Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas coluna

O país do futebol

A culpa nunca é da vítima! A culpa não é do movimento feminista! A culpa é de quem comete o crime. A culpa é de quem minimiza o ato


(foto: Depositphotos)
(foto: Depositphotos)

Ele se arrepende de ter traído a esposa, mas não se arrepende de um pecado maior, o estupro. Ela perdoou a traição e ignorou o crime. Ele estuprou outra mulher, não tem perdão.

O jogador, o marido, o estuprador não são três pessoas diferentes, é uma pessoa só. Uma pessoa que cometeu um crime e deve pagar por ele.


O problema é o movimento feminista que não aceita o estupro! Sexo sem consentimento com uma mulher inconsciente, pode! Ou seja, estupro pode! O problema é o movimento feminista. Pedala! A culpa nunca é da vítima!

“É melhor calar-se e deixar que as pessoas pensem que você é um idiota do que falar e acabar com a dúvida.” Maurice Switzer, Mrs. Goose, her Book. 1907

Há anos desanimei do futebol. Não por causa do esporte, ou da alegria de um gol. Foi por causa do machismo. Os gritos contra os adversários insistindo em ofender as mulheres. A torcida que chama os adversários de Maria. Maria, para os cristãos, mãe de Jesus. Maria vira ofensa. Xingamento machista e homofóbico, querendo dizer que os adversários são “mulherzinha”.

Para revidar o outro grita sei lá o quê. Não estou falando de palavrão, sem puritanismos por favor. O assunto é a misoginia. E vem piorando, ou talvez, esteja igual, mas agora as feministas não deixam passar.

Eu não teria palavras melhores que as da minha amiga Odette Castro:

“O Brasil nunca esteve tão alinhado com o futebol como agora.

Um goleiro que impede o gol é aplaudido e continua um líder, mesmo assassinando uma mulher, e escondendo o corpo.

O outro faz coisa errada no Paraguai, passam pano e jogam a culpa no irmão. É aplaudido no aeroporto quando volta ao país.

Uma turma de safados rouba tanto que acaba com um time tradicional de Minas e os rivais não se indignam com a corrupção. Estão mais preocupados em chutar cachorro morto.

Estupro? Culpa das mulheres!

Pedala!

Quando a assunto é futebol, a grande maioria dos torcedores, incluindo mulheres, prefere fazer vista grossa e se curvar frente a um gol.”

Saudade do que a gente não viveu!

Não tente nos calar! Somos muitas. Se uma é silenciada, outra grita! Pelas que vieram antes de nós e pelas futuras gerações, não me calo! Não nos calaremos. Não culpe o feminismo que não engole seu machismo. Feminismo que não se cala diante de estupro, de feminicídio. Não somos objetos, nem somos descartáveis.

O país do futebol ainda tem muita coisa que vale a pena, temos Marta. Mulher. Jogadora. Usa o esporte como ferramenta para alcançar a igualdade de gênero. Que faz gol e faz discurso. Que brilha e nos representa. Só com muitas Martas para o futebol não dar perda total! Nos resta entender para quem vale a pena torcer.

Evite que estupradores fiquem impunes. Evite que homens façam sexo com mulheres inconscientes sem medo das consequências. A culpa nunca é da vítima! A culpa não é do movimento feminista! A culpa é de quem comete o crime. A culpa é de quem minimiza o ato. A culpa é de quem não se importa com os fatos.

Não se cale!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade