Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Revisão de dados da Bolsa de Valores (B3) decepciona investidores

Os estrangeiros não só deixaram de comprar ações brasileiras como venderam suas participações em empresas nacionais


23/05/2022 04:00

Painel da Bolsa de Valores
(foto: Nelson Almeida/AFP)


No ano passado, o governo e muitos analistas financeiros comemoraram o aumento do volume de capital estrangeiro na bolsa brasileira. Eles diziam que isso era uma prova inquestionável da confiança do capital internacional no Brasil. Pois bem, os dados estavam errados. A B3 revisou suas informações e, com o novo critério de aferição, descobriu que o suposto fluxo positivo de R$ 70,8 bilhões foi, na verdade, negativo em R$ 7,2 bilhões. Ou seja: em 2021, os estrangeiros não só deixaram de comprar ações brasileiras como venderam suas participações em empresas nacionais. A mudança da água para o vinho foi divulgada como se fosse algo corriqueiro e irrelevante. Não é. Muitas pessoas balizam suas decisões de investimento de acordo com o movimento do mercado e certamente a divulgação, com estardalhaço, de que os estrangeiros estavam despejando dinheiro no Brasil foi um fator de influência. Como confiar agora nos “dados oficiais” da B3?

É hora de investir na Eletrobras?

A provável privatização da Eletrobras, estatal responsável por 30% da geração e 40% da transmissão de energia do país, deverá trazer bons frutos para os investidores da empresa. Pelo menos é isso o que diz o mercado financeiro. De acordo com projeções de analistas de corretoras e bancos, as ações da companhia têm potencial para uma valorização entre 20% e 30%. A Eletrobras tem se destacado na bolsa. Ao longo de 2022, seus papéis subiram 34% diante da expectativa de que seria privatizada.

Preços de passagens aéreas disparam em 2022

Os preços das passagens aéreas estão subindo acima da inflação. De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), em 2021 as tarifas domésticas aumentaram 19,3%, quase o dobro da inflação oficial do país. O movimento prosseguiu nos quatro primeiros meses de 2022, com reajuste de 14,8%. As companhias argumentam que o custo elevado do querosene de aviação justifica a disparada de preços. No ano passado, o combustível subiu 92%. Entre janeiro e maio de 2022, a alta foi de 49%.

Turismo de luxo fatura alto no pós-pandemia

O turismo de luxo não sabe o que é crise. Dados da edição 2021 do anuário produzido pela Brazilian Luxury Travel Association (BLTA) mostram que a taxa de ocupação dos hotéis filiados ao grupo passou de 52% em 2019, no período pré-COVID, para os atuais 60%. O preço médio das tarifas aumentou de R$ 1.549 para R$ 2.126. O mesmo movimento é observado no exterior com o aumento expressivo da procura por destinos marcados pela sofisticação. No pós-pandemia, os ricos querem aproveitar a vida.

RAPIDINHAS

  • O lockdowns na China e a guerra na Ucrânia fizeram disparar a inflação das importações. Segundo dados da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), os preços dos produtos trazidos do mercado internacional subiram 34,4% na passagem de março para abril. Por sua vez, o volume recuou 6,69%. Conclusão: quem importa está pagando muito mais.
  • A fabricante chinesa de motocicletas Shineray definiu uma meta ousada para o Brasil: ser a segunda marca mais vendida em até três anos. Não será tarefa fácil. A empresa detém 1,65% do mercado nacional, longe da segunda colocada Yamaha, com 17,5% de participação. A liderança é da Honda, com 75,4%.
  • A Prime You, maior empresa de compartilhamento de bens de luxo da América Latina, aproveita o ótimo momento do setor no Brasil. A empresa incorporou duas aeronaves à sua frota: um helicóptero EC 155 B1 e um Learjet 60, ambos para oito passageiros. Os modelos podem ser compartilhados por até cinco pessoas e cada cota custa US$ 991 mil.
  • A petrolífera britânica Shell vai produzir hidrogênio verde no Rio de Janeiro. Para isso, a empresa investirá entre US$ 60 milhões e US$ 120 milhões, ainda em 2022, no Porto do Açu, localizado em São João da Barra, no Norte fluminense. A ideia é que a produção do combustível sustentável comece em três anos.

27%

dos profissionais brasileiros se sentem estressados no trabalho todos os dias, conforme pesquisa realizada pelo ADP Research Institute. Não custa lembrar: burnout e estresse são fatores de risco para a saúde

“Um golpe de estado no Brasil provocaria efeitos negativos de grandes proporções, impondo severas perdas à economia e à sociedade”
  • Maílson da Nóbrega, economista

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade