Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas ONCOLOGIA

Câncer de mama masculino

Apesar de rara, a manifestação é mais letal e tem aumentado sua incidência em todo o mundo


06/06/2021 04:00 - atualizado 04/06/2021 13:54


Embora o tema seja menos abordado, existe um percentual de homens que podem se beneficiar com a realização de mamografias de rastreamento periódicas. Um estudo publicado na revista Radiology analisou o uso de mamografias para triagem de 1.869 homens (idade média de 55 anos; intervalo de 18 a 96), que tinham histórico familiar de câncer de mama e/ou mutações genéticas. Os exames detectaram 2.304 lesões mamárias que levaram a 149 biópsias, em 133 homens. Os resultados mostraram que 27,5% das lesões eram malignas.

Apesar de raro, o câncer de mama masculino é mais letal e tem aumentado sua incidência em todo o mundo. Nos EUA, os registros passaram de 900 casos diagnosticados, em 1991, para um número estimado de 2.670 novos casos, em 2019.

No Brasil, um levantamento realizado na Faculdade de Medicina do ABC, de Santo André, apontou 1.521 óbitos atribuídos à doença em homens com idade superior a 20 anos, entre 2005 e 2015. Somente em 2015, foram 187 vítimas de morte, número três vezes maior do que em 2005.

Como normalmente não há triagem e rastreamento entre os homens, a doença é diagnosticada já em estágio avançado, o que resulta em uma alta taxa de mortalidade. Porém, assim como as mulheres pertencentes ao grupo de risco, ou seja, com histórico familiar de câncer de mama e outros tipos de tumores com diagnóstico em idade abaixo dos 55 anos, os homens com esse histórico também devem realizar testes genéticos para identificar mutações responsáveis pelo surgimento desses cânceres.

Entre os portadores da mutação BRCA2, o câncer de mama masculino parece ser o mais agressivo. Por outro lado, embora as mutações no gene BRCA1 estejam associadas ao câncer de mama em mulheres, entre os homens não há registros. A rigor, todo homem com diagnóstico de câncer de mama deveria ser submetido a uma pesquisa genética de mutação do gene BRCA2. Além disso, alterações no gene PIK3CA são as mutações mais comuns em pacientes do sexo masculino, ocorrendo com mais frequência do que no sexo feminino.

A identificação de alterações nesses genes em homens tem ainda outro benefício. Novas pesquisas mostram que homens com mutações de BRCA1 ou BRCA2 têm risco aumentado para o desenvolvimento do câncer de próstata e pâncreas, especialmente as de BRCA2.

Esse teste genético é um grande aliado na prevenção do câncer e no rastreamento precoce. Com a confirmação da presença da mutação, é possível realizar medidas de prevenção e rastreamento personalizadas para cada caso, nos dando a chance de agir antes que o tumor se desenvolva, e também individualizando o início e a periodicidade dos exames de rastreamento de forma mais efetiva, tanto em homens, quanto em mulheres.

O câncer de mama masculino compreende menos de 1% de todos os cânceres nos homens e menos de 1% de todos os cânceres de mama. Para cada 100 a 200 pacientes do sexo feminino com câncer de mama, um homem é diagnosticado. Ele tende a se apresentar em pacientes mais velhos e geralmente é uma doença positiva para o receptor de estrogênio, assim como nas mulheres. Ou seja, em sua maioria, é um tumor dependente da presença de estrógeno, o que no homem é produzido pela glândula adrenal e pelo tecido gorduroso, mas em baixas quantidades. A presença de estrógeno nas células tumorais estimula o seu crescimento e multiplicação.

Em geral, os homens não têm conhecimento sobre o câncer de mama masculino e podem ignorar ou se sentir desconfortáveis ao procurar atendimento para queixas mamárias mais comumente associadas às mulheres. Isso apenas leva a diagnósticos mais tardios de câncer avançado nesse grupo.

Alterações na mama, como presença de um caroço na área do tórax, que pode ser acompanhado ou não de adenomegalia axilar (ou "íngua" apalpada na região da axila, em geral, do mesmo lado do caroço), presença de uma retração na pele ou do mamilo devem ser investigadas o mais rápido possível. A saúde nunca deve ser tabu.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade