Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Presépios ajudam a manter a magia do Natal

Em época em que a tecnologia impera, presépios com suas peças e adereços trazem boas recordações


postado em 24/12/2019 04:00

Presépios feitos por moradores de Santa Luzia reúnem tradição, fé e beleza(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
Presépios feitos por moradores de Santa Luzia reúnem tradição, fé e beleza (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
Desde pequena acredito piamente na magia do Natal, que consegue dar alento nos sofrimentos da vida. E dentro dessa crença, acompanho a liturgia da noite, com presépio louvando o nascimento de Cristo, a árvore de Natal alegrando o encontro da família. Curiosamente, faço parte de uma geração que nunca forçou crenças, recomendou caminhos. Eles nasceram naturalmente, acho que abençoados pelo batismo, crisma, primeira comunhão. O certo é que a comunidade luziense teve um papel forte nisso, a meninada era solta na rua e corria as casas de cima a baixo da Rua Direita, visitando os presépios.

A lembrança diz que nunca ninguém conseguiu repetir o que era feito naquela época. Não sei se esse reconhecimento vinha do maravilhamento da infância, da pureza do olhar que nunca tinha visto nada igual. Cada casa continha um tesouro perfumado por um fruto nativo que ninguém mais conhece, a cabacinha, ou das maçãs, que eram importadas e que vinham enroladas em um papel de seda azul, uma a uma, que conservavam seu perfume por vários dias. Só esses aromas já era um acontecimento raro. Havia também o perfume do musgo fresco, colhido nas fazendas, sem nenhuma poluição, que forravam caminhos e cobriam morros imaginários. Houve época em que caixinhas desse musgo eram vendidas na Savassi, mas, como a clientela acabou, a oferta sumiu.

As figuras importadas, brinquedos movido a molas, eram um espanto, a meninada não entendia aquele funcionamento. E o que dizer das figuras que encantavam, mas que só anos e anos depois conseguimos avaliar o valor e a raridade? Santos barrocos, animais que repetiam a natureza com maestria, anjos que levavam à mais pura contemplação. Alguns adereços eram totalmente desconhecidos, como as conchas, os caramujos, alguns tão grande que, encostados na orelha, repetiam o barulho do mar?

Os anjos da graça carregando faixas de louvor a Cristo eram simplesmente maravilhosos, "pousavam" no ar sobre a gruta e o panejamento das túnicas era tão leve que eles pareciam mesmo voar. Pena que criança de hoje não sabe o que é isso, mal olha para um presépio quando consegue ver um. O que atrai, o que encanta, o que maravilha, é a tecnologia. Como a rapidez da modernidade transforma tudo em lixo em pouco tempo, o que terão para lembrar? 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade