Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Quarentena aumenta números da violência doméstica

Denúncias realizadas no Ligue 180 aumentam em 9%. Para psicóloga, é preciso intensificar as medidas de proteção e apoio às mulheres agredidas


postado em 23/04/2020 04:00

Além da saúde e da economia, outra questão tem preocupado as autoridades brasileiras durante o período de isolamento social para combate à COVID-19. Desde o começo da quarentena, está sendo relatado em diversos estados brasileiros o aumento no índice de violência doméstica. De acordo com a Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos, em março deste ano, houve aumento de 9% no número de denúncias realizadas pelo Ligue 180, a Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência, criado pela Secretaria Nacional de Políticas em 2005.

A psicóloga Ana Paula Imbuzeiro explica que, na realidade, a causa para esse aumento pode ser ligada a diversos fatores, e não somente ao isolamento social. Segundo a especialista, o agressor não age apenas motivado pela quarentena. “É preciso entender que a violência não surge de repente. Geralmente, ela se camufla por meio de agressões verbais e de um relacionamento abusivo sustentado há mais tempo”, diz.

Ana Paula esclarece que o fato de o agressor passar mais tempo ao lado da vítima e, principalmente, por esse ser um período em que ambos possuem mais dificuldade para sair de casa, o nível de violência fica ainda maior e pode desembocar na agressão física em si. “É dessa forma que elas acabam denunciando mais, já que a violência chega ao nível extremo devido às diversas situações de estresse que elas podem passar em casa”, explica.

De acordo com a psicóloga, esse é o momento de intensificar a conscientização, as medidas de proteção e, principalmente, o apoio às mulheres agredidas. “Elas precisam ser mais ouvidas. É necessário oferecer atendimento psicológico de qualidade para que elas possam entender a situação em que já vivem e ter condições de reagir com segurança”, afirma.

Além disso, Ana Paula destaca que, mesmo em isolamento social, elas precisam sentir apoio de pessoas próximas. “Não imaginamos o quanto uma pessoa pode estar afundada em um relacionamento abusivo. Muita coisa ocorre entre quatro paredes e, em muitos casos, nem as próprias vítimas percebem. Portanto, essa é a hora de continuar mantendo contato e perguntar se está tudo bem. Ao sentir que algo está errado, não hesite em solicitar ajuda”, finaliza.   

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade