Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas EM DIA COM A POLÍTICA

Otimista, Garcia Gasques comemora o aumento do arroz

Garcia Gasques é coordenador-geral de avaliação de política e informação da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura


15/09/2020 04:00 - atualizado 15/09/2020 10:16

Ministro da Economia disse que o fundo para compensar perdas de estados e municípios na Reforma Tributária é
Ministro da Economia disse que o fundo para compensar perdas de estados e municípios na Reforma Tributária é "assalto às futuras gerações" (foto: Reprodução/TV Senado)
 
 
Se precisou reiterar e deixar claro e objetivo, mais uma vez, a criação de um fundo da União para compensar eventuais perdas de arrecadação dos estados e municípios, é praticamente certo que o ministro da Economia, Paulo Guedes, deve tomar mais uma invertida política, o que não tem sido novidade para ele.

Comprar briga com os prefeitos e governadores país afora é sofrer um nocaute nos primeiros rounds. E olha que foi em evento virtual promovido pela Confederação Nacional de Municípios (CNM) sobre a proposta de simplificar a cobrança de tributos no país. E Guedes ressaltou com todas as letras: “A União não pode dar garantias se ela mesma não consegue se garantir. Ela não sabe ainda qual vai ser o desempenho desses impostos”.

E o ministro, que cuida da área econômica, optou por repetir o seu mantra sempre que tem oportunidade em eventos como o da CNM de ontem, ao colocar em cena uma varinha de condão, que os prefeitos devem querer quebrar logo de uma vez.

Melhor Guedes deixar claro: “Aí vem a solução mágica. Ah, não, a União vai fazer um fundo que vai garantir a perda dos municípios. Aí, nós estamos assaltando as futuras gerações”. Parece notícia velha e é mesmo, mas se insistência pouca não basta, ele vai continuar insistindo.

O fato é que uma notícia que vem do mesmo governo federal de Guedes, pelo jeito, é mais otimista que o ministro. O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) deste ano é o maior já obtido na série histórica, aquela que começou lá atrás, em1989.

Feito esse registro, a notícia do dia dia é que ele deve chegar a R$ 771,4 bilhões, aumento de 10,1% em relação ao valor de 2019 (R$ 700,3 bilhões). “Alguns produtos estão obtendo resultados nunca obtidos anteriormente, como a soja, milho, carne bovina, carne suína e ovos”.

Quem garante de forma otimista é José Garcia Gasques, nada menos que o coordenador-geral de avaliação de política e informação da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura. Tomara que ele esteja certo.

Só que sempre tem, óbvio, a má notícia. Também de Garcia Gasques: “Os preços internos, bastante superiores aos do ano passado, e as exportações, de carnes e grãos principalmente para a China, impulsionam o desempenho favorável”.

Para quem, cara-pálida? Vende para os chineses e tira o arroz nosso de cada dia, me poupe! Será que o coordenador não faz compras no supermercado? Chega mesmo.

Rancho fundo

Quem nunca ouviu em vozes consagradas No rancho fundo, a música feita em parceria de Lamartine Babo e Ary Barroso? Basta o trecho: “No rancho fundo, bem pra lá do fim do mundo…” O que tem isso a ver com a política? Nada, absolutamente nada, só uma coincidência. O fato do dia é que foi publicada ontem no Diário Oficial União a nomeação do coronel do Exército Lamartine Barbosa Holanda, que assume o comando da Fundação Nacional de Artes (Funarte). Especialista em ação estratégica, de cultura ao que se sabe ele cursou a Escola de Cinema de São Paulo. O detalhe: ele dirigiu e foi roteirista do vídeo institucional da Indústria de Material Bélico do Brasil.

Faz sentido?

O senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), líder do governo no Senado, afirmou ontem ser favorável à reeleição das presidências da Câmara dos Deputados e do Senado e elogiou o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP). “Você elege um presidente, constrói uma base de apoio na Câmara e no Senado e no meio do mandato precisa enfrentar nova eleição de Mesa Diretora?” O próprio Fernando Bezerra, responde: “Não faz sentido reeleições indefinidas, uma atrás de outra. Se tem reeleição para presidente da República, deveria ter reeleição para as mesas diretoras do Congresso, das Assembleias Legislativas e até das Câmaras Municipais”.

Quarentena

“O Café com Lupi” do último sábado preparou uma edição especial com os melhores momentos do programa, que já contou com a participação dos presidentes dos movimentos pedetistas, do deputado federal e líder da oposição André Figueiredo e do vice-presidente nacional da legenda, Ciro Gomes. Já a notícia do dia é o fato de o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, e quase toda a sua família estarem em quarentena. Só que foi tudo de forma remota, como não poderia deixar de ser, já que no meio do caminho está a COVID-19. A propósito, no Rio de Janeiro, as vagas de CTI voltaram a aumentar.

Ruralistas

O objetivo é fiscalizar as ações do Executivo e verificar se existem medidas legislativas que podem ser tomadas. Começou assim, o deputado Evair Vieira de Melo (PP-ES) e um dos coordenadores da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), leia-se, a bancada ruralista. Ele acrescentou que “o agricultor não está ganhando nada com a alta dos preços porque uma grande parte desses produtos já está na mão dos grandes atacadistas e atravessadores, que estão aproveitando para poder explorar”. E deixa claro e evidente que “nos últimos tempos, o alimento chegou muito barato na mesa dos consumidores, mas foi às custas de quem produz”. Uai, não foi a exportação deputado?

Nota oficial

“A Assessoria de Comunicação da Presidência do Supremo Tribunal Federal (STF) informa que o ministro Luiz Fux testou positivo para COVID-19. O presidente buscou serviço médico no Rio de Janeiro, ontem, ao apresentar aumento de temperatura corporal. A suspeita é de que possa ter contraído o novo coronavírus em almoço de confraternização familiar no sábado. O ministro Fux preside também o Conselho Nacional de Justiça e, claro que óbvio, cancelou a sessão que estava prevista para hoje. Ele vai seguir os protocolos de saúde e ficará em isolamento pelos próximos 10 dias.

PINGA FOGO

  • Em tempo sobre o rancho fundo: Luciano da Silva Querido, ex-assessor de Carlos Bolsonaro, deixa o cargo para que o coronel da reserva do Exército Lamartine Barbosa Holanda assuma a presidência. A mudança foi assinada pelo ministro da Casa Civil, general Walter Braga Souza Netto.
  • Já que não ofende...“Como é que um presidente de Assembleia pode ter 7, 8, 9 mandatos consecutivos e você não permitir dentro da legislatura só uma reeleição?” A frase é de Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE). Uai, pode este monte de mandatos? Quem souber que informe!
  • A propósito dos ruralistas, vale um registro: em suas redes sociais, o deputado Enio Vieira (PT-PR) condenou a política do governo atual de não ter estoques reguladores para evitar que haja grandes aumentos de preços. Se o saco de arroz de cinco quilos ultrapassou os R$ 40, basta, né?
  • Por fim, tem na Câmara dos Deputados um projeto de lei que regulamenta a criação, o manejo, o uso, o transporte e o comércio de colônias de abelhas nativas sem ferrão, ou de partes, produtos, subprodutos e serviços da meliponicultura. Diante disso, melhor dar uma ferroada por hoje.
 
 
 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade