Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

A gafe de Paulo Guedes

Ministro da Economia chamou servidores públicos de parasitas. ''Foi uma gafe'', disse a turma do abafa. A palavra suscitou perplexidade. Desrespeitar trabalhadores é gafe? Qual o significado da criatura? E a origem?


postado em 12/02/2020 04:00 / atualizado em 11/02/2020 17:27

Recado

“Quem não lê, mal fala, mal ouve, mal vê.”

Monteiro Lobato

(foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
(foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Cala-te, boca

Quem diz o que quer sofre o que não quer. O ministro da Economia serve de exemplo. Paulo Guedes chamou os servidores públicos de parasitas. Englobou gregos e troianos: os professores, que educam as crianças; os médicos, que salvam vidas; os próprios assessores, que o ajudam na árdua tarefa de recolocar o país nos trilhos do desenvolvimento. A resposta veio rápida. Categorias preparam contra-ataque. Entre as medidas anunciadas, ações judiciais e manifestações de rua. “Foi uma gafe”, disse a turma do abafa. A palavra suscitou perplexidade. Desrespeitar trabalhadores é gafe? Qual o significado da criatura? E a origem? Vocábulos ligados à etiqueta em geral vêm do francês. Nos convites, aparece RSVP. Na língua de Victor Hugo, as quatro letrinhas querem dizer répondez s’il vous plaît. Na nossa, favor confirmar a presença. Gafe também vem de lá. Significa ação ou palavra desastrada, indiscrição involuntária. Em bom português: mancada.

Um lá, outro cá

A gafe ensina uma lição gramatical. Contra-ataque pede hífen pela mesma razão que anti-imperialismo, super-região, micro-ondas, sub-bloco & cia. O encontro de letras iguais dá curto-circuito. Pra evitar acidentes, convoca-se o tracinho. Com ele, fica um lá e outro cá.

Sem privilégio

“Ex-capitão do Bope próximo dos Bolsonaro morre após confronto com a polícia na Bahia”, escreveu o jornal de segunda. Cochilou. Esqueceu que nome próprio tem plural. Na dúvida, basta lembrar Os Maias, clássico da literatura portuguesa: os Marotas, os Silvas, os Mouras, os Castros, os Bolsonaros.

Santa Bárbara!

O que é certo no Brasil? As chuvas. Mas, apesar da certeza, sai ano, entra ano, as águas nos pegam desprevenidos. Há pouco, foi a vez de Minas Gerais. Agora, do Rio e de São Paulo. Com as tempestades, duas palavras voltam às manchetes. Uma: enxurrada. A outra: enchente. Pinta, então, a pergunta: por que uma se grafa com x e a outra com ch?

A questão procede. É que, depois de en-, o x pede passagem: enxada, enxofre, enxoval, enxugar, enxergar, enxaqueca, enxurrada. E por aí vai.

Enchente joga em outro time. Faz parte da equipe que mantém a família acima de tudo. Derivada de cheio, conserva o ch: cheio, encher, enchente.

Vale lembrar

Na pronúncia, as duas letrinhas do en- formam ditongo (ein). Por isso, a regra se amplia. Depois de ditongo, o x ganha banda de música e tapete vermelho: caixa, baixa, faixa, ameixa, deixar, feixe, gueixa, paixão, caixão, peixe, queixa, Teixeira.

Sem rumo

“Chegam hoje em Anápolis os aviões com brasileiros repatriados da China”, escreveu o site do jornal. Ops! Tropeçou na língua. Bateu sem piedade na regência do verbo. Aviões chegam a algum lugar: Chegam hoje a Anápolis os aviões com brasileiros repatriados da China. O navio chegou a Santos. O presidente chegou a Brasília. A repórter chega ao gabinete do ministro.

Por enquanto

O juiz rejeitou a denúncia contra Glenn Greenwald no caso das interceptações telefônicas de autoridades. Entre elas, do então juiz Sérgio Moro. Mas a decisão não é definitiva. Na sentença, Sua Excelência disse que o faz “por ora”. Leitores perguntaram se não seria “por hora”.

Não. As duas soam do mesmo jeitinho, mas têm significados diferentes:

Por ora = por agora: Gosta de mudar de emprego. Por ora, trabalha na construção civil.

Por hora = a cada 60 minutos: A velocidade da via é de 60km por hora.

Erramos

Na nota “Que preguiça”, publicada na edição de domingo, ocorreu um erro. Onde se lê cinematográfico, leia-se cinematógrafo.

Leitor pergunta

O suicídio tem destaque com o elevado número de pessoas que, em desespero, tomam essa decisão. Cabe uma indagação: a pessoa suicidou ou se suicidou?

Uriel Villas Boas, São Paulo

Acredite. Não existe o verbo suicidar. Só existe suicidar-se. O dicionário, que sabe tudo, só registra a forma pronominal (suicidar-se). Por isso, diga, sem medo de errar: A pessoa se suicidou.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade