Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Cuide-se!

Muito ajuda quem não atrapalha

Deve-se estar atento e estender a mão para aqueles que apresentam sinais de necessidade de ajuda


17/09/2021 06:00

None
(foto: Adrian Swancar/Unsplash)

Na última semana, falamos aqui de um tema importante: a conscientização promovida pelas campanhas de cores do calendário. No Setembro Amarelo, nossas ações e conversas se voltam para a prevenção do suicídio e não tem como falarmos disso sem discutir os cuidados com a saúde mental. Conhece alguém que precisa de um apoio? Sabe como dar suporte? Gosto de dizer que muito ajuda quem não atrapalha, porque muitas vezes o "empurrãozinho" do colega, amigo ou familiar pode acabar prejudicando.

Vamos a alguns esclarecimentos necessários:

O que o comprometimento da saúde mental não é?


Pouca fé
Falta de Deus
Preguiça
Falta de força de vontade
Oportunismo

As doenças mentais comprometem muito a funcionalidade do paciente, mas "Dr. Erickson o que isso quer dizer?" Faça um exercício de reflexão sobre a doença que muitas vezes suga a energia do indivíduo e o impede de realizar atividades simples da rotina. Quanto maior o comprometimento, maior será a dificuldade em desempenhar atividades cada vez mais simples.

Devemos buscar na vida ciclos virtuosos e o adoecimento mental muitas vezes proporciona um ciclo vicioso, danoso e as coisas da vida caminham para piorar cada vez mais. O humor, alegria, comportamento, trabalho, autocuidado, estudos e sono pioram a qualidade de vida e rotina vertiginosamente.

Há um caminho que dá certo! A busca de ajuda profissional, o apoio de familiares e do ciclo de amizades e convívio. Podemos observar também que, ao melhorar alguns pontos do dia a dia, podemos iniciar o desejado ciclo virtuoso.

Lembre-se: você não precisa dar conta, você pode dar conta!

Para muitas doenças, vamos entender como ela evolui e, muitas vezes, não vamos entender os porquês. A busca dos porquês não gera tantos frutos como um leigo imagina. Quase ninguém faz essas perguntas aos diabéticos, hipertensos, amputados e outras diversas doenças, não é mesmo?

Devemos estar atentos e estender a mão para aqueles que apresentam sinais de necessidade de ajuda.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade