Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Coluna

Cuidado com os golpes na internet

Especialista em segurança cibernética dá dicas para se defender de golpes aplicados com a invasão de aparelhos tecnológicos


08/06/2021 04:00 - atualizado 07/06/2021 19:53


É tanto golpe que existe por aí, que a impressão que temos é de que existe uma fábrica de golpes. Existem empresas especializadas em criar projetos; acho que tem empresa especializada em criar golpes. E quanto mais a tecnologia avança, mais golpes surgem. Os bandidos atacam tanto pessoas físicas quanto jurídicas, a diferença é que as empresas investem em segurança, mas nós, simples mortais, ficamos à mercê dos oportunistas.

O professor e advogado Cláudio Joel Brito Lóssio, especialista em compliance empresarial, direito digital, notarial, registral e penal, fez palestra, semana passada, sobre cyberdefesa pessoal e mostrou as principais formas de se defender dos constantes ciberataques que ocorrem no mundo virtual.

Segundo ele, a ciyberdefesa pessoal não envolve conceitos complexos, mas atitudes preventivas simples e de suma importância. “Os criminosos utilizam cada vez mais recursos como e-mails, mensagens de aplicativos, PDFs suspeitos, que podem conter dispositivos que, ao entrar no computador, no tablet ou em um simples celular, roubam senhas e informações dos usuários. O estrago pode ser muito grande na vida pessoal da vítima, mas também em grandes corporações, sejam elas públicas ou privadas", alerta o professor Lóssio.

É preciso ter muita atenção para o recebimento de mensagens fora do padrão, pois os criminosos enviam mensagens muitas vezes suspeitas, que não são abertas pela maioria das pessoas, porém alguns mais distraídos abrem e têm seus dispositivos contaminados. Segundo Lóssio, 37% dos ataques contra empresas ocorrem pela simples falta de cuidado dos usuários.

Em 2020, foi registrado um aumento de 87% nos ciberataques em todo o mundo, em comparação com 2019. O problema aumenta na mesma proporção em que novos equipamentos que dependem da internet surgem no mercado, como smart TVs ou até mesmo dispositivos com sensores para limitar o consumo de água em um condomínio. São portas que estão abertas para o ciberespaço e, portanto, portas que podem ser invadidas.

Fiquem atentos, não abram mensagem ou arquivos em PDFs se não confirmarem a origem, tenham cuidado com as redes de wi-fi em bares, restaurantes e shoppings. São lugares frequentados por muitas pessoas e não têm muita segurança. Só devemos acessar as redes de wi-fi da nossa casa e da empresa onde trabalhamos.

Cláudio Lóssio ressaltou a importância de não utilizar a mesma senha para acessar todos os programas. "É preciso variar, criando senhas fortes e que não utilizem o que é óbvio, como datas de nascimento ou datas de casamento, conjugadas com o primeiro nome ou sobrenome. Os criminosos quebram facilmente tais senhas", diz.

Mudar as senhas é importantíssimo, porque as plataformas de redes sociais conseguem enxergar tudo o que fazemos. Tenho Facebook há anos e só no mês passado descobri que ele tinha acesso a tudo meu, inclusive transações bancárias. Dá para acreditar? Se você não sabia, vou passar o passo a passo para desabilitar esse acesso. Entre no seu Facebook, vá em configurações e privacidade, depois clique em atividade fora do Facebook e desabilita.

Voltando à palestra, o professor também informa que os principais sistemas, como Windows, Linux e iOS da Apple têm dispositivos de segurança muito confiáveis e que devem ser ativados pelo usuário para evitar os ataques. "Também é muito importante a utilização de softwares originais e não softwares piratas", alerta.

Quem quiser assistir à palestra na íntegra é só acessar o canal da Escola Judicial no YouTube.

(Isabela Teixeira da Costa/Interina)

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade