Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Conheça a nova tecnologia que promete pôr fim ao chulé

Pesquisa aponta que meias revestidas em óxido de zinco em nanopartículas podem prevenir o problema


12/11/2020 04:00


Uniformes escolares e sapatos fechados obrigam a meninada a usar meias para proteger os pés. E na maior parte das vezes, quando o calçado é retirado, o odor se espalha. Na escola, a garotada costuma chamar os colegas que passam pelo problema de chulepento. Mas esse tormento está para acabar.

O nome técnico é bromidose, condição na qual a sudorese vem acompanhada de mau odor. Nos pés, esse problema é popularmente conhecido como chulé.

“Existem diversas causas para o problema. A sudorese excessiva pode ser constitucional de cada paciente ou pode estar relacionada com estresse, ansiedade ou obesidade. A falta de higiene também contribui para o mau cheiro. Os pés abrigam bactérias que metabolizam o suor e células mortas, eliminando gases como o ácido isovalérico e metanotiol, responsáveis pelo odor. A meia e o calçado, ao abafar os pés, acabam intensificando o odor”, diz Daniel Cassiano, médico da clínica Gru Saúde e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Nova pesquisa, apresentada no 29º Congresso da European Academy of Dermatology and Venereology, realizado em outubro, mostrou que meias revestidas em óxido de zinco em nanopartículas (ZnO-PN) podem prevenir a bromidose e a queratólise plantar sulcada (infecção bacteriana que causa mau cheiro nos pés), reduzindo o impacto negativo dessa condição na qualidade de vida dos pacientes.

As meias revestidas com nanopartículas de óxido de zinco foram testadas no cenário da vida real por pesquisadores do Hospital Siriraj da Universidade Mahidol, na Tailândia. “Eles descobriram que a eficácia antibacteriana desse revestimento, junto de sua segurança e da compatibilidade com a pele humana, tornou o composto perfeito para ser incorporado em tecidos, incluindo meias, para prevenir o odor desagradável”, afirma o especialista.

O estudo duplo-cego, randomizado e controlado, foi conduzido com 148 cadetes militares na Thai Naval Rating School. Bromidose e queratólise sem caroço são queixas comuns em militares, que sofrem com lesões nos pés.

“O estudo demonstrou que aqueles com as meias revestidas com nanopartículas de óxido de zinco tinham significativamente menos odor nos pés em comparação com a linha de base. O grupo das meias sem revestimento experimentou chulé mais intenso, com maior efeito negativo na vida diária. Eles também descobriram que os participantes com meias sem revestimento eram mais propensos a desenvolver queratólise plantar sulcada em comparação com aqueles com as meias revestidas”, afirma o médico.

Estudos anteriores já haviam demonstrado as propriedades antibacterianas das nanopartículas de óxido de zinco. A pesquisa se apoiou nisso para testar a nova tecnologia. “Os resultados comprovam a eficácia das meias revestidas na prevenção da bromidose e na inibição do desenvolvimento de queratólise plantar sulcada. Essas meias podem ser uma nova opção de prevenção primária para militares e pessoas suscetíveis a essas condições constrangedoras”, explica o dermatologista.

Enquanto a tecnologia não chega ao Brasil, alguns cuidados podem ajudar a prevenir o problema: evitar o uso do mesmo calçado por dias seguidos, deixar os sapatos em lugar bem ventilado após o uso, secar bem os pés após o banho, lavar bem os pés e as unhas, usar talcos e sprays antissépticos ou cremes antitranspirantes sob orientação do dermatologista.

“Se houver vermelhidão e coceira nos pés, é fundamental buscar ajuda dermatológica para um diagnóstico adequado”, finaliza Daniel Cassiano.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade