Publicidade

Estado de Minas

Dicas preciosas para acompanhar o crescimento das crianças

Joelhos arqueados, pernas tortas e alinhamento de pernas e joelhos costumam deixar os pais preocupados


postado em 16/08/2019 04:00 / atualizado em 15/08/2019 22:01


Ser mãe é uma alegria, ninguém nega. Também é tempo carregado de preocupações. Como pode acontecer quando as crianças nascem perfeitinhas, mas, de repente, começam a ter problemas físicos durante o crescimento. Isso costuma ocorrer quando os joelhos começam a ficar arqueados (varo) ou em “x”, para dentro (valgo). São condições comuns durante o crescimento e o desenvolvimento da criança. Na maioria dos casos, ocorre o realinhamento natural e elas superarão qualquer condição. No entanto, órteses ou cirurgias podem ser necessárias para quem apresenta deformidade causada por alguma doença que ocasione angulação fora do padrão. Por exemplo, raquitismo ou a doença de Blount.

Quando uma criança fica com os pés juntos, com os dedos apontados para a frente, e os joelhos não se tocam, ficando as pernas arqueadas, o termo médico é genu varum. O contrário é quando ela fica com as pernas juntas, os pés apontados para a frente e os joelhos se tocam, mas os tornozelos não. Nesse caso, o termo médico é genu valgum.

Preocupação comum entre pais são os alinhamentos das pernas e joelhos da criança, se estão normais e se o crescimento e desenvolvimento estão adequados. No entanto, apenas um número muito pequeno de crianças precisa de tratamento, caso esses ângulos estejam acentuados. Entender como as pernas mudam à medida que crescem é importante para compreender essas condições.

A maioria das crianças passa por um período de crescimento em que o ângulo dos joelhos pode estar relativamente “torto”. Alterações fisiológicas e joelhos levemente angulados não afetarão a capacidade de engatinhar, andar, correr ou brincar. Algumas crianças podem andar com os dedos apontados para dentro, tropeçar mais ou parecer mais desajeitadas do que outras de sua idade. Nos extremos da curva de crescimento normal, elas podem ter pernas ou joelhos angulados, o que parece grave. No entanto, esses sintomas ocorrem na maioria da criançada, que os supera, principalmente se não estão acompanhados de dor.

A observação do crescimento e desenvolvimento normal das crianças da infância aos 10 anos pede alguns cuidados. Do nascimento aos 18 meses, as pernas são inicialmente abertas (varo), fazendo com que se ande frequentemente com os pés afastados; de 1 a 6 meses e 2 a 6 meses, as pernas geralmente retificam. Entre os 3 e os 4 anos, elas normalmente crescem na posição de joelhos para dentro (valgo). Com 8 a 10 anos, as pernas voltam ao que, provavelmente, será o alinhamento do adulto.

Para a grande maioria das crianças, o tratamento envolve apenas a observação, permitindo o crescimento e tempo para corrigir as pernas, além da tranquilidade dos pais. Fisioterapia, quiropraxia, sapatos especiais, vitaminas e órteses não têm efeito sobre o desenvolvimento das pernas normais, mas ajudam a dar conforto.

Se o médico tiver preocupações sobre a gravidade de qualquer condição, recomenda-se a avaliação do especialista ortopédico. Geralmente, uma referência é feita se só um lado for afetado mais do que o outro, a deformidade for grave ou se houver um histórico familiar significativo. Raios-X podem ser solicitados para confirmar o diagnóstico ou para excluir outros problemas. A detecção precoce da deformidade patológica da perna do arco provavelmente terá melhores resultados gerais. O histórico completo é uma das fases mais importantes dessa avaliação.


Publicidade