Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas DA ARQUIBANCADA

Que volte o Galo em modo chester: bico cheio de dente e espírito do carcará

Será que joga a joia do América levada fraudulentamente para o Cruzeiro e depois vendida no armazém de secos e molhados de Ronaldo, esse tal de Roque'n'roll?


16/04/2022 04:00 - atualizado 15/04/2022 22:29

Ademir marca o gol do empate do Atlético no jogo contra o América, pela Libertadores
Ademir marca o gol do empate do Atlético no jogo contra o América, pela Libertadores (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
As coisas muitas vezes não são o que parecem. Veja o caso das nossas Forças, que até outro dia julgávamos Armadas. Por baixo dos panos, na verdade, faltava-lhes munição para os primeiros segundos da guerra.

E pensar que o Exército pintava com brochas os meios-fios das cidades. Não! O problema já tinha se resolvido com um simples remedinho ou uma prótese. Achávamos que esse pessoal era sádico, especialista em submissão, dominação e tortura. Ledo engano! Ou você imagina um Brilhante Ustra preocupado em ter às mãos lubrificantes íntimos? 

Recorro a essas digressões a propósito do jogo de quarta-feira passada. Como um Putin instalado no Kremlin de Vespasiano, tudo nos fazia crer na vitória rápida e acachapante – e acreditamos nessa falácia. Tanto que negligenciamos a retaguarda, deixando na ativa um soldado que deveria estar na reserva e mandando à reserva o general da ativa. Por pouco não dançamos: "Que mara mara maravilha, ê". Ê, Faraó..."

Ao que parece (e sempre na torcida pelo autoengano), infelizmente foi-se o tempo do Faraó. Encontra-se hoje, como seus colegas do Egito, em estado de múmia. O torcedor deve se lembrar do zagueiro Werley, aquele a quem não se deveria confiar a guarda de um jabuti.

Godin, o Faraó, é um Werley dramaticamente piorado pela passagem do tempo. Embora na fábula a tartaruga chegue antes do coelho ao final da corrida, não se deveria deixar nem um nem outro aos seus cuidados.          

O Coelho pôs em marcha seu plano: "Make América great again". Nem precisava, pois, inerte, já teria alcançado o segundo lugar. Mas veja que ontem pela manhã recebi um áudio com extensa avaliação a respeito de mascotes variados do futebol, produzida por um carioca botafoguense revoltado com Biriba, o cãozinho gente boa que seria símbolo do seu Botafogo e que, segundo o fulano, deveria ser substituído por um pitbull com focinheira.

Depois de exaltar um "Galo com dentes", teceu considerações sobre o Coelho: "Coelho possuído pelo demônio, mermão, coelho do olho vermelho, coelho do mal, bicho todo bolado". Tem que abrir o olho com esse Coelho, não mais é o que parece. Nada se falou do Raposão. 

Pois bem, empatezin safado (15 jogos de invencibilidade na Libertadores!), não vimos no Galo aquele chester de peito estufado, o Galo com dentes, espírito de carcará. Não pega, não mata e nem come.

Sorte que tinha lá aquele bandeira cego pra validar o gol impedido de Ademir. O América reclama a falta do VAR, no que assino embaixo: teríamos ganhado de 2 a 1, ainda que Fumacinha tivesse seu gol anulado.

O tal Rodrigo Dunshee Abranches, vice-presidente do Flamengo e negacionista de pênaltis existentes, foi a público sugerir manipulação de resultado em favor do Atlético. No mesmo dia, revelou-se um esquema de favorecimento ao Flamengo no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Tudo como dantes no quartel de Abranches.

Segue o jogo! Vira a chavinha para o modo Brasileirão. Amanhã é Galo contra o Athletico do Paraná, esse povo tem uma birra danada da gente, 6 a 1 na corcova numa final de Copa do Brasil tem dessas coisas.

Será que joga a joia do América levada fraudulentamente para o Cruzeiro e depois vendida no armazém de secos e molhados de Ronaldo Fenômeno, esse tal de Roque'n'roll? Vitor Roque saiu do Cruzeiro para o Athletico do Paraguai: "Sonho realizado". Kkkkkk. As coisas às vezes não são o que parecem.

Sem Hulk e com Vitor Roque, a ver que bicho dá. Que o Galão volte à condição de chester, com o bico cheio de dentes e o espírito do carcará: pega, mata e come.

***

Obrigado por tudo, Rincón! Descanse em paz.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade