Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas DAD SQUARISI

Anitta ganhou estátua. Artistas fizeram a estátua?

Não. Esculpiram. Trata-se de obra hiper-realista no museu Madame Tussauds, de Nova York


05/06/2022 04:00 - atualizado 05/06/2022 08:03

Escultura da Anitta e Anitta no museu de nova york
(foto: Madame Tussauds/Divulgação)

Anitta ganhou estátua em museu de Nova York. Trata-se de obra hiper-realista. A escultura se confunde com a modelo. Os artistas fizeram a estátua? Não. Esculpiram.

Bem-vindo, junho
Você sabe por que junho se chama junho? A resposta está na mitologia grega. O sexto mês do ano homenageia Juno, moradora pra lá de privilegiada do céu dos gregos. Ela se casou com Zeus, o deus dos deuses. No Olimpo, senta-se ao lado dele. Sempre que pode, acompanha o marido nas idas e vindas mundo afora. Juno sabe das coisas. Sabe que ele não é flor que se cheire. Engana-a a torto e a direito. Ao ver um rabo de saia, arranja um jeitinho de distrair a mulher. E, livre, cai na gandaia. Quando ela descobre, vinga-se sem piedade.

Uma das vítimas foi Hércules. Ele era filho de Zeus com Alkmena. Como desforra pela traição, ela mandou serpentes sufocar o bebê no berço. Não conseguiu. Mais tarde fez o garoto ficar louco. Ele, então, matou os próprios filhos. Como castigo, teve de enfrentar 12 senhores desafios. Foram os 12 trabalhos de Hércules. Outra vítima foi Eco. A moça distraía Juno pra Zeus namorar. Quando a mulher descobriu a jogada, foi um deus nos acuda. Transformou a voz de Eco em eco. Hoje, quando a coitada fala, só se ouve a última sílaba da palavra.

Protetora
Por defender o casamento com unhas e dentes, Juno se tornou a protetora dos casais. Os homens, então, lhe fizeram uma homenagem. Deram-lhe de presente o sexto mês do ano. Para lembrar Juno, junho se chama junho.

Pequenino
Nome de mês se grafa com inicial minúscula: janeiro, fevereiro, março, abril. E por aí vai.

Grandão
Nome de mês em datas comemorativas se escreve com inicial grandona: 7 de Setembro, 1º de Maio.

Ter cuidado com o texto é...
Não misturar o já com o mais. Nas indicações temporais, onde couber já, o mais não tem vez: Quando os médicos chegaram, Maria já não respirava (não: ...não respirava mais). Quando mandou o namorado passear, já não o amava (não: ... não o amava mais).

Redundância
“PSDB adia para depois reunião para confirmar o apoio a Simone Tebet”, disse o repórter. Baita redundância. Adiar é sempre pra depois. Basta adiar: PSDB adia reunião para confirmar o apoio a Simone Tebet.

De enxurradas e enchentes
O que é certo no Brasil? As chuvas. Apesar da certeza, sai ano, entra ano, as águas nos pegam desprevenidos. Há pouco, foi a vez do Rio. Agora, de Pernambuco. Com as tempestades, duas palavras voltam às manchetes. Uma: enxurrada. A outra: enchente. Pinta, então, a pergunta: por que uma se grafa com x e a outra com ch? A questão procede. É que, depois de en-, o x pede passagem: enxada, enxofre, enxoval, enxugar, enxergar, enxaqueca, enxurrada. E por aí vai. Enchente joga em outro time. Faz parte da equipe que mantém a família acima de tudo. Derivada de cheio, conserva o ch: cheio, encher, enchente.

Vale lembrar
Na pronúncia, as duas letrinhas do en- formam ditongo (ein). Por isso, a regra se amplia. Depois de ditongo, o x ganha banda de música e tapete vermelho: coisa, caixa, baixa, faixa, ameixa, deixar, feixe, gueixa, paixão, caixão, peixe, queixa, Teixeira.

Leitor pergunta
Qual o pronome correto – eu o agradeço ou eu lhe agradeço?
•  Sebastião Souza, Erechim

Quem agradece agradece a alguém por alguma coisa: Agradeço a Deus. Agradecemos aos amigos. Agradeço ao diretor pela promoção recebida.
Na substituição do alguém pelo pronome, é a vez do lhe: Agradeço-lhes pela colaboração. Quero agradecer-lhes pela lembrança. Quem lhe agradece primeiro?

Recado
“Quando morrem, os escritores se transformam nos seus livros. O que, pensando bem, não deixa de ser uma forma interessante de reencarnação.”
Jorge Luis Borges

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade