Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas 'PAPÉIS DE GÊNERO'

A incompreensão sobre o feminismo é um projeto

Da igreja aos filmes de Hollywood, há um imenso aparato cultural que nos diz o que é ''coisa de homem'' e o que é ''coisa de mulher''


'Desmistificar o feminismo é revolucionário'(foto: Charly Gutmann / Pixabay )
'Desmistificar o feminismo é revolucionário' (foto: Charly Gutmann / Pixabay )

Certamente você já ouviu falar que feministas são mulheres raivosas, radicais, que odeiam os homens e que querem acabar com a família. Eu sinto muito em dizer que você foi enganado.

O mundo em que vivemos se sustenta em alguns pilares e o machismo é um deles. O capitalismo é fundamentado na divisão social do trabalho. É esse conceito que representa aquela ideia tão arraigada entre nós de que o cuidado com a casa e com os filhos é um trabalho “naturalmente” feminino e que todas as atividades ligadas à força e à razão seriam “naturalmente” masculinas. 

A única coisa que há de natural nisso tudo é o interesse das classes dominantes em manter as estruturas de poder na sociedade. É vital para o capitalismo socializar homens e mulheres desde o seu nascimento para aceitar pensamentos e ações sexistas. Desse modo, enquanto os homens produzem, as mulheres procriam para colocar novos trabalhadores para produzir mais e, assim, manter a engrenagem.

O que o feminismo propõe é uma ruptura com essa lógica opressora e o fim da exploração sexista. Como afirma Bell Hooks (2018)*, “o movimento não é anti-homem, é anti-sexismo”. A discriminação de gênero (que é o sinônimo de sexismo) pode ser entendida como o preconceito baseado no gênero de uma pessoa. Eu gosto de ampliar ainda mais essa noção e entender que o sexismo tem uma ligação direta com os papéis de gênero.

Da igreja aos filmes de Hollywood, há um imenso aparato cultural que nos diz o que é “coisa de homem” e o que é “coisa de mulher”. Não tem como escapar, todos nós somos atravessados por ideias como: mulheres devem ser boas e servir; homens não levam desaforo para casa e nem podem chorar. Essa definição de comportamentos que devem ser performados por cada um dos gêneros encontra na divisão social do trabalho sua razão de existir. É por isso que você foi enganado em relação ao feminismo.

O feminismo propõe uma nova estrutura de sociedade baseada na igualdade. O movimento não propõe apenas que homens e mulheres ganhem os mesmos salários, ou que as mulheres tenham mais representatividade política. O feminismo propõe uma revisão de toda organização social e é exatamente por isso que ele é ameaçador.

A incompreensão sobre o feminismo é um projeto. Como a maior parte de nós aprende sobre o feminismo na mídia de massa, o conceito de feminismo ainda está ligado ao medo e à fantasia. Não é de se estranhar que 56% das mulheres brasileiras com 16 anos ou mais não queiram se associar ao movimento, segundo pesquisa publicada pelo Datafolha em abril de 2019. Nós mulheres somos tão socializadas a aceitar e reproduzir o sexismo quanto os homens. A diferença está apenas no fato de que os homens se beneficiam um pouco mais do machismo.

Contrariando o projeto de manutenção da ordem, homens e mulheres começaram a entender a mutualidade e a interdependência que existe entre nós. Estamos descobrindo juntos um caminho de liberdade para desconstruir os papéis de gênero e acabar com a dominação sexista. 

Desmistificar o feminismo é revolucionário.

* hooks, bell. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2018

Quer comentar a coluna, tirar dúvidas ou sugerir temas? Envie email para professoraclarat@gmail.com

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade