Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas EM DIA COM A POLÍTICA

Kalil é o maior campeão de votos desde a redemocratização do País, em 1985

Ele foi reeleito com mais de 63% da preferência de 1,94 milhão de eleitores da capital


16/11/2020 04:00 - atualizado 16/11/2020 09:13


(foto: Gladyston Rodrigues/EM)
(foto: Gladyston Rodrigues/EM)

A goleada das pesquisas foi confirmada nas urnas. O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), foi reeleito. O que o torna o maior campeão de votos recebidos desde a redemocratização do Brasil, em 1985, com mais de 63% da preferência de 1,94 milhão de eleitores da capital.

Enquanto a apuração não teve a rapidez que se esperava, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) confirmou em nota que houve atraso na divulgação dos resultados, mas ressaltou que a contagem está normal. Como é? Que normalidade é essa que atrasa a divulgação?

Deixa para lá, melhor trazer um pouco sobre o dia de ontem.

É quase sempre assim. O Paraná sempre sai na frente na apuração. Ontem não foi diferente. O prefeito de Curitiba, Rafael Greca (DEM), foi considerado reeleito quando faltavam menos de 5% da apuração. Ele já tinha alcançado 59,77% dos votos válidos.

A primeira cidade a ter 100% das urnas apuradas foi Tupiratins (TO).

E teve também a atual prefeita de Palmas, a tucana Cinthia Ribeiro, reeleita. Com 98,73% das urnas apuradas, ela tinha 36,22% a mais do que os votos válidos dados aos demais candidatos. Detalhe: é fonoaudióloga e tem 43 anos. Pelo jeito, vai fazer muito mais na carreira.

Berço do Lula

(foto: Ricardo Stuckert/divulgação)
(foto: Ricardo Stuckert/divulgação)
 
“Cada vez que compareço a uma urna para votar, eu vejo um final feliz, porque votar é um gesto muito grande de conciliação da democracia no nosso país”. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) votou na manhã de domingo em uma escola no Bairro Assunção, em São Bernardo do Campo, seu berço político (foto). E teve o @LulaOficial: “Na hora de votar, não esqueça da máscara e do álcool gel... Eu já passei tanto que perdi até o dedo! Kkkk”.


Falar nisso…

“É simbólico que a eleição de domingo tenha ocorrido no mesmo dia do aniversário da República. O eleitor é responsável pelo que vai acontecer nos próximos quatro anos. Escolha candidatos íntegros e comprometidos com uma gestão honesta e que beneficie a todos, sem discurso de ódio. Vote consciente!”. Quem tuitou foi o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública e ex-juiz federal Sérgio Moro, aquele da Operação Lava-Jato, que condenou o ex-presidente Lula, que, pelo jeito, anda nem aí. Prefere se divertir atualmente.


Pingafogo


» Melhor, então, levantar voo e fazer uma viagem internacional. “Ele venceu porque a eleição foi uma fraude”, escreveu o presidente republicano Donald Trump no Twitter, repetindo alegações infundadas de fraude eleitoral. Cerca de uma hora depois, disse que não estava concedendo a votação de 3 de novembro. Trump abriu uma série de ações judiciais em estados importantes, mas não forneceu nenhuma evidência para apoiar suas alegações de fraude.
 
» Todas as ações judiciais não tiveram êxito até agora. Donald Trump has insisted he is not conceding the USA election. Nem precisa traduzir, a insistência em fingir fala por si. Ah! O “ele” que Trump não citou é o presidente eleito Joe Biden, do Partido Democrata.
 
» Para encerrar, política e religião não se discutem, mas no futebol tem notícia atual. Bem, nem tanto. Como tudo passa por Minas, o técnico Tite, da Seleção Brasileira, convocou o lateral-esquerdo Guilherme Arana, do Clube Atlético Mineiro. O defensor do Galo foi chamado, já que Alex Telles, do Manchester United, segue em quarentena por estar com COVID-19. A pandemia vai desfalcar o líder do Campeonato Brasileiro. E, óbvio, Arana não compareceu às urnas. 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade