Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Em dia com a Política

Vitória da democracia, bem longe da ditadura defendida por deputado

Fim da Sessão Extraordinária ao vivo! O placar em defesa da paz e não do ódio foi de 364 votos sim a 130 não. O deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) continua preso


20/02/2021 04:00 - atualizado 20/02/2021 07:12

Relatora do caso Daniel Silveira, a deputada Magda Mofatto (PL-GO) votou pela manutenção da prisão do colega (foto: Luiz Alves/Agência Câmara. Brasil %u2013 13/9/11)
Relatora do caso Daniel Silveira, a deputada Magda Mofatto (PL-GO) votou pela manutenção da prisão do colega (foto: Luiz Alves/Agência Câmara. Brasil %u2013 13/9/11)
A disparada no preço dos combustíveis preocupa o Palácio do Planalto. Leia-se os caminhoneiros. “É isso que queremos... se lá fora aumenta o preço do barril do petróleo e aqui dentro o dólar está alto, sabemos de suas repercussões no preço do combustível, mas isso não vai continuar sendo um segredo de Estado, exijo e cobro transparência de todos aqueles que tenho a responsabilidade de indicar.”
 
“Eu anuncio que teremos mudança, sim, na Petrobras. Jamais vamos interferir nessa grande empresa, na sua política de preço, mas o povo não pode ser surpreendido com certos reajustes.” O fato é que na mira do alvo do Palácio do Planalto estava o agora ex-presidente da Petrobras, o economista Roberto Castello Branco.
 
“Faça-os, mas com previsibilidade, é isso que nós queremos…  se lá fora aumenta o preço do barril do petróleo e aqui dentro o dólar está alto, sabemos de suas repercussões no preço do combustível, mas isso não vai continuar sendo um segredo de Estado.” Começou assim.
 
E teve mais: “Exijo e cobro transparência de todos aqueles que tenho a responsabilidade de indicar”. Tudo isso deixou claro quem manda, o presidente da República Federativa do Brasil, Jair Messias Bolsonaro (sem partido até hoje). Ele estava em Sertânia, que fica em Pernambuco. Como já dito aqui várias vezes, o Nordeste deixou de ser o antigo feudo petista. Foi desapropriado.
 
Melhor tratar de outra notícia do dia. Ou melhor, a novela que envolve o deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ) e trouxe o Ato Institucional número 5. Antes da votação, vale o registro feito pelo presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL). Vamos a ele.
 
“Em nome da responsabilidade, o alicerce da democracia, quero anunciar a criação de uma Comissão Extraordinária pluripartidária para propor alterações legislativas para que, nunca mais, Judiciário e Legislativo corram o risco de trincar a relação de altíssimo nível das duas instituições por falta de uma regulação ainda mais clara e específica do artigo 53 da nossa Carta.”
 
“Temos entre nós um deputado que vive a atacar a democracia e as instituições e transformou o exercício do seu mandato em uma plataforma para propagar o discurso do ódio, de ataques a minorias, de defesa dos golpes de Estado e de incitação à violência contra autoridades públicas.” Quem ressaltou foi a deputada Magda Mofatto (PL-GO), relatora do caso do deputado.
 
Fim da sessão extraordinária ao vivo! O placar em defesa da paz e não do ódio foi de 364 votos sim a 130 não. O deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) perdeu e vai continuar na prisão, como havia determinado o Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o AI-5.

Racismo, não!

O Congresso Nacional promulgou, ontem, a Convenção Interamericana contra o Racismo, a Discriminação Racial e Formas Correlatas de Intolerância, aprovada em 2013, na Guatemala, durante a 43ª Sessão Ordinária da Assembleia Geral da Organização dos Estados Americanos. O Decreto Legislativo 1/2021, assinado pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM–MG), foi publicado no Diário Oficial da União (DOU). O texto foi ratificado pela Câmara dos Deputados em dezembro do ano passado, e pelo Senado no início deste mês. Ele será agora submetido ao presidente da República, Jair Bolsonaro, para ratificação por meio de decreto.

Repousando...

“O Sr. vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, foi submetido a um procedimento oftalmológico para remoção de catarata, conforme programação prévia, permanecendo no dia de hoje, leia-se sexta-feira, em repouso por recomendação médica.” Sua assessoria acrescentou que o vice-presidente voltará ao trabalho na segunda-feira. A sua agenda, publicada em 18/2/2021, às 23h, e atualizada ontem às 9h17, informava apenas sem compromissos oficiais. Mourão tem 67 anos e nasceu em Porto Alegre. Então, pode esperar que o gaúcho, tchê! Logo estará na ativa.

Ataque ao STF

A deputada Alê Silva (PSL-MG) foi irônica: “Com todo o respeito aos excelentíssimos, senhores, doutores, salve, salve ministros do Supremo, mas nem saber o nome de quem está sendo julgado é o fim da picada!”. O alvo  foi o presidente da mais alta corte de Justiça do país, o Supremo Tribunal Federal (STF). O deputado Cabo Junio de Amaral (foto) (PSL-MG) foi mais direto no ataque:“Corruptos soltos e Daniel preso. Por isso a gente não consegue tirar nenhum criminoso da corte, nem sequer criar CPMI sobre seus feitos”. Para deixar claro, são ataques a Luiz Fux, o presidente do STF. É pena. Ambos nada entendem do jeito mineiro historicamente de ser na política.

Fala mercado

“Bolsonaro mostra que realmente não entende como as coisas funcionam. Ainda precisamos entender o que significa mudanças na Petrobras. Mas se ele demitir o Castello Branco, será extremamente negativo.” Sob o pedido de não ser identificado, alertou um profissional do mercado financeiro. E não foi só ele. “Reduzir o imposto é bom para a Petrobras e o Bolsonaro reafirmou não interferir, mas fez uma ameaça que não dá para saber. Pode ser que seja só algo para ‘jogar para a torcida’”. E os analistas do Credit Suisse alegaram que, apesar de uma visão construtiva da empresa, a possibilidade de mudanças na Petrobras é negativa. Ficamos assim.

Para lembrar

Quem não conseguiu derrubar o muro foi o deputado federal Carlos Sampaio (PSDB-SP), que no início da semana estava encarregado de ser o relator do colega Daniel Silveira (PSL-RJ). Ele se mostrou surpreso com o afastamento. Ele tinha deixado claro que o caso seria analisado com “a sensatez e o equilíbrio” necessários para uma questão dessa dimensão política e institucional. Ele, do jeito do PSDB, o presidente da Câmara dos Deputados tem a prerrogativa de indicar novo relator. Tradução simultânea: tucanou.

pingafogo


  • Os mineiros: o deputado estadual Coronel Sandro (foto) (PSL) tratou a prisão de Daniel Silveira como um atentado gravíssimo à liberdade de expressão. Ele teria feito apenas “críticas duras e incisivas” ao trabalho do Supremo Tribunal Federal (STF).

  • E teve mais: “Os ministros são servidores públicos e, como tais, são sujeitos ao crivo da avaliação popular e esse crivo nem sempre é agradável”. Os deputados Bartô (Novo), Virgílio Guimarães (PT) e Celise Laviola (MDB) manifestaram concordância com o colega.

  • Em tempo: “Em nome da responsabilidade, o alicerce da democracia, quero anunciar a criação de uma Comissão Extraordinária pluripartidária para propor alterações legislativas para que, nunca mais, Judiciário e Legislativo corram o risco de trincar a relação de altíssimo nível das duas instituições”.

  • Quem alerta é nada menos que o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), ressaltando que “é necessário alterar o atual texto da Carta Magna para evitar que novos desgastes entre os dois poderes – o Supremo e a Câmara dos Deputados, aconteçam”.

  • Que dia, hein? Só resta um caminho. Viva a verdadeira democracia. Bom fim de semana a todos. FIM!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade