Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas EM DIA COM A POLÍTICA

Biden alerta Vladimir Putin para consequências do uso de armas nucleares

"A reação do Ocidente é absolutamente desproporcional", disse a embaixadora Lyudmila Vorobieva em entrevista coletiva


25/03/2022 04:00 - atualizado 25/03/2022 07:21

Joe Biden
Biden diz que a Rússia fracassou na tentativa de dividir os países ocidentais (foto: LUDOVIC MARIN/AFP)

 

O presidente norte-americano, o democrata Joe Biden, deixou claro, ontem, que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) responderia se o presidente russo, Vladimir Putin, usar armas químicas na guerra na Ucrânia. “Responderemos se as utilizar. A natureza da resposta dependerá da natureza do uso”, advertiu Biden, depois de participar, ontem, de uma cúpula da Otan em Bruxelas, a capital da Bélgica.

 

O presidente Joe Biden também fez questão de deixar bem claro que a Rússia fracassou na tentativa de dividir os países ocidentais e que, desde a invasão da Ucrânia, a aliança militar está “mais unida do que nunca”.

 

O norte-americano também se disse favorável à exclusão da Rússia do G-20, embora tenha destacado que a decisão dependeria do conjunto de membros desta instância de coordenação entre potências industrializadas e emergentes.

 

Para lembrar, o G-20 é um grupo formado pelos ministros de finanças e chefes dos bancos centrais das 19 maiores economias do mundo, além da União Europeia.

 

De volta ao presidente russo, ele pretende participar da cúpula do G-20, sediada pela Indonésia, planejada para outubro e novembro deste ano, disse a embaixadora da Rússia em Jacarta, na quarta-feira, depois dos pedidos de alguns integrantes do G20 para que o país seja barrado. “Não apenas o G-20, muitas organizações estão tentando expulsar a Rússia. A reação do Ocidente é absolutamente desproporcional”, disse a embaixadora Lyudmila Vorobieva em entrevista coletiva.

 

Há poucos dias, o chanceler russo Sergey Lavrov ainda fez questão de publicar foto na qual ele aparece ao lado dos embaixadores de Brasil, China, Índia e África do Sul. Para Moscou, a imagem serviria para mostrar que o governo de Vladimir Putin não está tão isolado assim como pretendem os norte-americanos e os europeus desejam.

 

Chega de risco da guerra. Melhor voltar ao Brasil, mais precisamente a Minas Gerais. E quem vem é o senador Alexandre Silveira (PSD-MG), que apresentou, ontem, projeto de lei para que a população possa deduzir os valores gastos com aluguel de imóveis residenciais no Imposto de Renda durante os próximos cinco anos.

 

A proposta ainda prevê que os proprietários dos imóveis terão direito a uma isenção de 75% do que pagam atualmente sobre a renda recebida por esses aluguéis. Isso significa que o Imposto de Renda não incidirá sobre um percentual importante desses rendimentos, diminuindo o imposto devido.

 

Mas preste atenção. O projeto dobra a multa para quem não pagar ou não declarar o imposto sobre essa renda.

 

Dez famílias

Que o povo brasileiro tem fama de solidário, ninguém duvida. A novidade envolve os ucranianos que conseguiram fugir dos ataques da Rússia. Entre 5 e 6 abril, um avião fretado pela igrejas evangélicas de Minas Gerais desembarca no Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, trazendo da Polônia 50 famílias refugiadas. A Igreja Batista Central, do Bairro Luxemburgo, em Belo Horizonte, sob o comando do pastor Paulo Mazoni, ficará com 10 famílias, o que inclui mulheres, seus filhos e netos, já que os homens ficaram ajudando o Exército do país.

 

A ajuda virá

Outras 40 famílias serão recebidas pela igreja evangélica das cidades da região metropolitana. Ficou definido que as igrejas vão disponibilizar moradias para cada uma das famílias, com alimentação, educação e ainda um auxílio econômico. O deputado João Leite (PSDB), integrante da Igreja Batista há 42 anos, garantiu que todo o processo de acolhimento dos ucranianos não contou com nenhum investimento público. “Temos muito mais com isto. É o amor.”

 

A cobrança

Sobre a novela envolvendo Petrópolis, moradoras da região serrana do Rio de Janeiro cobraram, ontem, a reconstrução das casas destruídas pelas chuvas, que mataram 233 pessoas e deixaram mais de 600 desabrigados, em janeiro, em Petrópolis. Elas participaram de audiência da comissão temporária externa do Senado Federal que acompanha a situação do município fluminense. O relator da comissão é o senador Carlos Portinho (PL-RJ). Ele pediu o apoio do governo federal para a superação do déficit habitacional na região, que supera as seis mil unidades habitacionais.

 

Ajuda aos aliados

“Permanecemos unidos e decididos em nossa determinação de nos opor à agressão russa, ajudar o governo e o povo da Ucrânia e defender a segurança de todos os aliados.” Começou assim o comunicado dos líderes da aliança militar do Ocidente, que se reuniram, ontem, em Bruxelas. Depois do encontro, ficou definido que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) vai aumentar o número de tropas em países ao Leste da aliança, mais especificamente na Eslováquia, Romênia, Bulgária e Hungria. Líderes da Otan seguem contra uma intervenção direta no conflito.

 

Paz duradoura

Durante a retomada da sessão emergencial da Assembleia-Geral da ONU, ontem, o embaixador brasileiro, João Genésio de Almeida Filho, disse que o Brasil está preocupado com o efeito da guerra na Ucrânia “nos mais vulneráveis”. Ele também pediu que outros países apoiem tanto as pessoas em território ucraniano quanto os refugiados. E ressaltou Almeida Filho: “Os civis devem ser poupados, os feridos devem receber cuidados médicos, a assistência humanitária deve chegar aos necessitados e os detidos devem ser tratados com humanidade em todas as circunstâncias”.

 

PINGA FOGO

 

  • Em tempo, sobre a nota A cobrança: a vontade é tirar o paletó, pegar o tijolo, o cimento e começar a construir. Mas a região serrana precisa do governo federal. O que é necessário é anunciar onde e quantas unidades serão construídas para suprir esse déficit. E indagou: “Onde, como e quando?”.
  • Mais um Em tempo, sobre a nota Ajuda aos aliados: os líderes da Otan seguem pela não intervenção no conflito, aumentar a tensão e uma guerra de maiores proporções. O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, apelou por uma zona de exclusão aérea para abater aviões russos.
  • Acha pouco, tem mais um Em tempo, sobre a nota Paz duradoura: com 140 votos a favor, 5 contra e 38 abstenções, a comunidade internacional aprovou por esmagadora maioria nova resolução pedida pela Ucrânia. Detalhe: são 3,5 milhões pessoas refugiadas no exterior e metade delas são crianças.
  • Antes de encerrar, quatro ex-ministros do Meio Ambiente se reuniram nessa quinta-feira (24/3) com o presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para discutir a tramitação de projetos com “repercussões no meio ambiente”.
  • Para registro, participaram da reunião de ontem os ex-ministros José Carlos Carvalho, José Sarney Filho, Carlos Minc e Izabella Teixeira. Diante disso, de forma ecológica, é hora de decretar o devido FIM!

 

 
 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade