Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Vossas excelências não gostam de vocês


postado em 10/11/2019 04:00 / atualizado em 08/11/2019 15:56

A sessão corria solta no STF. De repente, o advogado Renato Nunes disse que "o pedido de justiça que estou fazendo aqui para vocês, excelências, nunca foi tão eloquente”. Marco Aurélio Mello empinou-se. “Para vocês?”, perguntou. O advogado ficou confuso. O ministro explicou que se referia à forma de tratamento.

Recado
“A gramática precisa apanhar todos os dias para saber quem é que manda.”

Luis Fernando Verissimo

Do baú real
Dizem que tudo começou no século 12. Exatamente em 1143, quando Portugal se tornou reino independente. Afonso Henriques, o primeiro rei, deu início à história. Sentia-se tão poderoso que dizia “Deus sou eu”. Era proibido dirigir-se a ele. Quem ousasse perdia a cabeça. Daí, bem antes da guilhotina, surgiu o verbo decapitar, que significa cortar a cabeça. Que medão!

Enrascada
Como fazer? Se no auge da paixão a amada dissesse ao monarca “te amo”, a cabeça dela rolava. Se o médico perguntasse ao soberano o que estava sentindo, não recebia resposta. A degola vinha antes. O que fazer? O Conselho de Sábios se reuniu. Nasceu aí o jeitinho brasileiro. A mágica era esta: ninguém falaria ao rei, mas à majestade do rei. Chamá-lo-iam de Vossa Majestade. As pessoas se dirigiam ao rei sem se dirigir a ele. O coroado ficou feliz. Os bajuladores, que existiam desde então, começaram a inventar pronomes. Dirigiam-se à excelência do rei, à magnificência do rei, à senhoria do rei. E por aí vai. Os nobres, invejosos, reivindicaram privilégios semelhantes. O clero também. Generoso, o rei se satisfez com a majestade. Os outros que se entendessem com a partilha dos demais.

Partilha
Oba! Príncipes ficaram com alteza. Reitores, com magnificência. Cardeais, com eminência. Sacerdotes em geral, com reverendíssima. Altas autoridades do Estado, com excelência. Funcionários públicos, com senhoria. E o papa? O pontífice contentou-se com santidade.

Concordância
“Vossa Majestade é divino. Sou sua devota”, dizia a futura rainha. Reparou? A namorada sabida fazia a concordância como manda a gramática. Ela se dirigia à majestade do amado. Por isso o verbo (é) e o pronome (sua) estão na 3ª pessoa. Vossa Excelência, Vossa Senhoria & cia. exibida jogam no mesmo time.

Pessoa
Vossa Excelência ou Sua excelência? Depende. Vossa Excelência é o ser com quem se fala. Sua Excelência, de quem se fala: Cumprimento Vossa Excelência pelo belo gesto. O advogado dirigiu-se à Sua Excelência com o respeito habitual.

Jeitinho
E o adjetivo? Não deveria concordar com majestade, substantivo feminino? Sim. Mas quem ousaria chamar o rei, tão machão, de divina? Deu-se outro jeito. Criou-se a silepse, figura que permite seja feita a concordância com a ideia, não com a palavra. O adjetivo concorda com o sexo da pessoa, não com o substantivo: Sua Majestade, a rainha Elizabeth, é amada pelo povo. Sua Majestade, o rei Gustavo, também é amado.

Bolsonaro
É excelência pra cá. Magnificência pra lá. Eminência pracolá. Eta coisa velha! O mofo centenário incomodou o presidente. Sua Excelência usou a caneta Bic e pôs fim aos salamaleques. Acabou com o tratamento cerimonioso a autoridades. Excelências & cias. entram na vala comum. Viram senhor e senhora. Como diz a Constituição, todos são iguais perante a lei. Mas a iniciativa só vale para o Executivo. Legislativo e Judiciário não estão nem aí. O tempo passou na janela, só Carolina não viu.

Leitor pergunta
Li esta frase no jornal: “A extrema direita saiu detrás do muro". Fiquei na dúvida. De trás ou detrás?
 João Maria Madeira Basto, Brasília

Os dicionários tanto brasileiros quanto portugueses registram detrás e atrás sempre coladinhos: Tempos atrás, conheci imigrantes de diferentes nacionalidades. Correr atrás do prejuízo? Nãooooooooo. Melhor correr do prejuízo. Detrás de meu prédio, há um shopping center. Primeiro veio a rainha, e, detrás, o rei. As demais preposições vêm separadas — uma lá e outra cá. Assim: Correu muito, mas ficou para trás. Saiu por trás do muro sem ser percebido.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade