Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Novo tratamento para celulite é considerado divisor de águas

Substância injetável, que já foi aprovada pelo FDA nos EUA, deve chegar ao mercado no ano que vem


22/09/2020 04:00

Além dos tratamentos para combater a celulite, problema pode ser atenuado com hábitos de vida saudáveis(foto: Reprodução da internet)
Além dos tratamentos para combater a celulite, problema pode ser atenuado com hábitos de vida saudáveis (foto: Reprodução da internet)

O órgão de controle Food and Drug Administration (FDA), dos Estados Unidos, aprovou a colagenase clostridium histolyticum-aaes, uma substância injetável para o tratamento de celulite moderada a grave nas nádegas de mulheres adultas. “Desde o ano passado, na fase 3 dos testes com a substância, esse tratamento era considerado extremamente promissor.”

Ele é o primeiro tratamento de celulite injetável aprovado pela FDA. A substância conta com duas enzimas purificadas produzidas por uma bactéria. A celulite é multifatorial, e uma de suas causas é a presença de septos fibrosos que ligam a pele à fáscia do músculo (que fica perpendicular à pele, embaixo dela). O resultado é que esses septos puxam a pele para baixo, deixando um aspecto ondulado, como se fosse um “colchão”.

“Ao ser injetada, a substância degrada colágeno dos tipos I e II que formam esses septos fibrosos da celulite, o que leva a uma melhora na aparência e textura da pele”, afirma a dermatologista Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. “Até agora, rompemos essas traves ou septos fibrosos por métodos mecânicos, ou seja, a subcisão, técnica em que rompíamos essas traves por movimentos de vaivém. Nesse estudo, uma enzima que degrada o colágeno, material que compõe essas traves, foi usada para dissolvê-los, melhorando o aspecto da celulite. Há lógica nesse método e os resultados podem ser promissores”, detalha a médica.

O injetável combina duas colagenases, AUX-I e AUX-II, que são enzimas purificadas produzidas naturalmente pela bactéria Clostridium histolyticum. Em tese, a substância “degrada” os septos fibrosos, que puxam a pele para a fáscia muscular e causam a aparência característica de ondulação da celulite. Nos Estados Unidos, o tratamento vem sendo considerado um divisor de águas para muitas mulheres com celulite. “A empolgação se dá pela atuação, na causa raiz da celulite. E de uma maneira não invasiva, ou seja, sem o corte”, diz a médica.

A substância só foi testada e aprovada nos glúteos. Cada nádega pode receber até 12 injeções por sessão. As visitas de tratamento devem ser repetidas a cada 21 dias, por até três vezes. As reações adversas mais comuns (menores que 1%) foram relacionadas ao local da injeção (hematomas, dor, nódulo, prurido, eritema, descoloração, inchaço e calor). A previsão é que a técnica chegue ao mercado no ano que vem.

Hoje em dia, o melhor resultado para tratamento de celulite continua sendo a associação de diversos tratamentos. “O que tem trazido os melhores resultados são os bioestimuladores de colágeno injetáveis (ácido-L-poliláctico ou hidroxiapatita de cálcio). Isso porque a celulite é uma alteração do tecido adiposo (tecido de gordura, formado por adipócitos = "células de gordura"). Esse tecido de gordura é flácido e requer a presença de septos de tecido fibroso (fibras de colágeno) para a sua sustentação. Quando esse tecido fibroso é competente, e sustenta o tecido adiposo, não há celulite. Do contrário, quando essa sustentação está ausente, há uma irregularidade característica do tecido adiposo, causando na pele o aspecto de ‘casca de laranja’ da celulite”, explica a médica.

Após o estímulo do colágeno através de injeções com esses bioestimuladores, há uma reorganização desses septos fibrosos, com sustentação adequada do tecido adiposo e melhora da celulite e do aspecto da pele, segundo a dermatologista. “Esse tratamento é realizado em consultório dermatológico. São realizadas em média duas ou três sessões, com intervalo mínimo de 30 dias entre elas. No consultório dermatológico, também há aparelhos de radiofrequência e ultrassom que produzem efeitos térmico e mecânico que podem diminuir a gordura localizada e a flacidez, melhorando o tônus da pele e consequentemente a celulite. Para resultados com esses aparelhos são necessárias de oito a 10 sessões semanais (duração de 30 a 40 minutos)”, explica.

Para celulite acentuada, a subcisão é técnica até então mais indicada: nesse método, as traves fibrosas que repuxam a pele são rompidas com um bisturi, após anestesia local. “Mas, além dos tratamentos, é muito importante que o paciente melhore alguns hábitos de vida, como abandonar o cigarro, refrigerantes e bebidas alcoólicas, faça atividade física e tenha uma dieta mais saudável”, finaliza Paola Pomerantzeff . 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade