Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas ANNA AOS DOMINGOS

Ainda em isolamento, mas com a imaginação solta

Continuamos em isolamento social e a criatividade continua dando asas à imaginação. Esta semana, ouvimos mais algumas pessoas sobre o que andam fazendo nesses dias de reclusão.


postado em 05/04/2020 04:00 / atualizado em 05/04/2020 08:48

Flavio Geo segurando a águia no lago de Almaty, no Cazaquistão. Ela representa a nossa figura hoje, presos na quarentena, prontos para começar a voar e conquistar as maravilhas do nosso planeta(foto: arquivo pessoal)
Flavio Geo segurando a águia no lago de Almaty, no Cazaquistão. Ela representa a nossa figura hoje, presos na quarentena, prontos para começar a voar e conquistar as maravilhas do nosso planeta (foto: arquivo pessoal)

 
Flávio Geo

O bendito é o fruto por aqui, é o homem que passa o ano viajando pelo mundo, e agora está recluso. Claro que tínhamos que ouvi-lo. E a resposta foi maravilhosa: “Quem disse que para viajar precisa sair de casa?”. Vejam sua rotina

“Acordo às 6h30 e faço um circuito aeróbico com ginástica e relaxamento que aprendi tanto com um personal em Trancoso, como em hotéis com spas reconhecidos pelo globo, como Aman e Six Senses. Dessa forma, viajo para lugares fantásticos até as 8h30. Vou para o escritório montado em casa, onde continuo planejando as viagens do segundo semestre e os planejamentos para 2021. Na hora do almoço, estou com um projeto junto com os chefs Massimo Bataglini e Sofia Marinho. Nesse projeto, promovemos aulas on-line de receitas com ingredientes locais e fáceis de encontrar, com influência ítalo- mineira, para deixar a cozinha do dia a dia ainda mais gostosa. E falamos sobre os destinos a serem visitados em viagens futuras. Os ingredientes das receitas são entregues na casa de cada um. À tarde, junto com a minha equipe de consultores de turismo, participamos de webinar que são produzidos por vários hotéis e destinos através do globo junto com o Virtuoso. Uma ótima forma de estarmos sempre atualizados com o que está acontecendo pelo globo. Além disso, tenho vários grupos de WhatsApp das viagens que organizo há vários anos. E por incrível que pareça eles sempre ficam ativos. Converso com meus clientes sobre vários assuntos. E, atualmente, lógico que o coronavírus é um dos mais comentados. À noite, um bom filme e/ou livro sobre viagens. Vou dar algumas dicas:

Viajo, logo, existo, de Leonardo e Rachel Spencer.
Grandes destinos, de Lonely Planet
100 viagens inspiradoras – Mari pelo mundo
Paixão Índia, da Livraria Cultura
A Imperatriz de Ferro, de Jung Chang”
 
NOVIDADE
no mercado

O jornalista Thiago Romano, que atua há mais de 20 anos como assessor de imprensa, acaba de deixar a frente da Benedita Comunicação e partir para carreira solo. Em pleno isolamento social, quando nada acontece, ele ousou e lançou, em 1º de abril, a Romano Comunicação, que nasce com a proposta de trabalhar a comunicação estratégica aliada às novas dinâmicas do mundo contemporâneo. Segundo o empreendedor, desde novembro de 2019 já vinha se preparando para iniciar esse novo capítulo da sua trajetória profissional, com o objetivo de conectar negócios, públicos e mercados de maneira eficiente por meio de um atendimento personalizado. Já começa com uma carteira de clientes da economia criativa, com forte atuação na gastronomia, cultura, moda, lifestyle, wellness e responsabilidade social, sempre presente na sua trajetória.

PÓS-VÍRUS
Pobreza e impostos

Embora a luta atual e mais urgente seja no âmbito sanitário, os empresários perdem o sono diante do que virá no pós-vírus. Entre os inúmeros depoimentos da classe, vale citar o da dona do Magalu, Luiza Trajano, alertando que, caso não sejam tomadas medidas assertivas, após o coronavírus virá a miséria. Outro que foi certeiro no assunto, foi Flávio Rocha, da Riachuelo. Para ele, além do coronavaucher e outros estímulos, é preciso ter coragem e eliminar impostos que, há anos, travam o crescimento econômico do país.
 
(foto: Marcos Vieira/em/d.a press)
(foto: Marcos Vieira/em/d.a press)
 
 
Simone Arcuri

“Em casa, cuido de tudo com a ajuda dos meus colaboradores, Renato e Maria Paula (marido e filha). Por incrível que pareça não estou curtindo a preguiça. Levanto cedo e já começo na arrumação, limpeza, roupa, almoço. Usando a criatividade para elaborar cardápios. De tarde, minha filha malha na sala, seguindo as aulas que a academia enviou on-line. Renato sai rapidinho com o cachorro diariamente, na rua deserta. Gravo vídeos quase que diários e envio para meus pais, afim de tranquilizá-los e mostrar que estamos bem e também pra tirá-los da rotina da fazenda. À noite, videoconferência com os amigos e aí vem a distração. Rimos muito. O lado positivo é o resgate de velhas amizades, como nos amamos e nos distanciamos tanto no corre corre do dia a dia. Nesta época estamos podendo retomar este contato, mesmo que virtual. Um pouco de TV um filme em família tem sido ótimo, juntinhos aqui.”
 
DIAS MELHORES para Minas

Beatriz Menin, Heloisa Veiga, Raquel Mattar, Ana Guiterrez, Naty Vasconcelos, Gustavo Greco, Nathalia Faria, Luiza Faria, Tatiana Lobato Xavier, Maria Fernanda Menin, Tânia Campos estão à frente da camapanha Dias Melhores para Minas, para arrecadação de recursos para compra de EPIs e itens hospitalares para 20 hospitais das redes Fhemig, Santa Casa e Hospital das Clínicas para atendimento dos pacientes durante a pandemia da Covid-19. Contam com um corpo técnico que fará não só a compra desses itens através de licitação, como destinará da melhor forma possível a distribuição. Estão com apoio do movimento Bem Maior, fundado por Elie Horn, Rubens Menin, Eugenio Mattar e outros empresários. 

MODA
Esforço de guerra

A turma da moda entrou na luta contra o coronavirus costurando máscaras para proteger o pessoal da saúde que trabalha no assunto. E foi em nível mundial, com grandes fábricas dando sua contribuição. Os especialistas dizem que o problema é que o tecido tem que ser apropriado, senão vira apenas um acessório. Já os mais poderosos foram mais longe e deram dinheiro para ajudar. No plano global, o italiano Giorgio Armani e o espanhol Amancio Ortega (Zara) deram contribuições em milhões de euros.

COMISSÕES
Líquido e certo

Um comunicado da Associação Mineira das Empresas de Moda (Amem) está mexendo com a base do comércio em pronta-entrega (no atacado), modalidade majoritária nas marcas de BH. Coroando os esforços da entidade para obter apoios oficiais, racionalizar custos e viabilizar a sobrevivência do setor, foi proposto, também, que o repasse das comissões de vendas aos corretores de moda seja feito somente após o pagamento às confecções das compras por eles agenciadas. Isso quer dizer, uma diferença entre 30 e 120 dias para que tenham o dinheiro no bolso. A turma não gostou muito, mas diante das atuais dificuldades vale tudo. 
 
(foto: arquivo pessoal)
(foto: arquivo pessoal)
 
CRIATIVIDADE
e solidariedade

O chef Felipe Rameh está a mil por hora nesta quarentena. Ele não parou um minuto com seu restaurante Alma Chef, que tem atuando com delivery de terça a sexta para jantare; aos sábados para almoço e jantar; e aos domingos para um almoço estendido que vai até as 18h, com um menu especial com os clássicos do Alma. Como na região do restaurante tem muito morador de rua, a casa sempre doou cerca de 15 marmitas diariamente, bem como as casas no entorno. Agora, com o isolamento social, eles passaram a distribuir 50 marmitas. Com os contatos que têm, conseguiram apoio de lojas da Ceasa, uma rede de supermercado e um frigorifico e vão aumentar para 100 quentinhas. Esta distribuição de amor e solidariedade será por tempo indeterminado e os clientes que compram as refeições delivery também ajudam nesta ação, uma vez que os custos não são apenas dos alimentos. Toda quinta-feira, os chefs Felipe Rameh e Caio Soter fazem uma live, às 17h, ensinando a receita de um dos pratos do delivery, e no sábado, às 11h, tem outra live com uma comida especial feita em uma peleira. Este prato é divulgado no Instagram do restaurante durante a semana para encomenda e depois de pronto é disponibilizado para venda. O de ontem foi arroz de pescador com peixe e frutos do mar. Outra frente de atuação do restaurante durante este período é que ele se tornou ponto de coleta de cesta básica, produtos de higiene pessoal e de proteção que são doados tanto para moradores de rua quanto para instituições sociais ajudadas por eles. Para finalizar, diariamente tem lives da casa de seus colaboradores, com receitas práticas e simples, para ajudar as pessoas a terem ideias do que servir em casa com o que têm na geladeira. A sommelière Ana Borges também dá dicas de vinhos naturais, biodinâmicos e brasileiros, valorizando produtos locais como é da linha da casa (que também ,estão em delivery). 
 
CONCURSO
de arquitetura

O Grupo Cosentino, líder em superfícies inovadoras para o mundo da arquitetura e do design, lançou o concurso Design Challenge 14, para alunos de arquitetura e design competirem com projetos inovadores em duas categorias distintas: Arquitetura, ocupando o espaço urbano, e Design, Cosentino e a tradição local: o design contemporâneo. Os prêmios chegam a mil euros e os primeiros colocados receberão menção especial, além de diploma simbólico disponibilizado pelo Grupo Cosentino Espanha. Os projetos criados pelos estudantes poderão ser submetidos até 1º de junho, e os detalhes e as regras do concurso podem ser conferidos no site oficial www.cosentinodesignchallenge.org ou pelo e-mail idea@cosentinodesignchallenge.org.
 
Maria Antônia Calmon

“A minha quarentena começou no final da minha viagem aos EUA, onde mora minha filha e onde passei o carnaval e dei mais uma esticadinha. De repente, tudo parecia um passeio tranquilo, com muitas novidades e aprendizados. Passo na sexta-feira para buscar meu neto na escola e já todos os responsáveis avisando o encerramento temporário das atividades devido ao vírus que havia chegado a contaminar somente uma pessoa da cidade. Presenciei um comportamento de pânico dos americanos, começando pelo comportamento deles no supermercado. Os itens mais requisitados: papel higiênico e ovos. Ovo posso entender, mas o papel higiênico ainda não. Alguém sabe me informar o medo de acabar o papel higiênico?
 
Enfim, todos sem poder sair de casa, e minha ficha não tinha caído do que estava por vir. Minha confiança em Deus é tão grande que eu realmente tenho uma reação diferente de algumas pessoas. Acho que minha ficha começou a cair mesmo quando começaram a me colocar medo que talvez meu voo seria cancelado para o Brasil. No momento, o que me preocupou foi o trabalho. Preciso voltar pelo trabalho e, claro, o marido, que estava no Brasil. Preocupação de todos nós sempre, as contas. Só de entrar nesse estresse minha resistência caiu, me causando uma sinusite brava. E tenho que ter cuidado redobrado por causa da minha asma. No frio intenso costuma me acontecer isso. De volta ao Brasil, depois de uma semana de cama, procuro buscar coisas que elevem minha mente para pensamentos positivos. Sigo as notícias para nos atualizar, mas sem deixar que elas tomem meu coração. Porque é em Deus que eu confio e sei que Ele permite todas as coisas para um grande propósito. Sei que esse momento será de grandes ensinamentos para quem estiver com ouvidos abertos.” 
 

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade