Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas RASGANDO O VERBO

A língua portuguesa nestes tempos de pandemia

Estamos às voltas com álcoois em gel, quarentena de muito mais de 40 dias e coronavírus, vindo do inglês e do latim


postado em 23/03/2020 04:00

Terminei o último artigo com a seguinte indagação: novo lançamento é pleonasmo? Bem, a primeira coisa a se fazer é procurar o significado da palavra lançamento nos dicionários: “Colocação no mercado de um novo produto”. Daí, facilmente, percebe-se que o vocábulo em questão já carrega a ideia (sem acento, por favor) de novidade. Bingo! Novo lançamento é pleonasmo. Nã-nã-ni-nã-não, apressado leitor.

Para chegarmos a uma conclusão embasada, depois da consulta ao Pai dos Burros, deveremos analisar a expressão a partir do contexto em que foi empregada. Por exemplo: se, no ato da fala, o indivíduo dissesse que tem lançado vários produtos, mas que o novo lançamento supera os recentes, não haveria pleonasmo, uma vez que, no contexto, haveria outros “novos lançamentos”, o que eliminaria a noção de que teria ocorrido uma repetição desnecessária. Todavia, se alguém soltasse um “novo lançamento” sem a existência contextual de outros novos lançamentos, teríamos, indubitavelmente, um senhor pleonasmo. Entendeu?

Aliás, por falar em contexto, vale a pena esclarecer algumas dúvidas inerentes ao período que estamos vivendo. Vamos lá: a palavra quarentena, que, originariamente, designava um período de quarenta dias em isolamento, hoje diz respeito a qualquer tempo de isolamento em razão de possíveis doenças contagiosas. Dez dias afastado para evitar a propagação do coronavírus? Você está de quarentena, sim, senhor. E haja álcoois em gel (sim, o correto é álcool em gel, cujo plural é álcoois em gel) para suportar a nossa neurose coletiva. Meu deus! Sobre a grafia de coronavírus, trata-se do aportuguesamento do inglês coronavirus. Corona vem do latim e significa coroa. Vírus também é termo latino. Será que os cientistas acham esse vírus parecido com uma coroa? Ops! Nem pense em fazer piada com “vírus dos coroas” ou com coisa do gênero. As pessoas andam muito intolerantes ao humor.

Enfim, tudo é contexto. Para uma expressão ser considerada um pleonasmo, depende do contexto. Para um vocábulo mudar de significado, depende do contexto. Para uma nova palavra surgir, depende do contexto. Para uma piada ter graça, depende do contexto. Quarentena, álcoois em gel, coronavírus... O mundo foi coroado por uma nova doença, que, absoluta, reina. Enquanto não encararmos de frente esse problema, ele permanecerá. Vixe... E encarar de frente? É pleonasmo? Verifique você. Eu acabei de lhe ensinar.


Publicidade