Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Sem freio, cotação do petróleo pode alimentar inflação no Brasil

A Petrobras precisaria cobrar 48 centavos a mais para cobrir a defasagem do preço da gasolina nas refinarias em relação à cotação internacional


20/01/2022 04:00 - atualizado 20/01/2022 00:25



O preço do barril de petróleo do tipo Brent no patamar mais elevado desde 2014 pode significar mais um problema para o bolso dos brasileiros, já debilitado pela crise econômica. Segundo especialistas, é razoável supor que, como consequência, o valor do combustível sofrerá novos reajustes. Há alguns dias, a Petrobras subiu o preço da gasolina (4,85%) e do diesel (8,08%), mas é certo que haverá outros aumentos ao longo dos próximos meses. Cálculo realizado pela Ativa Investimentos mostra que, apesar das recentes altas, a Petrobras precisaria cobrar 48 centavos a mais para cobrir a defasagem do preço da gasolina doméstica nas refinarias em relação à cotação internacional. Como se sabe, combustível caro afeta toda a economia e é um estímulo para a inflação. O assunto provavelmente ganhará amplitude em 2022 e é inevitável que entre nos debates eleitorais. Não custa lembrar que visões populistas a respeito desse tema não resolvem o problema.

Investimentos estrangeiros dobraram em 2021

A Conferência da ONU para o Comércio e Desenvolvimento, a Unctad, publicou dado relevante para a economia brasileira. Em 2021, os investimentos estrangeiros no país totalizaram US$ 58 bilhões, número acima das projeções dos especialistas e que representa aumento de 104% diante de 2020. Com isso, o Brasil passou a ocupar a sétima posição entre os principais destinos de investimentos no mundo. Embora positivo, o resultado está longe do patamar de 2019, quando foi de US$ 65 bilhões.

XP contrata mil profissionais de tecnologia

As áreas ligadas a tecnologia estão se tornando cada vez mais importantes para empresas de diversos setores. Em 2021, a XP contratou exatos 1.009 profissionais focados nessa atividade, o que correspondeu a 45% do total das vagas preenchidas. A maior parte das contratações foi destinada para o segmento de engenharia de software, com 500 novos colaboradores. As áreas de dados, infraestrutura e design também ganharam mais funcionários. Segundo a XP, 800 vagas tecnológicas serão abertas em 2022.
 

A indústria brasileira perdeu espaço no mundo nos últimos 10 anos em contraste com a estabilidade dos 10 anos precedentes. O mau desempenho da produtividade pode explicar a tendência

Alexandre Schwartsman, economista

 

Com inflação alta, consumo deverá empacar

O diretor de Estratégias e Novos Negócios de uma grande rede varejista diz que está difícil manter o otimismo para 2022. “Ninguém mais acredita que o consumo vai engrenar”, afirma. “Com a inflação alta, os mais pobres têm dinheiro apenas para comprar o básico, e olhe lá.” O executivo revela que o plano inicial de sua empresa era abrir ao menos 20 lojas até o final do ano. “Estamos revendo essa meta e provavelmente vamos inaugurar apenas a metade do que havia sido previsto.”

69 dólares

é quanto custará o ingresso mais barato para a Copa do Mundo de 2022, que será disputada em novembro e dezembro no Catar. O bilhete mais caro, para a final, sai por US$ 1,6 mil


RAPIDINHAS

  • O Aeroporto Internacional de São Paulo (foto), em Guarulhos, o mais movimentado do país, recebeu 24,1 milhões de passageiros em 2021, o que representa aumento de 36,4% na comparação com 2020. O número, porém, é 23,6% menor que o volume de 2019. Conclusão: a situação melhorou um pouco, mas não muito.  Resta saber como será 2022.

  • Não está fácil conseguir crédito no Brasil. Segundo pesquisa realizada pela empresa de inteligência analítica Boa Vista, 80% dos consumidores tiveram empréstimos negados nos últimos dois anos. O levantamento também mostra que a principal causa da recusa é ter restrições no nome, conforme apontado por 51% dos pesquisados.

  • O surto da variante Ômicron aumentou drasticamente os afastamentos do trabalho. Dono de uma rede de postos de combustíveis no estado de São Paulo, o empresário João Paulo Albuquerque diz que 25% de seu quadro está de licença médica. “Estou reduzindo os horários de atendimento dos postos por absoluta falta de equipe”, diz.

  • O tenista sérvio Novak Djokovic, ou “Djocovid” para os maldosos, parece não acreditar mesmo em vacinas. Descobriu-se agora que ele é dono, desde junho de 2020, de 80% da empresa dinamarquesa de biotecnologia QuantBioRes, que desenvolve potenciais tratamentos contra a COVID-19 que não envolvam, veja só, a vacina.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade