Publicidade

Estado de Minas DA ARQUIBANCADA

O amor platônico e atleticano pelo Cruzeiro

"E brindamos a dádiva de sermos pai e filho celestes, para os quais a energia cinzenta é incapaz de incomodar a alegria de estar do lado certo da história"


01/06/2022 04:00 - atualizado 01/06/2022 11:04

Jajá festeja gol contra o Criciúma
Jajá vibra com o gol da vitória contra o Criciúma, no Heriberto Hülse (SC), resultado que garantiu ao Cruzeiro a liderança isolada da Série B (foto: Staff Images/Cruzeiro)


“#alo!” O grito com o nome da ave ressoou alto pelo salão, em meio ao conversar baixo e intimista dos casais espalhados pelas mesas do restaurante, na região central de Belo Horizonte. Um som desproporcional para a noite fria e romântica da última sexta-feira. Uns se espantaram, outros ignoraram. Quieto, duas mesas à frente e com uma pilastra a me separar do dono da voz rancorosa, eu degustava um acarajé. Na TV, com o volume mutado para não incomodar a maioria dos presentes, desinteressados no futebol, o exato momento do gol do Criciúma sobre o Cruzeiro. O carcarejar se repetiu: “#alo!”

O ala esquerdo Marcelo Hermes – com a mão direita – acabara de empurrar a bola para o fundo das redes do nosso arqueiro. Enquanto o juiz se encaminhava para a lateral do gramado, a fim de conferir o VAR, me virei e, de relance, vi a perna do autor do grito sem propósito. O calçado era um reluzente sapatênis. O suficiente para confirmar minha suspeita.

Voltei ao meu bolinho, joguei um pouco mais de pimenta e antes da próxima bocada, dei um suspiro. Não pelo fato de a TV exibir o árbitro desenhando um quadrado imaginário no ar e movimentando os braços para sinalizar o gol anulado. Mas sim por dó da moça linda, que na noite romântica de sexta-feira, era trocada pela sofrência traumática de seu par atleticano, que só tinha olhos para o jogo do Cruzeiro.

O dia seguinte amanheceu um pouco mais quente. Mais azul. Mais alegre por mais uma vitória do Time do Povo Mineiro. Manto sagrado no peito, desci pelas ruas de Belo Horizonte a distribuir “bons dias”. Entrei na casa do meu Velho para uma visita. Ele me recebeu com a tradicional pergunta de um pós-peleja: “gostou do resultado”? O 1 a 0 sobre o Criciúma, mesmo com todas as dificuldades, nos agradara pelo disparar na liderança da competição.

No olhar de meu pai, senti que algo lhe incomodava. Com muito custo, acabou por me confidenciar o motivo. Naquela manhã, durante sua caminhada matinal, um representante da Turma do Sapatênis se pôs a praticar o esporte preferido dos torcedores do time do bairro de Lourdes: falar do Cruzeiro. “Mas o Ronaldo quebrou o time que comprou nos Estados Unidos. Mas o clube do Ronaldo na Espanha está na  segunda divisão. Mas o Cruzeiro do Ronaldo...”.

Mastiguei um suculento pedaço de torresmo e questionei meu Velho. “Pai, você perguntou a ele quantas vezes na história o clube dele quebrou e foi salvo com dinheiro dos cofres públicos, de políticos, de coronéis ou de doações dos Bilionários do Brasil Miséria?”

Sereno, com a sabedoria de quem já viveu de tudo nessa vida – inclusive, dezenas de títulos no Mineirão com o seu Cruzeiro –, meu pai, educadamente, sorriu, me ofereceu outro naco de torresmo e respondeu: “Eu não! Sou cruzeirense, não vou me preocupar com time dos outros, né?” E brindamos a dádiva de sermos pai e filho celestes, para os quais a energia cinzenta das nuvens brancas e pretas é incapaz de incomodar a alegria de estar do lado certo da história.

Assim, por mais uma semana, a pequenez da Turma do Sapatênis e sua obsessão – de origem traumática – seguiram sendo respondidas pela Nação Azul como se conquistássemos seis títulos; marcássemos seis gols ou distribuíssemos seis beijos molhados numa sexta-feira romântica de jogo do Cruzeiro.


*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade