão pobre, sem corpo, alma e qualidade. Tite mantém sua panela com Daniel Alves, Thiago Silva, Marquinhos, AlexSandro, Casemiro, Gabriel Jesus e outros engodos. Há uma safra boa no time que vai disputar o pré-olímpico e nos próprios clubes brasileiros. Tite não tem olhos para eles. Eu poria Jorge Jesus, treinador europeu, com outra filosofia. Garanto que com ele Neymar teria outro comportamento, não mandaria na Seleção, como faz. Estamos há muito tempo sem ganhar uma Copa e, o que é pior, sendo eliminados sempre por europeus. É preciso mudar a filosofia do nosso futebol, antes que a gente fique fora de um Mundial pela primeira vez. Com Tite no comando, esse risco é gigante. Estou avisando antes, para não me chamarem de engenheiro de obra pronta.


Publicidade