Publicidade

Estado de Minas

Clássico tem favorito sim e deu Galo na cabeça!


postado em 05/08/2019 06:44 / atualizado em 05/08/2019 09:08

Vinicius comemora o primeiro gol da vitória atleticana por 2 a 0 sobre o Cruzeiro(foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)
Vinicius comemora o primeiro gol da vitória atleticana por 2 a 0 sobre o Cruzeiro (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)
 

Eu não tenho medo de apontar o favorito nos clássicos. E disse que o Galo era o favorito por viver melhor momento, por ser mais bem treinado, por fazer ótima campanha no Brasileirão. E não deu outra: Atlético 2 a 0 no Cruzeiro, gols de Vinícius e Nathan, afundando o rival, que está na zona de rebaixamento e não consegue nem uma vitória sequer. O time de Mano Menezes sucumbiu, corre sérios riscos de cair para a Segundona, embora ainda haja muitos jogos, justamente pelo fato de o técnico azul ter perdido o grupo. O Galo, no Horto, é sempre o Galo. É seu terreiro, o torcedor comanda o time da arquibancada e os adversários sofrem. O Galo chega aos 24 pontos, mesma pontuação do Flamengo, e briga entre os ponteiros. O Santos é o líder com 32 pontos, e oferece ao público uma aula de futebol dada por seu técnico, Jorge Sampaoli. Essa balela de que clássico não tem favorito é para quem tem medo de apontar a equipe que vive melhor fase. Tem sim, e o Galo confirmou tudo o que dele escrevi na coluna de ontem.


No mundo violento em que vivemos, o técnico Rodrigo Santana foi irresponsável ao dizer que “seus jogadores estavam com ódio dos cruzeirenses”. Pior que isso, foi ver os bandidos, travestidos de torcedores, apedrejarem o ônibus do time azul. Dentro de campo, tudo normal. Mano Menezes, quem diria, entrou com quatro homens na frente: Marquinhos Gabriel, Thiago Neves, Fred e Pedro Rocha. Isso tudo para dizer que não é retranqueiro. É estranho vê-lo escalar Fred, principalmente depois que o centroavante disse que “não serve” para o esquema do técnico celeste. Muito estranho. O Atlético estava mais bem postado. Jair dando segurança aos zagueiros, na cabeça da área. Vinicius construindo as jogadas, chutando em gol e assustando Fábio. Ele deu três belos chutes antes de marcar o único gol do primeiro tempo. Antes disso, Dedé puxou Cazares na área. Pênalti. O VAR foi consultado. Porém, o árbitro Pedro Vuaden,preferiu inventar uma falta no lance anterior, contra o Atlético. A demora para decidir foi de 5 minutos. Uma vergonha. E, aos 45min de jogo, contra-ataque do Galo, Ricardo Oliveira fez o pivô e tocou para Vinicius, que ganhou na corrida de Henrique, aproximou-se da área, perseguido por Leo e Dedé, e soltou a bomba, no cantinho, sem chances de defesa para Fábio. Galo 1 a 0. Os cinco minutos de tempo extra continuaram com boas jogadas de ambos os lados. Mas a etapa inicial terminou assim mesmo, com a vantagem parcial do alvinegro.

2 a 0

No segundo tempo, o Galo manteve sua postura, tocando a bola com qualidade, buscando o gol e com os pés totalmente no chão. O Cruzeiro parecia um bando, sem a menor organização. O goleiro Cleiton quase não trabalhou. Fábio andou fazendo umas boas defesas, como sempre. Os dois centroavantes, Fred e Ricardo Oliveira, ajudavam na marcação. Curioso: nos bons tempos do futebol, os atacantes eram treinados para marcar gols. Hoje, não. Os técnicos ordenam que marquem. São os novos tempos! O Cruzeiro tentou mudar a postura com a entrada de Robinho. Não deu certo. O que deu certo foi a entrada de Geuvânio, no Galo, pela direita. Ele infernizou a defesa azul e carimbou a trave de Fábio. Sassá entrou e também mandou uma bola na trave. Houve um lance polêmico: Dedé pôs a mão na bola, na área. O árbitro de vídeo foi consultado, mas nada foi marcado. O Cruzeiro foi pra cima. O tempo era curto. Porém, num contra-ataque, Nathan pegou a bola e tocou para Patric, o lateral avançou e cruzou da entrada da área. Houve desvio da zaga azul e Nathan, livre, cabeceou para o gol, sem chances para Fábio. Galo 2 a 0, decretando mais uma vitória, chegando aos 24 pontos e continuando perto dos ponteiros. O Cruzeiro está afundado na zona de rebaixamento, com um técnico retranqueiro, que não consegue tirar mais nada desse grupo. Quarta-feira, pela Copa do Brasil, a parada é com o Inter, pelas semifinais. Com esse futebolzinho medíocre, dificilmente o Cruzeiro vai passar. O Galo, de forma surpreendente e positiva, continua fazendo excelente campanha no Brasileirão, competição que lhe restou, junto com a Sul-Americana, que a própria diretoria disse que nada valia, e eu concordo. O Galo terá uma semana de trabalhos para encarar o Fluminense, no Horto, sábado. Ah, o Horto, onde o alvinegro é quase imbatível.


Publicidade