Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas ANNA MARINA

Saiba como melhorar o quadro clínico de portadores de esclerose múltipla

Doença sem cura, ela deve ser tratada com abordagem multidisciplinar, incluindo, além do neurologista, fisioterapeuta, psicólogo, fonoaudiólogo e nutricionista


11/09/2021 04:00 - atualizado 11/09/2021 07:12

None

esclerose múltipla (EM)  é uma doença neurológica que atinge cerca de 40 mil brasileiros e 2,3 milhões de pessoas no mundo, segundo dados do Ministério da Saúde. Com tratamentos considerados de alto custo, o governo federal destaca que, apenas em 2018, foram investidos mais de R$ 279 milhões na aquisição de medicamentos para cerca de 15 mil pacientes com EM. O neurologista Maurício Lobato, que atua no AME Itu, gerenciado Centro de Estudos e Pesquisas Dr. João Amorim (Cejam), informa que a doença atinge o sistema imunológico do paciente, afetando o sistema nervoso central e provocando uma lesão inflamatória na bainha de mielina – capa de tecido adiposo que protege as células nervosas, os neurônios – que compõe o cérebro, a medula espinhal e os nervos ópticos.

 - Mitos e verdades sobre a esclerose múltipla

A esclerose múltipla acomete principalmente mulheres, na proporção de 3 para 1, habitualmente na faixa etária entre 20 e 40 anos. Apesar de ser considerada uma patologia autoimune, o médico destaca que o acompanhamento adequado pode auxiliar em melhorias no quadro clínico. "A abordagem multidisciplinar, aliada ao auxílio de outros profissionais da área da saúde, como fisioterapeutas, psicólogos, fonoaudiólogos e nutricionistas, pode fazer com que a paciente tenha uma evolução clínica mais favorável ao longo do tempo".

Os sintomas da esclerose múltipla são variáveis e dependem da parte do sistema nervoso em que a lesão causadora da doença está localizada. Apenas por meio de uma avaliação minuciosa de um médico neurologista é possível identificá-la. Porém, o especialista destaca a perda visual, desequilíbrio para andar, conhecido também por ataxia, perda de força e sensibilidade nos braços ou pernas como os sinais mais frequentes para a doença.

A ressonância magnética e o exame de líquor, líquido da espinha produzido pelo cérebro, são os testes mais importantes para a avaliação complementar do paciente com suspeita clínica de esclerose múltipla. Segundo o neurologista, assim como os sintomas, as causas e fatores de risco associados à EM ainda não são plenamente compreendidos pelos estudiosos neurocientíficos, de modo que não há efetivamente um conjunto de medidas que possa ajudar a prevenir a patologia. "Acredita-se que no futuro possa ocorrer o desenvolvimento de uma vacina que interfira nos mecanismos imunológicos da população, atuando de maneira preventiva e reduzindo sua prevalência", observa.

A esclerose múltipla conta com um tratamento variável, de acordo com a sua forma clínica – remitente-recorrente ou formas progressivas – e com o perfil do paciente. A evolução dos sintomas também pode interferir no tratamento da doença. Para tratá-la, são utilizadas medicações que atuam modulando a atividade imunológica do organismo, reduzindo, assim, a atividade autoimune agressiva ao sistema nervoso. Os medicamentos são denominados imunomoduladores e contam com diversas opções farmacológicas, que podem ser utilizadas pelo neurologista para tratar o paciente.

"Até o momento, a medicina não oferece cura para a esclerose múltipla. No entanto, pesquisas neurocientíficas têm sido desenvolvidas no sentido de aprimorar os tratamentos atuais, atuando de maneira mais efetiva para estabilizar a progressão da patologia", afirma o neurologista.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade