Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas GASTRONOMIA

Franceses e suíços perdem a exclusividade de 'batismo' do queijo gruyère

De acordo com a Justiça americana, laticinistas dos EUA podem usar a denominação para comercializar seu produto


24/01/2022 04:00 - atualizado 24/01/2022 10:15

Foto mostra imenso queijo gruyère fabricado na Suíça
Queijo gruyère está no centro de guerra judicial entre americanos, suíços e franceses (foto: Denis Balibouse/Reuters)

 
A coluna aproveitou o último dia 20 – Dia do Queijo – para falar de algumas especialidades da produção desse laticínio, admirado no mundo inteiro. Lutam todos para fazer o queijo brasileiro conhecido. Ele tem participado de várias feiras internacionais com sucesso, principalmente algumas marcas produzidas em Minas.
 
Na França, considerada a pátria do queijo, o problema é diferente: é preciso marcar bem onde foi criado e onde é feito o produto legítimo. E a pergunta é: depois do feta e do brie, haverá um queijo gruyère “made in USA”?
 
Produtores franceses e suíços do famoso queijo dos Alpes tentam proteger a denominação de origem, mas acabam de sofrer duro revés na justiça americana.
 
Um juiz federal considerou que o termo gruyère se tornou “genérico” nos Estados Unidos, o que impede inscrevê-lo no registro de marcas para restringi-lo a produtos originários da Suíça ou da França.
 
Em decisão com cerca de 30 páginas, o juiz T. S. Ellis ressaltou que produtores americanos produzem gruyère no estado do Wisconsin desde 1980, e mais da metade do gruyère importado para os Estados Unidos entre 2010 e 2020 foi produzido na Alemanha e na Holanda.
 
“Décadas de importação, de produção e vendas de queijos chamados gruyère, mas produzidos fora da região de Gruyère, na França e na Suíça, erodiram o sentido do termo e o tornaram genérico”, escreveu.
 
Nem mesmo os dicionários mencionam a origem geográfica deste “queijo de leite de vaca, de pasta cozida (...) com buracos”, apesar de seu surgimento remontar ao século 17, nos Alpes, afirmou o magistrado.
 
A Organização Interprofissional do Gruyère, que representa os produtores na Suíça, e o Sindicato Interprofissional do Gruyère, entidade francesa, informaram que vão recorrer da decisão.

Para eles, o gruyère, que se beneficia da denominação de origem protegida nos dois países, “é fabricado com cuidado a partir de ingredientes locais e naturais, usando métodos tradicionais que asseguram o vínculo entre a região e a qualidade do produto final”.
 
Ou seja, o queijo de Wisconsin não pode reproduzir o sabor único do verdadeiro Gruyère feito na Suíça ou na França.
 
Do lado americano, os produtores comemoraram a “vitória histórica”. Em comunicado, informaram que a decisão “estabelece precedente em uma batalha muito mais ampla acerca dos nomes de produtos alimentícios nos Estados Unidos”.
 
A União Europeia tentou obter proteção para cerca de 200 produtos associados aos seus territórios (comté, chablis, parmesão, bolonhesa, etc.) durante as negociações para um tratado de livre-comércio entre Europa e Estados Unidos (Tafta), mas fracassou.
 
Na falta de acordo, prevalece o caso a caso: se o feta grego ou o chablis perderam a guerra, os Estados Unidos reservam o uso dos termos roquefort e cognac a produtos fabricados nas proximidades das cidades francesas homônimas. 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade