Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas DA ARQUIBANCADA

Títulos parecem ter 'gourmetizado' parte dos atleticanos. Aí não, galera

Atlético foi tão campeão em 2021, que o sinal de fase instável vai se transformando em estranha crise para parcela da torcida


14/05/2022 04:00 - atualizado 14/05/2022 07:33

Ainda que o Galo venha perdendo equilíbrio, é preciso dar tempo ao técnico Antonio Mohamed para ajustar a equipe
Ainda que o Galo venha perdendo equilíbrio, é preciso dar tempo ao técnico Antonio Mohamed para ajustar a equipe (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press - 13/4/22)

Saber perder é uma arte que se desenvolve cotidianamente, no exercício sacal e humilhante da vida. Começa quando a gente nasce: o que se segue é apenas o envelhecimento das células e a decrepitude dos tecidos. Graças ao WhatsApp da família brasileira, sabe-se agora que nem a sabedoria dos velhos resiste a essa harmonização facial às avessas, esse peeling ao contrário.

Ladeira abaixo, vamos calculando os pit stops, sempre com o objetivo de melhorar: compramos um Marea, abrimos um bar, adquirimos imóveis na planta, apostamos em pirâmides, investimos numa bicicleta ergométrica, elegemos o Bolsonaro. Aprender a perder é um curso aberto no qual se está automaticamente inscrito assim que se bomba no Enem – é universal, gratuito, e tem cota pra todo mundo.

Até outro dia, o atleticano estava dispensado de cursar o ensino básico, fundamental e médio de tal disciplina – pulava logo ao doutorado, pois sua condição de hors-concours o impedia de competir com os demais.

Bastava-lhe o GNV, a carteirinha de sócio-sofredor, para tornar-se apto a lecionar em Harvard, PhD que é no tema da desgraça, ornitólogo com mestrado em corvos, meteorologista especializado nos raios que caem três vezes no mesmo lugar. E, apesar dos pesares, o ateu que acreditava e o cego que só enxergava a metade cheia do copo. Tendo aprendido a perder, o atleticano desenvolveu a fé capaz de rivalizar com a Tamisa – a fé que move montanhas.

Pois o ano de 21 ensinou o atleticano a ganhar. Como nunca antes na história deste país. Ganhamos o Brasileiro depois de 50 anos, e levamos nossos mortos ao estádio, aqueles que não viram. Vencemos a Copa do Brasil com os pés nas costas e o coraçãozinho do Hulk nas mãos (a nossa revolução pacífica, sob o comando de Hulkinho Paz e Amor). Então, caminhamos em procissão à sede de Lourdes, nossa Meca, arrastando os corpos como zumbis saídos do Bonfim. Ganhar tanto é um teste de resistência, um check-up de fígado e uma apneia nas profundezas turvas do cheque especial. Sobrevivemos.

Veio 22, e... Embora já se acumulem dois títulos, perdemos. E a impressão que se tem é de uma dupla derrota: perdemos o jogo e a capacidade de saber perder. “Ainda bem”, dirão os novos consumidores do futebol, para os quais só a vitória consagra, só ela interessa – a derrota é um defeito de fabricação, uma sacanagem passível de queixa no Reclame Aqui, algo que não foi contratado e por isso eu vou chamar o Procon. Houvesse um SAC, o Serviço de Atendimento ao Corneta, teríamos o engarrafamento de chamadas. Cairia o sistema, o técnico, o presidente e os mecenas.

É justa a reclamação geral contra o juiz no jogo de quarta-feira. Foi pênalti, mas parece ter colado a mentira repetida mil vezes de que o Galo foi favorecido por penalidades fajutas – pronto, eis a urna inauditável do ludopédio nacional. Até aí, tudo bem, que cada um exerça o direito ao esculacho da arbitragem brasileira, canalhas, ladrões, CBF corrupta, Globolixo, malfeitores do Eixo, Wright fazendo escola. Se houve a VAR-Palmares, hoje tem o VAR-Palmeiras e o VARmengo, só não vê quem não quer.

Agora, daí a pedir a cabeça do Turco vai uma distância grande, aquela que dará condição ao Hulk quando o VAR operar a gente outra vez. Pelo amor de Deus, o cara acabou de chegar, tem mais títulos do que derrotas, sejamos justos e merecedores de tudo o que virá depois de removidas as montanhas. A soberba é prima-irmã da vaidade, e sabemos onde isso dá: quem anda cheio dela acaba por soltar foguetes em disputa de pênalti com a Série C. Deus, existindo, que ilumine e guarde.

O poeta equivocou-se com a história de que distraídos venceremos. Distraídos, no máximo, empataremos – e o empate tem sido aquele Miojo com sachê de camarão com alho, o sabor da derrota. Falta concentração, mas também a paciência para que o Turco opere sua principal mudança, que é fazer do Nacho 22 o Zaracho de 21 – estratégia até aqui exitosa. Nacho joga muito.

O atleticano acostumou-se a ganhar porque aprendeu a perder, é o bartender que melhor faz do limão uma limonada. “Quem gosta de título é cartório”, dizíamos quando das vacas magras na comparação com o pasto do vizinho. Não é bem assim. Mas era verdade esse bilete.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade