Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas EM DIA COM A POLíTICA

Morte de Marielle e o lago de Furnas

Só resta desejar um bom dia a todos. Se a política permitir, né?


postado em 19/02/2020 04:00 / atualizado em 19/02/2020 08:32

(foto: Instagram/Reprodução)
(foto: Instagram/Reprodução)

Por que incomoda tanto o presidente Jair Bolsonaro a morte de Marielle? “Já tomei as providências legais para que seja feita uma perícia independente. Porque, sem isso, você não tem como buscar até, quem sabe, quem matou a Marielle”.

Assim ele começou, mas tinha mais. “A quem interessa não desvendar a morte da Marielle? Os mesmos que não interessam desvendar o caso Celso Daniel. São exatamente os mesmos”. Ainda da declaração de Bolsonaro. E ele voltou 18 anos atrás. O então prefeito petista de Santo André, que foi assassinado em 18 de janeiro de 2002 em Itapecerica da Serra (SP). Um crime até hoje mal explicado.

Talvez fosse apropriado usar o velho chavão então chama que a polícia vem aí, mas com o presidente a mudança é clara e objetiva. Chama as Forças Armadas. E de alta patente. Melhor começar com o coronel do Exército Marcos Heleno Guerson de Oliveira Júnior para a presidência do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia, o Inmetro. E passar para o general Walter Souza Braga Netto para chefiar a Casa Civil da Presidência da República.

Para lembrar, Braga Netto é mineiro. O que anda em falta no governo é um pouco de mineirice. “Olha, a jornalista da Folha, tem mais um vídeo dela aí. Eu não vou falar aqui porque tem senhora do meu lado”. Bastaria, mas teve mais.

“Alguém da 'Folha de S.Paulo' ai? Eu agredi sexualmente uma repórter hoje? Parabéns à mídia, aí. Não quero conversa. Parabéns à mídia. Eu agredi, cometi uma violência sexual contra uma repórter hoje?” O alvo foi a repórter Patrícia Campos Mello. Sobrou para ela na coleção de repórteres presentes. É claro que todas as entidades ligadas ao jornalismo se manifestaram. E condenaram com força.

Melhor então mudar de assunto, já que a situação de Furnas está tão grave que deixou de ser uma preocupação para se tornar uma “exigência de soluções”, nas palavras do líder do Democratas no Senado, Rodrigo Pacheco (MG). E ele destacou a necessidade de clarear os motivos pelos quais o nível da água está tão baixo, acrescentando que “não há mais margem para especulação”.

E deu o fato com a devida clareza: o reservatório, que em dezembro estava com 12,23% de sua capacidade, ainda registra baixo nível de água, mesmo depois das fortes chuvas. Com uma porcentagem desta, nada mais é preciso acrescentar.

Só resta desejar um bom dia a todos. Se a política permitir, né?

O ex-tucano

“Quero parabenizar vossa excelência por essa carreira promissora. Ao longo dela, traçou um caminho de respeito, de competência, de honra e de dignidade. Eu tenho uma grande admiração por vossa excelência, senador Anastasia, pelo que o senhor representa e representou para Minas e para o Brasil. Eu digo sempre que é um político de nível nacional que poderia ocupar qualquer cargo e traria grandes contribuições para o nosso país”. Senador Otto Alencar (PSD-BA) ao anunciar que o senador Antonio Anastasia, passou a compor a bancada do PSD no plenário do Senado.

Três minutos

Quando pensamos ter visto tudo na paisagem do mundo, aparece no cenário um ministro da educação escrevendo errado por deboche com o idioma que ele deveria defender e ensinar. Ao desprezar o idioma ele mostra falta de patriotismo e desprezo ao povo que paga seu salário. 22h58min. Todos, até ministro da educação, têm direito de errar ao escrever, mas ninguém, muito menos um ministro da educação tem o direito de zombar com a pureza do idioma nacional. Isso é despreparo, desrespeito e falta de educação cívica. 23h01min. Bastaram para o senador Cristovam Buarque (PPS/DF) desancar Abraham Weintraub.

De mentirinha

Devidamente vestindo um uniforme de petroleiro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltou às suas origens com o que mais ele sabe fazer: greve. Mas foi só para publicar nas redes sociais, não esteve presente de fato. Afinal, a estatal informou, por meio de nota, que “não há impactos na produção de petróleo e de combustíveis decorrentes da greve” e que “nenhuma plataforma de produção, refinaria, unidade de processamento de gás natural ou térmica teve adesão total à paralisação irregular”.

Observatório

Plenário – 25 anos da Comissão de Direitos Humanos e Minorias – 18/02/2020 – 09:29
Plenário – Sessão não deliberativa solene – homenagem aos 25 anos da Comissão de Direitos Humanos e Minorias e para o lançamento do Observatório Parlamentar da Revisão Periódica Universal da Organização das Nações Unidas. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) garantiu que a defesa dos direitos humanos é prioridade da Casa e que empenhará todos os esforços para que o trabalho do observatório seja profícuo e efetivo. Criada em 2006, a Revisão Periódica Universal é o mecanismo que analisa a situação de direitos humanos na ONU.

Historiador

Para o provimento e exercício de cargos, funções ou empregos de historiador, o projeto exige registro profissional junto à autoridade trabalhista competente. Entre as atribuições dos historiadores, o texto prevê o magistério da disciplina de história nas escolas de ensino fundamental e médio, desde que cumprida a exigência da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Já as entidades que prestam serviços em história deverão manter historiadores legalmente habilitados em seu quadro de pessoal ou em regime de contrato para prestação de serviços.

Pinga-fogo

É “fácil” demonstrar que “a melhor forma de crescer é ter sistema financeiro sólido e inflação controlada”. A frase é do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, que negou também que o BC esteja “entregue aos banqueiros”. Se precisou negar, aí tem!

O grupo será formado por 25 deputados e 25 senadores. Trata-se da comissão mista que vai analisar a reforma tributária. O Executivo também deverá encaminhar sugestões para mudanças no sistema de tributos. É aí que mora o perigo. O governo pode querer é aumentar a carga tributária.

O plenário da Assembleia Legislativa (ALMG) aprovou, em 1º turno, projeto de lei do governador Romeu Zema, sobre o Programa de Reciclagem de Resíduos Veiculares (PRRV). Na tradução simultânea: o projeto prevê a criação do Fundo de Incentivo à Renovação de Veículos Obsoletos.

A norma incidirá tanto sobre os resíduos sólidos quanto sobre carcaças de veículos automotores abandonados. As fontes de financiamento serão dotações consignadas no orçamento do Estado, transferências da União, dos estados e dos municípios para atividades de melhoria ambiental.

Diante de tudo isso, resta esperar uma melhora do clima, o político e o meteorológico. Afinal, a numerosa bancada ruralista deitou e rolou aprovando várias propostas de seu interesse. E nem precisou de chuva para irrigar as plantações. 
 


Publicidade