Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas CARLOS STARLING

Humor em tempos de COVID: vacina contra depressão e sofrimento inútil

Rir da própria desgraça torna a realidade mais leve e palatável


postado em 09/05/2020 06:00 / atualizado em 14/05/2020 14:59

Palhaços no México usam máscaras para reivindicar direito de trabalhar (foto: PEDRO PARDO / AFP)
Palhaços no México usam máscaras para reivindicar direito de trabalhar (foto: PEDRO PARDO / AFP)

Há poucos dias propus ao nosso tradicional e altamente ativo grupo de discussões da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI)  a criação de um novo subgrupo de WhatsApp. O motivo era a mistura de piadas com o último trabalho publicado pela conceituada revista Nature.
 
O humor corrompe e deteriora o mais hermético dos grupos de WhatsApp.

Assim, foi criado um grupo só para piadas, poesias e curiosidades. O outro grupo simplesmente continuou. Não temos estatística de qual dos dois tem sido mais frequentado, mas não temos dúvida de qual é mais divertido!

Quem pensa que cientista não se cansa está enganado. Sem diversão, não há criação. Cara fechada não cria nada além de azia, má digestão e placa nas coronárias. A ciência exige alegria e bom humor. Caso contrário, se torna cansativa e burocrática como qualquer outra atividade que sonha com o” happy hour”.

Neste grupo alternativo, pérolas do humor vão surgindo aos montes a cada minuto. Uma necessidade quase que fisiológica: Rir para não chorar.

Entre as pérolas do humor, a origem: 

- E no silêncio da noite, me pego pensando... pensando...
... custava ter fervido o morcego?!

Certamente, uma pergunta-chave que evitaria esta catástrofe mundial. Uma lição clara de prudência sanitária. Antes de comer qualquer coisa, pense muito bem se esse ato não virará o planeta de pernas para o ar. Se não pensar, pelo menos ferva!

Outra pérola: Conversei hoje com um amigo engenheiro graduado pelo ITA, mestrado em Stanford, doutorado em Harvard, pós-doutorado no MIT, e perguntei o que ele estava fazendo na quarentena e ele me respondeu: “Estou fazendo um trabalho sobre Tratamento Hidrotérmico de Cerâmica, Vidro e Metais num ambiente de Tensão”.

Fiquei muito impressionado e pedi mais detalhes para entender. Então, ele me explicou que estava lavando louça com água quente, sob a supervisão da esposa.

Reflexos do isolamento social em casal. Tem gente que depois da lua de mel, jamais tinha passado tanto tempo com a mesma esposa. Precisou de um vírus para consumar o casamento.

Entretanto, o juramento estabelecia parceria na saúde e na doença, nada foi dito sobre quarentena. Trata-se de séria questão jurídica sobre a qual advogados perderão o próximo século discutindo.

Os criadores de tratamento são impagáveis: se juntarmos os anticorpos do Silvio Santos, Roberto Carlos, Mick Jagger e da Rainha Elisabeth, a vacina está pronta.

Aliás, a Rainha Elisabeth tem sido a personagem-chave para justificar a devolução dos testes sorológicos pela Inglaterra á China.

Segundo as Fake News mais confiáveis, o teste para corona feito na rainha deu que ela estava grávida. Um escândalo no reino! Sutileza para se pensar duas vezes antes de submeter a população a testes feitos às pressas por empresas de fundo de quintal e executados por balconistas de farmácia, sem qualquer controle de qualidade e segurança.

Uma estratégia clínica cada vez mais confirmada por estudos científicos para diagnóstico da COVID-19, foi valorizada e adotada pela prefeitura de Cametá: coloque no centro da mesa um cupuaçu aberto, ou uma manta de pirarucu seco, se não sentir o cheiro, corre para a UPA que tá pegando. 

Criatividade e sabedoria popular que valoriza talvez uma das mais marcantes e sutis características clínicas desta doença: a perda do olfato e do paladar. Aliás, tenho usado um slide que copiei do meu colega Unaí Tupinambas, extraído da obra prima de Guimarães Rosa. Trata-se de uma fala do personagem Riobaldo: Não sei de nada, mas desconfio de muita coisa...

Diante de tantas incertezas, Riobaldo nunca esteve tão certo. Desconfio também que fizemos uma das descobertas mais importantes da história da humanidade: a morte não tem cheiro e nem gosto, é insossa...

Preocupado com os feriados perdidos, há quem pergunte: Alguém sabe informar se irão repor esses feriados que estamos perdendo!?!

No meio de todas estas doses profiláticas de humor, surgem citações sábias, como esta, atribuída a Ralph A. Emerson: Uma redefinição de Sucesso - Rir muito e com frequência; ganhar o respeito de pessoas inteligentes e o afeto das crianças; merecer a consideração de críticos honestos e suportar a traição de falsos amigos; apreciar a beleza, encontrar o melhor nos outros; deixar o mundo um pouco melhor, seja por uma saudável criança, um canteiro de jardim ou uma redimida condição social; saber que pelo menos uma vida respirou melhor porque você viveu. Isto é ter sucesso.

E assim, o humor criativo do mundo, particularmente do brasileiro, vai driblando a epidemia e as incertezas.

Rir da própria desgraça torna a realidade mais leve e palatável. O humor é a vacina contra a depressão e o sofrimento inútil. O universo morre de rir da nossa tristeza. Portanto, vamos continuar vivendo de rir.

Antídoto poderoso contra o sofrimento e a negação da nossa temporalidade. Somos o que somos: humor, humores, rumores e pó.

Continuemos em busca da criatividade e da felicidade possível nos momentos mais tensos e dramáticos da nossa profissão e curta existência. O humor é o amor epidêmico que surge no caos nosso de cada dia. Vida na essência...

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade